Gostou do artigo? Compartilhe!

Ganho de peso materno durante a gestação e no pós-parto é fator de risco para excesso de peso no filho

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisa holandesa, com publicação online pelo periódico Pediatrics, estudou a associação entre o ganho de peso materno durante a gestação e no pós-parto e o ganho de peso da criança durante o seu crescimento.

Foram utilizados dados de 3.367 crianças participantes de uma coorte1 de nascimentos que teve início em 1996, na Holanda. Peso e altura foram autorrelatados. O ganho de peso materno durante a gestação foi categorizado como "inadequado", "adequado" e "excessivo". Regressão multivariada e modelos mistos foram utilizados para estudar as mudanças de peso materno e infantil.

Os resultados mostraram que as crianças de mães com excesso de ganho de peso durante a gravidez2 tiveram maior pontuação no escore z do índice de massa corporal3 (IMC4) e prevalência5 de sobrepeso6 durante toda a infância. Filhos de mães com ganho de peso elevado no pós-parto (≥1 kg/ano) tiveram maior mudança no escore z do IMC4 entre 1 e 14 anos de idade do que as crianças de mães com um baixo ganho de peso no pós-parto (<0,5 kg/ano). Filhos de mães com excesso de ganho de peso durante a gravidez2 em combinação com um alto ganho de peso no pós-parto tiveram a maior pontuação no escore z do IMC4 e risco de sobrepeso6 na idade de 14 anos.

Concluiu-se que o ganho de peso durante a gravidez2 e também no pós-parto contribui para o ganho de peso da criança até a adolescência de forma independente.

Fonte: Pediatrics, publicação online, de 19 de outubro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Ganho de peso materno durante a gestação e no pós-parto é fator de risco para excesso de peso no filho. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/808194/ganho-de-peso-materno-durante-a-gestacao-e-no-pos-parto-e-fator-de-risco-para-excesso-de-peso-no-filho.htm>. Acesso em: 20 nov. 2019.

Complementos

1 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
Gostou do artigo? Compartilhe!