Gostou do artigo? Compartilhe!

Ganho excessivo de peso durante a gravidez foi associado à morte precoce

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Analisando mais de 50 anos de dados de gravidez1 e mortalidade2, pesquisadores descobriram que o ganho de peso gestacional (GPG) excessivo estava associado ao aumento do risco de morte precoce.

Para mulheres com peso normal antes da gravidez1, o GPG excessivo foi associado a um aumento de 9% na mortalidade2 por todas as causas, de acordo com Stefanie Hinkle, PhD, da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia na Filadélfia e co-autores.

Mulheres que estavam acima do peso antes da gravidez1 e que tinham GPG excessivo tiveram um aumento de 12% nas mortes por todas as causas, relataram Hinkle e colegas no artigo publicado no The Lancet.

Aquelas que estavam abaixo do peso antes da gravidez1, mas tinham GPG excessivo, tiveram um risco aumentado de 84% de mortalidade2 relacionada a doenças cardiovasculares3, mas não de mortalidade2 por todas as causas ou relacionada ao diabetes4, descobriram eles. Mulheres com peso normal e GPG excessivo também apresentaram risco aumentado de morte cardiovascular, mas não de mortalidade2 relacionada ao diabetes4.

E as mulheres com excesso de peso também tiveram um risco aumentado de mortalidade2 relacionada com o diabetes4, mas não de mortalidade2 cardiovascular, descobriram os pesquisadores.

Saiba mais sobre "Recomendação de ganho de peso durante a gestação" e "Peso normal de um bebê durante a gestação".

“Os dados obtidos deste estudo indicam fortemente que o ganho excessivo de peso durante a gravidez1 pode contribuir para o desenvolvimento de doenças crônicas a longo prazo, aumentando assim o risco de mortalidade2 prematura”, disse Hinkle, observando que quase metade das pessoas grávidas ganham mais peso do que as diretrizes recomendam.

“Isso sublinha a necessidade premente de fornecer apoio e orientação às grávidas para ajudá-las a alcançar um ganho de peso saudável durante a gravidez1, mitigando5 assim o risco de futuras doenças crônicas e mortalidade2 precoce”, acrescentou.

Em um editorial que acompanhou a publicação do estudo, Tomomi Kotani, MD, PhD, e Sho Tano, MD, ambos da Escola de Pós-Graduação em Medicina da Universidade de Nagoya, em Nagoya, Japão, alertaram que as descobertas devem ser interpretadas com cautela “para evitar alarmar as pessoas grávidas, porque este estudo é um estudo prospectivo6 observacional, não um ensaio clínico”.

“GPG excessivo pode resultar em retenção de peso após o parto e acúmulo de gordura7 visceral, mas são necessários mais estudos”, escreveram eles.

“Os profissionais de saúde8 devem estar cientes de que mulheres que tiveram GPG excessivo são uma população com alto risco de mortalidade2 cardiovascular e também devem considerar algumas estratégias de prevenção para doenças cardiovasculares”, escreveram eles, “embora sejam necessárias mais pesquisas para avaliar a sua validade”.

Hinkle sugeriu que pesquisas futuras “deveriam se concentrar na identificação de novas estratégias para ajudar as mulheres grávidas a alcançar um ganho de peso saudável durante a gravidez”.

No artigo publicado os pesquisadores relatam que o elevado ganho de peso durante a gravidez1 está associado a uma maior retenção de peso pós-parto, mas as implicações a longo prazo permanecem desconhecidas.

O objetivo, portanto, foi avaliar se a alteração do peso gestacional estava associada à mortalidade2 mais de 50 anos depois.

O Collaborative Perinatal Project (CPP) foi uma coorte9 prospectiva de gravidez1 nos EUA (1959–65). O CPP Mortality Linkage Study vinculou as participantes do CPP ao Índice Nacional de Morte e ao Arquivo Mestre de Morte da Previdência Social para status vital até 2016.

Razões de risco (HRs) ajustadas com ICs de 95% estimaram associações entre ganho e perda de peso gestacional, de acordo com as recomendações de 2009 da Academia Nacional de Medicina, e mortalidade2 por IMC10 pré-gestacional. O desfecho primário foi mortalidade2 por todas as causas. Os desfechos secundários incluíram causas subjacentes de mortalidade2 cardiovascular e por diabetes4.

Entre 46.042 participantes, 20.839 (45,3%) se identificaram como negras e 21.287 (46,2%) como brancas. O tempo médio de acompanhamento foi de 52 anos (IQR 45-54) e 17.901 (38,9%) participantes morreram.

Para aquelas que estavam abaixo do peso antes da gravidez1 (IMC10 <18,5 kg/m²; 3.809 [9,4%] de 40.689 antes da imputação de dados faltantes]), a mudança de peso acima das recomendações foi associada ao aumento da mortalidade2 cardiovascular (HR 1,84 [IC 95% 1,08-3,12]), mas não da mortalidade2 por todas as causas (1,14 [0,86-1,51]) ou da mortalidade2 relacionada ao diabetes4 (0,90 [0,13-6,35]).

Para aquelas com peso normal antes da gravidez1 (IMC10 18,5-24,9 kg/m²; 27.921 [68,6%]), a mudança de peso acima das recomendações foi associada ao aumento da mortalidade2 por todas as causas (HR 1,09 [1,01-1,18]) e da mortalidade2 cardiovascular (1,20 [1,04-1,37]), mas não da mortalidade2 relacionada ao diabetes4 (0,95 [0,61-1,47]).

Para aquelas que tinham excesso de peso antes da gravidez1 (IMC10 25,0-29,9 kg/m²; 6.251 [15,4%]), a mudança de peso acima das recomendações foi associada ao aumento da mortalidade2 por todas as causas (1,12 [1,01-1,24]) e da mortalidade2 relacionada ao diabetes4 (1,77 [1,23-2,54]), mas não da mortalidade2 cardiovascular (1,12 [0,94-1,33]).

Para aquelas com obesidade11 pré-gestacional (IMC10 ≥30,0 kg/m²; 2.708 [6,7%]), todas as associações entre mudança de peso gestacional e mortalidade2 tiveram ICs amplos e nenhuma relação significativa pôde ser estabelecida.

A mudança de peso abaixo dos níveis recomendados foi associada apenas à redução da mortalidade2 relacionada ao diabetes4 (0,62 [0,48-0,79]) em pessoas com peso normal antes da gravidez1.

As novas descobertas deste estudo apoiam a importância de alcançar um ganho de peso gestacional saudável dentro das recomendações, acrescentando que as implicações podem estender-se para além da janela da gravidez1 até a saúde8 a longo prazo, incluindo a mortalidade2 cardiovascular e relacionada com o diabetes4.

Leia sobre "Dez razões para fazer exercícios durante a gestação", "Doenças cardiovasculares3" e "Doenças crônicas".

 

Fontes:
The Lancet, publicação em 19 de outubro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 25 de outubro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Ganho excessivo de peso durante a gravidez foi associado à morte precoce. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1461224/ganho-excessivo-de-peso-durante-a-gravidez-foi-associado-a-morte-precoce.htm>. Acesso em: 15 jul. 2024.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 Mitigando: Tornando mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviando, suavizando, aplacando.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
11 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!