Gostou do artigo? Compartilhe!

JACC: hipertensão sistólica isolada em adultos jovens e de meia idade aumenta o risco de doenças cardiovasculares e morte por doença coronariana

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo The Chicago Heart Association Detection Project in Industry Study, divulgado pelo Journal of the American College of Cardiology (JACC), avaliou o risco para doença cardiovascular (DCV) em adultos jovens e de meia-idade com hipertensão1 sistólica isolada (HSI).

A prevalência2 da hipertensão1 sistólica isolada (HSI), definida como pressão arterial sistólica3 (PAS) ≥140 mmHg e diastólica (PAD) <90 mmHg, em adultos jovens e de meia-idade está aumentando.

O risco de DCV foi explorado em 15.868 homens e 11.213 mulheres, que apresentavam de 18 a 49 anos de idade no início do estudo (idade média de 34 anos), 85% brancos não-hispânicos, livres de doença cardíaca coronária (DCC) e que não faziam uso de terapia anti-hipertensiva. Os participantes foram classificados como tendo:

1. Pressão arterial4 (PA) normal ideal: PAS<130 mmHg e PAD<85 mmHg.

2. PA normal alta: PAS 130 a 139 mmHg e PAD 85 a 89 mmHg.

3. Hipertensão1 sistólica isolada (HSI): PAS ≥140 mmHg e PAD<90 mmHg.

4. Hipertensão1 diastólica isolada: PAS <140 mmHg e diastólica ≥90 mmHg.

5. Hipertensão1 sistólica diastólica: PAS ≥140 mmHg e diastólica ≥90 mmHg.

Durante um período de seguimento médio de 31 anos (842.600 pessoas-ano), houve 1.728 mortes por DCV, 1.168 por DCC e 223 por acidente vascular cerebral5. Modelos de riscos proporcionais de Cox foram ajustados para idade, raça, escolaridade, índice de massa corporal6, tabagismo, colesterol7 total e diabetes8. Nos homens com HSI, tendo como referência aqueles com PA normal ideal, as taxas de risco de DCV e de morte por DCC foram 1,23 (intervalo de confiança [IC] de 95%: 1,03-1,46) e 1,28 (IC 95%: 1,04-1,58), respectivamente. Os riscos da HSI foram semelhantes para aqueles com PA normal alta e menores do que para aqueles associados com a hipertensão1 diastólica isolada e hipertensão1 sistólica diastólica. Em mulheres com HSI, as taxas de risco para DCV e mortalidade9 por DCC foram 1,55 (IC 95%: 1,18-2,05) e 2,12 (IC 95%: 1,49-3,01), respectivamente. Os riscos da HSI foram maiores do que naquelas com PA normal alta ou HDI e menores do que naquelas associadas com hipertensão1 diastólica sistólica.

Em seguimento de longo prazo, adultos jovens e de meia-idade com HSI apresentaram risco relativo para as DCV e mortalidade9 por DCC maior do que o daqueles com PA normal ideal.

Fonte: Journal of the American College of Cardiology (JACC), volume 65, número 4, de fevereiro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. JACC: hipertensão sistólica isolada em adultos jovens e de meia idade aumenta o risco de doenças cardiovasculares e morte por doença coronariana. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/741467/jacc-hipertensao-sistolica-isolada-em-adultos-jovens-e-de-meia-idade-aumenta-o-risco-de-doencas-cardiovasculares-e-morte-por-doenca-coronariana.htm>. Acesso em: 16 set. 2019.

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
3 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
4 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!