Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: adenocarcinoma colorretal com metástases e efeito do PET-CT antes da ressecção hepática

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um ensaio clínico randomizado1 estudou pacientes com câncer2 colorretal com metástases3 hepáticas4. Estes pacientes costumam sofrer ressecção hepática5 com intenção curativa. O presente artigo avaliou o efeito da tomografia por emissão de pósitrons combinada com tomografia computadorizada6 (PET-CT) na identificação de pacientes com metástases3 ocultas, evitando uma cirurgia não curativa.

Os objetivos foram determinar o efeito do PET-CT versus não PET-CT (controle) no pré-operatório do tratamento cirúrgico de pacientes com metástases3 ressecáveis, investigar o efeito de PET-CT na sobrevivência7 e a associação entre o valor de captação padronizada (proporção de radioatividade no tecido8 e a radioatividade injetada ajustada por peso) e a sobrevivência7.

Um estudo randomizado9 de pacientes maiores de 18 anos com câncer2 colorretal tratados por cirurgia, com metástases3 ressecáveis com base em tomografias de tórax10, abdome11 e pelve12, dentro dos 30 dias anteriores e com uma colonoscopia13 limpa dentro dos 18 meses anteriores foi realizado entre 2005 e 2013, envolvendo 21 cirurgiões em nove hospitais de Ontário, Canadá, com scanners PET-CT em cinco instituições acadêmicas. Os pacientes foram randomizados usando uma proporção 2:1 de PET-CT ou controle.

O desfecho primário foi a mudança na gestão cirúrgica definida como cirurgia hepática5 cancelada, cirurgia hepática5 mais extensa ou cirurgia em órgãos adicionais baseado no PET-CT. A sobrevivência7 foi um resultado secundário.

Dos 263 pacientes que foram submetidos a PET-CT, 21 tiveram uma mudança no tratamento cirúrgico (8,0%, IC 95%; 5,0%-11,9%). Especificamente, sete pacientes (2,7%) não foram submetidos à laparotomia14, quatro (1,5%) tiveram cirurgia hepática5 mais extensa, nove (3,4%) tiveram cirurgia em órgãos adicionais (oito dos quais com ressecção hepática5) e em um paciente a cavidade abdominal15 foi aberta, mas a ressecção hepática5 não foi realizada e a cavidade foi fechada. A ressecção hepática5 foi realizada em 91% dos pacientes no grupo PET-CT e em 92% do grupo controle. Após um seguimento médio de 36 meses, a taxa de mortalidade16 estimada foi de 11,13 ocorrências/1.000 pessoas-mês para o grupo PET-CT (IC 95%, 8,95-13,68) e 12,71 eventos/1.000 pessoas-mês para o grupo controle (IC 95%, 9,40-16,80). A sobrevivência7 não diferiu entre os dois grupos (hazard ratio 0,86 [IC 95%; 0,60-1,21], P=0,38). O valor de captação padronizada foi associado com a sobrevivência7 (hazard ratio 1,11 por aumento unitário [IC 90%, 1,07-1,15], P<0,001). A estatística C para o modelo, incluindo o valor de captação padronizado foi de 0,62 (IC 95%; 0,56-0,68) e sem ela foi de 0,50 (IC 95%; 0,44-0,56). A diferença nas estatísticas C foi de 0,12 (IC 95%; 0,04-0,21). A estatística C baixa sugere que o valor de captação padrão não é um forte preditor de sobrevida17 global.

Concluiu-se que entre os pacientes com metástases3 hepáticas4 potencialmente ressecáveis de adenocarcinoma18 colorretal, o uso de PET-CT em comparação com CT somente não resultou em mudança frequente do tratamento cirúrgico. Estes resultados levantam questões sobre o valor dos exames de PET-CT para estes pacientes.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), de 14 de maio de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. JAMA: adenocarcinoma colorretal com metástases e efeito do PET-CT antes da ressecção hepática. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/540852/jama-adenocarcinoma-colorretal-com-metastases-e-efeito-do-pet-ct-antes-da-resseccao-hepatica.htm>. Acesso em: 24 out. 2019.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
4 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
5 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
6 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
7 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
8 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
9 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
10 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
11 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
12 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
13 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
14 Laparotomia: Incisão cirúrgica da parede abdominal utilizada com fins exploratórios ou terapêuticos.
15 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
16 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
17 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
18 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
Gostou do artigo? Compartilhe!