Gostou do artigo? Compartilhe!

Exame de fezes caseiro detecta câncer de intestino com mais de 90% de precisão

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um teste de rastreamento para câncer1 de intestino que procura RNA nas fezes pode ser feito em casa e é quase tão bom na detecção da doença quanto as colonoscopias padrão-ouro, de acordo com dados de um estudo publicado no JAMA.

O novo teste tem uma precisão de 94% quando comparado com colonoscopias e foi submetido à Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para aprovação.

“Basta fazer cocô em um copo, fechar a tampa e enviá-lo para nós em temperatura ambiente”, diz Erica Barnell, co-fundadora da empresa norte-americana Geneoscopia, que desenvolveu o teste.

Em um estudo cego, prospectivo2 e transversal, CRC-PREVENT, os pesquisadores avaliaram um teste multi-alvo de RNA de fezes (mt-sRNA; Colosense) versus colonoscopia3 para detecção de adenomas avançados e câncer1 colorretal em indivíduos de risco médio com 45 anos ou mais.

Para o estudo, David Lieberman, MD, professor de medicina e ex-chefe da Divisão de Gastroenterologia e Hepatologia da Oregon Health and Science University, e colegas recrutaram um grupo diversificado de 8.289 adultos submetidos à colonoscopia3 em um dos mais de 3.800 centros de endoscopia4 em todo o país. O recrutamento incluiu divulgação através das redes sociais, o que poderia ser usado para melhorar as taxas de rastreio futuras, disse Lieberman.

Os participantes forneceram amostras de fezes antes da colonoscopia3. Colosense inclui um teste imunoquímico fecal (TIF) disponível comercialmente e testes para oito cadeias diferentes de RNA. Os resultados do teste mt-sRNA foram comparados com os resultados da colonoscopia3.

Leia sobre "Exame de sangue5 oculto nas fezes", "Exame parasitológico de fezes" e "Tipos de alterações das fezes".

O teste mt-sRNA teve 100% de sensibilidade para cânceres em estágio I inicial, que foram detectados em 12 pacientes. Adenomas avançados foram detectados com sensibilidade geral de 46%. Quando os adenomas avançados eram ≥2 cm, a sensibilidade aumentou para 50%.

A especificidade foi de 88% entre pacientes com resultados negativos para pólipos6 ou lesões7 hiperplásicas.

O teste mt-sRNA mostrou melhorias significativas na sensibilidade para câncer1 colorretal (94% vs 78%; P = 0,01) e adenomas avançados (46% vs 29%; P <0,001), quando comparado apenas com os resultados do TIF.

“Este é o primeiro grande estudo a incluir a população de 45 a 49 anos, para a qual o rastreamento é agora recomendado”, disse Lieberman.

Os resultados mostram uma sensibilidade de 100% para detecção de câncer1 colorretal e 44% para adenomas avançados nesta faixa etária mais jovem. Esse desempenho é “excelente”, disse Lieberman.

Os resultados também foram confiáveis em todas as idades.

“O desempenho consistente em todas as faixas etárias para as quais o rastreio é recomendado é uma descoberta fundamental e era totalmente desconhecido” antes deste estudo, segundo Lieberman.

Os testes baseados em RNA podem ter uma vantagem sobre os testes de biomarcadores de DNA, que podem ser propensos a alterações na metilação do DNA relacionadas à idade, acrescentou.

No artigo os pesquisadores relatam que os testes não invasivos para rastreio do câncer1 colorretal devem incluir a detecção sensível do câncer1 colorretal e de lesões7 pré-cancerosas. Esses testes devem ser validados para a população de uso pretendido, que inclui indivíduos de risco médio com 45 anos ou mais.

O objetivo deste estudo foi avaliar a sensibilidade e especificidade de um teste não invasivo de RNA de fezes multi-alvo (mt-sRNA) (ColoSense) em comparação com os resultados de uma colonoscopia3.

Este ensaio clínico de fase 3 (CRC-PREVENT) foi um estudo cego, prospectivo2 e transversal para apoiar um pedido de aprovação pré-comercialização para um dispositivo médico de classe III. Um total de 8.920 participantes foram identificados online usando plataformas de mídia social e inscritos de junho de 2021 a junho de 2022 usando uma central de atendimento de enfermagem descentralizada.

Todos os participantes completaram o teste mt-sRNA, que incorporou um teste imunoquímico fecal (TIF) disponível comercialmente, concentração de 8 transcritos de RNA e status de tabagismo relatado pelos participantes. Amostras de fezes foram coletadas antes dos participantes concluírem uma colonoscopia3 no centro de endoscopia4 local. Os resultados do teste mt-sRNA (positivos ou negativos) foram comparados com lesões7 índice observadas na colonoscopia3.

Ao longo de 12 meses, indivíduos com 45 anos ou mais foram inscritos no ensaio clínico utilizando a estratégia de recrutamento descentralizada. Os participantes foram inscritos em 49 estados dos EUA e obtiveram colonoscopias em mais de 3.800 centros de endoscopia4 diferentes.

Os resultados primários incluíram a sensibilidade do teste mt-sRNA para detectar câncer1 colorretal e adenomas avançados e a especificidade para ausência de lesões7 na colonoscopia3.

A idade média (intervalo) dos participantes foi de 55 (45-90) anos, com 4% autoidentificados como asiáticos, 11% como negros e 7% como hispânicos. Dos 8.920 participantes elegíveis, 36 (0,40%) tinham câncer1 colorretal e 606 (6,8%) tinham adenomas avançados.

A sensibilidade do teste mt-sRNA para detecção de câncer1 colorretal foi de 94%, a sensibilidade para detecção de adenomas avançados foi de 46% e a especificidade para ausência de lesões7 na colonoscopia3 foi de 88%.

O teste mt-sRNA mostrou melhora significativa na sensibilidade para câncer1 colorretal (94% vs 78%; McNemar P = 0,01) e adenomas avançados (46% vs 29%; McNemar P < 0,001) em comparação com os resultados do TIF.

O estudo concluiu que, em indivíduos com 45 anos ou mais, o teste mt-sRNA apresentou alta sensibilidade para neoplasia8 colorretal (câncer1 colorretal e adenoma9 avançado) com melhora significativa da sensibilidade em relação ao TIF. A especificidade para ausência de lesões7 na colonoscopia3 foi comparável aos testes de diagnóstico10 molecular existentes.

Veja também sobre "Colonoscopia3", "Câncer1 Colorretal" e "Adenomas".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 23 de outubro de 2023.
Medscape, notícia publicada em 22 de outubro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Exame de fezes caseiro detecta câncer de intestino com mais de 90% de precisão. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1461309/exame-de-fezes-caseiro-detecta-cancer-de-intestino-com-mais-de-90-de-precisao.htm>. Acesso em: 30 mai. 2024.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
4 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
9 Adenoma: Tumor do epitélio glandular de características benignas.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!