Gostou do artigo? Compartilhe!

JNC 8 lança as novas orientações sobre o manejo da hipertensão arterial em adultos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O Eighth Joint National Committee (JNC 8) lançou suas novas orientações para o tratamento da hipertensão arterial1 do adulto.

O grupo de especialistas estabelece alvos menos agressivos no controle da hipertensão arterial1 do que os recomendados pelo JNC 7 e também muda a recomendação de que diuréticos2 tiazídicos devem ser o tratamento inicial para a maioria dos pacientes, sugerindo que um inibidor da ECA, um bloqueador do receptor de angiotensina (BRA), um bloqueador dos canais de cálcio (CCB) ou um diurético3 tiazídico são escolhas razoáveis.

O JNC 8, segundo o Dr. Paul A. James (University of Iowa, Iowa City), um dos autores das novas recomendações, baseia-se em:

“Tratar os níveis pressóricos4 para 150/90 mmHg em pacientes acima de 60 anos de idade e para 140/90 mmHg para todos os outros pacientes; simplificando o regime de medicamentos usados. O importante mesmo é alcançar essas metas, monitorar e controlar os níveis pressóricos4 dos pacientes."

As páginas do JNC 8 incluem um algoritmo de tratamento detalhado e uma tabela mostrando as principais diferenças entre o JNC 7 e o JNC 8. Os autores também publicaram mais de 300 páginas de um suplemento online delineando o processo de revisão de evidências, incluindo comentários dos revisores. A diretriz foi construída em torno de três questões desenvolvidas no início da revisão das evidências:

  1. Em pacientes com hipertensão5, o início da terapia em limiares específicos de pressão arterial6 melhora os resultados na saúde7?
  2. Em pacientes com hipertensão5, o tratamento medicamentoso para os objetivos especificados melhora os resultados na saúde7?
  3. Em pacientes com hipertensão5, os diferentes medicamentos diferem em benefícios e malefícios?

Principais recomendações do JNC 8 para o manejo da hipertensão arterial1 em adultos

Estas três questões formaram a base para as nove recomendações, discutidas em profundidade e atribuídas a uma pontuação tanto para a força da recomendação, quanto para as evidências que suportam essas orientações. Entre as recomendações estão:

Recomendação 1

Na população geral, em pacientes com 60 anos ou mais, iniciar o tratamento medicamentoso para baixar a pressão arterial sistólica8 (PAS) ≥ 150 milímetros de mercúrio (mmHg) ou a pressão arterial diastólica9 (PAD) ≥ 90 mmHg para uma meta de PAS < 150 mmHg e uma meta de PAD < 90 mmHg. (Recomendação forte - grau A).

Recomendação necessária: na população geral, em pacientes com 60 anos ou mais, se o tratamento medicamentoso resultou em redução da PAS (por exemplo, < 140 mmHg) e o tratamento é bem tolerado e sem efeitos adversos, ele não precisa ser ajustado (Opinião dos especialistas - grau E).

Recomendação 2

Na população geral, em pacientes com < 60 anos, iniciar tratamento farmacológico para reduzir a pressão arterial diastólica9 ≥ 90 mmHg para uma meta < 90 mmHg (Para idades entre 30-59 anos, recomendação forte - grau A. Para idades entre 18-29 anos, opinião dos especialistas - grau E).

Recomendação 3

Na população geral em pacientes com < 60 anos, iniciar tratamento farmacológico para reduzir a pressão arterial sistólica8 ≥ 140 mmHg para uma meta < 140 mmHg (Opinião dos especialistas - grau E).

Recomendação 4

Na população geral, em pacientes com 18 anos ou mais com doença renal10 crônica (DRC), iniciar o tratamento farmacológico para reduzir a pressão arterial sistólica8 ≥ 140 mmHg ou pressão arterial diastólica9 ≥ 90 mmHg para uma meta de PAS < 140 mmHg e uma meta de PAD < 90 mmHg (Opinião dos especialistas - grau E).

Recomendação 5

Na população geral, em pacientes com 18 anos ou mais com diabetes11, iniciar o tratamento farmacológico para reduzir a pressão arterial sistólica8 ≥ 140 mmHg ou pressão arterial diastólica9 ≥ 90 mmHg para uma meta de PAS < 140 mmHg e uma meta de PAD < 90 mmHg (Opinião dos especialistas - grau E).

Recomendação 6

Na população geral, em pacientes não-negros incluindo aqueles com diabetes11, o tratamento antihipertensivo inicial deve ser com um diurético3 tiazídico, um bloqueador dos canais de cálcio (CCB), um inibidor da ECA (IECA) ou um bloqueador do receptor de angiotensina (BRA) (Recomendação moderada - grau B).

Recomendação 7

Na população geral, em pacientes negros, incluindo aqueles com diabetes11, o tratamento antihipertensivo inicial deve ser com um diurético3 tiazídico ou com um bloqueador dos canais de cálcio (CCB). (Para a população negra em geral: recomendação moderada - grau B; para pacientes12 negros com diabetes11: recomendação fraca - grau C).

Recomendação 8

Na população geral, em pacientes com 18 anos ou mais, com doença renal10 crônica, inicial ou em terapia, o tratamento antihipertensivo deve incluir um inibidor da ECA ou um BRA, para melhorar as condições renais, independentemente de raça ou do status da diabetes11. (Recomendação moderada - grau B).

Recomendação 9

O principal objetivo do tratamento da hipertensão5 é atingir e manter as metas estabelecidas da pressão arterial6. Se o objetivo não é alcançado dentro de um mês de tratamento, aumentar a dose da droga inicial ou adicionar uma segunda medicação entre uma daquelas citadas na recomendação 6 (diurético3 tiazídico, bloqueador dos canais de cálcio (CCB), inibidor da ECA (IECA) ou bloqueador do receptor de angiotensina (BRA)). O médico deve continuar a avaliar a pressão arterial6 do paciente e ajustar o regime de tratamento até que o objetivo seja alcançado. Se o objetivo não pode ser alcançado com duas medicações, adicionar e titular uma terceira medicação a partir da lista fornecida. Não use um IECA e um BRA juntos em um mesmo paciente. Se o objetivo da pressão arterial6 ainda não pode ser alcançado apenas com os medicamentos citados na recomendação 6, devido a uma contraindicação ou à necessidade de usar mais de três medicamentos para alcançar o objetivo da pressão arterial6, anti-hipertensivos de outras classes podem ser usados (por exemplo, betabloqueadores, antagonistas da aldosterona, etc.). O encaminhamento para um especialista em hipertensão arterial1 pode ser indicado para pacientes12 nos quais a meta da pressão arterial6 não pode ser alcançada usando a estratégia acima ou para o tratamento de pacientes complicados para os quais é necessária uma consulta clínica adicional (Opinião dos especialistas - grau E).

As mudanças no estilo de vida que colaborem para a redução da pressão arterial6 devem sempre ser estimuladas.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), de 18 de dezembro de 2013

Veja o documento completo (em inglês) em: 2014 Hypertension Guideline - Guideline for Management of High Blood Pressure in Adults, by Panel Members Appointed to the Eighth Joint National Committee (JNC)

NEWS.MED.BR, 2013. JNC 8 lança as novas orientações sobre o manejo da hipertensão arterial em adultos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/513089/jnc-8-lanca-as-novas-orientacoes-sobre-o-manejo-da-hipertensao-arterial-em-adultos.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
2 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
3 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
4 Níveis pressóricos: Em cardiologia, níveis pressóricos são os níveis de pressão arterial.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
9 Pressão arterial diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
10 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
12 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!