Atalho: 6BPM708
Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: tai chi chuan ajuda na estabilidade postural de pacientes com Doença de Parkinson

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um dos sintomas1 da doença de Parkinson2 é o distúrbio do equilíbrio, que pode levar à diminuição da capacidade funcional e ao aumento no risco de quedas. Embora os médicos incentivem rotineiramente a prática de exercícios para esses pacientes, poucos programas têm se mostrado eficazes.

Foi realizado um estudo randomizado3 e controlado, publicado pelo periódico New England Journal of Medicine, para determinar se um programa de tai chi chuan poderia melhorar o controle postural de pacientes com doença de Parkinson2. Foram selecionados aleatoriamente 195 pacientes, com estágio de 1 a 4 da doença (classificação de Hoehn e Yahr4), para um dos três grupos:

  • Treinamentos de tai chi chuan.
  • Treinamento de resistência.
  • Treinamento de alongamentos.

Os pacientes participaram de sessões de 60 minutos de exercícios, duas vezes por semana, durante 24 semanas. Os desfechos primários foram alterações em relação ao início do estudo nos testes de estabilidade. Os desfechos secundários incluíram medidas de marcha e força, escores de alcance funcional e avaliação do número de quedas.

Os resultados mostraram que o grupo que participou do programa de tai chi chuan apresentou-se consistentemente melhor do que os de treinamentos de resistência ou de alongamento. O grupo do tai chi chuan também se saiu melhor do que o grupo de alongamento em todos os desfechos secundários e superou o grupo de treinamento de resistência nos testes de marcha e de alcance funcional. Tai chi chuan reduziu a incidência5 de quedas, quando comparado ao alongamento, mas não em comparação com o treinamento de resistência. Os efeitos do tai chi chuan no treinamento foram mantidos após três meses da intervenção e nenhum evento adverso grave foi observado.

Concluiu-se que o treinamento de tai chi chuan parece reduzir os distúrbios de equilíbrio em pacientes com doença de Parkinson2 leve a moderada, com benefícios adicionais na capacidade funcional e na redução do número de quedas.

Fonte: The New England Journal odf Medicine, de 9 de fevereiro de 2012

NEWS.MED.BR, 2012. NEJM: tai chi chuan ajuda na estabilidade postural de pacientes com Doença de Parkinson. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/260585/nejm-tai-chi-chuan-ajuda-na-estabilidade-postural-de-pacientes-com-doenca-de-parkinson.htm>. Acesso em: 19 out. 2018.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Classificação de Hoehn e Yahr: Escala de classificação de pacientes com doença de Parkinson em 5 estágios diferentes, com os estágios mais altos indicando doença mais grave.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!