Atalho: 624WS7M
Gostou do artigo? Compartilhe!

Mulheres fumantes têm 25% mais chances de sofrer doenças cardíacas do que homens tabagistas, revela pesquisa publicada pelo The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tabagismo como fator de risco1 de doença coronariana2 para mulheres é pior do que para os homens, revelou uma revisão sistemática de artigos e resumos científicos e uma meta-análise de estudos de coorte3 prospectivos publicadas no periódico The Lancet.

A revisão teve como objetivo estimar o efeito do fumo sobre a doença coronária nas mulheres em comparação com os homens depois de considerar as diferenças de sexo e outros fatores de risco.

A partir de quatro bases de dados online, uma revisão sistemática e uma meta-análise de estudos de coorte3 prospectivos (publicados entre 1º de janeiro de 1966 e 31 de dezembro de 2010) foram realizadas nos EUA por especialistas da Universidade de Minnesota e da Johns Hopkins University. Foram incluídos os dados de 3.912.809 indivíduos e 67.075 eventos de doença coronariana2 de 86 estudos prospectivos.

Não ficou claro se os mecanismos subjacentes às diferenças entre os sexos no risco de doença cardíaca coronariana são biológicos ou relacionados a diferenças no comportamento (fumar).

Os programas de controle do tabagismo devem priorizar as mulheres, especialmente aquelas de países onde o fumo entre as jovens está aumentando em prevalência4.

Fonte: The Lancet – publicação online de 11 de agosto de 2011

NEWS.MED.BR, 2011. Mulheres fumantes têm 25% mais chances de sofrer doenças cardíacas do que homens tabagistas, revela pesquisa publicada pelo The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/228795/mulheres-fumantes-tem-25-mais-chances-de-sofrer-doencas-cardiacas-do-que-homens-tabagistas-revela-pesquisa-publicada-pelo-the-lancet.htm>. Acesso em: 23 jul. 2019.

Complementos

1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
3 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!