Gostou do artigo? Compartilhe!

A medida da pressão arterial pode variar em até 40% nas diferentes horas do dia e de acordo com as estações do ano

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A probabilidade de medir uma pressão sangüínea1 elevada pode variar cerca de 40% dependendo da hora do dia e da época do ano, de acordo com investigadores da Escola de Rollins da Universidade de Emory em Atlanta.

Os pesquisadores colheram dados de mais de 2 milhões de consultas médicas em 57 clínicas da comunidade de Geisinger por 3-7 anos, as quais tinham os dados médicos registrados eletronicamente. Uma amostra aleatória de 203.927 medidas da pressão arterial2 de 24.904 pacientes foi analisada para o estudo apresentado na Reunião Anual de Hipertensão3 da Sociedade Americana em São Francisco.

A probabilidade de medir a pressão arterial sistólica4 maior ou igual a 140 mmHg é menor pela manhã e ao meio-dia e maior à noite.

É 26% mais provável que a pressão arterial2 esteja elevada no fim do dia se comparado ao meio do dia, de acordo com Cynthia Thomas do centro de Geisinger de pesquisa em saúde5. Os investigadores encontraram a probabilidade de medir uma pressão sistólica6 acima de 140 mmHg maior durante os meses do inverno e menor durante o verão. Os resultados são compatíveis independente da etnia, da idade, do sexo, da história de hipertensão3 ou das condições de tratamento, de acordo com investigadores.

Quando os fatores hora do dia e estação do ano são combinados, a pressão arterial2 pode variar perto de 40%. Os pesquisadores ficaram surpresos com esta grande variação pelo impacto que pode ter na prática clínica.

A variação na pressão arterial2 é largamente conhecida, mas o grau de variação diários e a influência das estações do ano não foi previamente quantificado, como também é desconhecido o impacto clínico que pode trazer. Os estudiosos recomendam que os médicos os levem em consideração ao diagnosticar e ao escolher entre as opções de tratamento para seus pacientes e recomendam que novos estudos sejam realizados.

Fonte: American Diabetes7 Association

NEWS.MED.BR, 2006. A medida da pressão arterial pode variar em até 40% nas diferentes horas do dia e de acordo com as estações do ano. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1875/a-medida-da-pressao-arterial-pode-variar-em-ate-40-nas-diferentes-horas-do-dia-e-de-acordo-com-as-estacoes-do-ano.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Pressão sangüínea: Força exercida pelo sangue arterial por unidade de área da parede arterial. É expressa como uma razão (Exemplo: 120/80, lê-se 120 por 80). O primeiro número é a pressão sistólica ou pressão máxima. E o segundo número é a presão diastólica ou mínima.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
4 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
Gostou do artigo? Compartilhe!