Gostou do artigo? Compartilhe!

Baixa testosterona foi associada ao risco de mortalidade em homens de meia idade e idosos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um baixo nível sérico de testosterona na linha de base foi associado a um maior risco de mortalidade1 por todas as causas e por doenças cardiovasculares2 (DCV), segundo uma metanálise de 11 estudos de coorte3 prospectivos publicada no Annals of Internal Medicine.

Em análises ajustadas por idade, os homens no quintil4 mais baixo (8,46 nmol/L [244 ng/dL]) da concentração total de testosterona tiveram um risco maior de mortalidade1 por todas as causas (HR 1,09, IC 95% 1,01-1,17) e mortalidade1 por DCV (HR 1,32, IC 95% 1,06-1,64) em comparação com homens no quintil4 mais elevado, relataram Bu Yeap, PhD, da Universidade da Austrália Ocidental em Crawley, e colegas.

Em análises totalmente ajustadas que levaram em conta uma série de outros potenciais fatores de confusão, no entanto, apenas homens com concentrações de testosterona abaixo de 7,4 nmol/L (213 ng/dL) tiveram um risco maior de mortalidade1 por todas as causas, e apenas homens com concentrações abaixo de 5,3 nmol /L (153 ng/dL) apresentaram maior risco de mortalidade1 por DCV.

“Esta é, até onde sabemos, a primeira metanálise de dados de participantes individuais dos principais estudos de coorte3 prospectivos usando ensaios de esteroides sexuais por espectrometria de massa, o que esclarece descobertas anteriores inconsistentes sobre a influência dos hormônios sexuais nos principais resultados de saúde5 em homens de meia idade e idosos”, escreveram os pesquisadores.

Yeap elaborou sobre o significado das descobertas. “Esses resultados fornecem informações sobre as concentrações de testosterona esperadas em homens saudáveis, além de informações provenientes de intervalos de referência laboratoriais”, escreveu ele.

Leia sobre "Distúrbios da testosterona", "Uso de testosterona" e "Reposição de testosterona: riscos e benefícios".

O estudo também examinou os resultados relacionados às concentrações de globulina6 ligadora de hormônios sexuais (SHBG), hormônio7 luteinizante (LH), diidrotestosterona (DHT) e estradiol. As principais conclusões incluíram o seguinte:

  • SHBG mais baixa foi associada a menor mortalidade1 por todas as causas e por DCV
  • Concentrações de LH acima de 10 UI/L e estradiol abaixo de 5,1 pmol/L foram associadas a maior mortalidade1 por todas as causas
  • O estudo encontrou uma relação em forma de U com DHT e risco de mortalidade1

“A associação de concentrações mais baixas de testosterona com maior mortalidade1 por todas as causas estava presente independentemente das concentrações de hormônio7 luteinizante”, explicou Yeap, “indicando que a baixa testosterona era o principal fator”.

Além disso, os homens com concentrações mais baixas de testosterona e SHBG normal ou elevada apresentaram risco de mortalidade1 aumentado, mas aqueles com concentrações mais baixas de testosterona e SHBG baixa tiveram menor risco de mortalidade1, disse Yeap. “Isso é consistente com o fato de que os homens podem ter concentrações mais baixas de testosterona na presença de SHBG baixa, sem serem hipogonadais”.

Em um editorial que acompanha o estudo, Bradley Anawalt, MD, da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em Seattle, disse que o principal ponto forte da metanálise foi a inclusão de estudos que usaram medidas de espectrometria de massa.

“A espectrometria de massa é considerada o método mais preciso de medição de testosterona e também pode ser usada para medir DHT e estradiol com precisão”, disse Bradley, “enquanto os imunoensaios comerciais amplamente disponíveis são imprecisos para medição desses esteroides sexuais em homens, que normalmente apresentam baixas concentrações séricas desses dois metabólitos8 da testosterona.”

Bradley concluiu em seu editorial: “No geral, esses dados epidemiológicos apoiam a hipótese de que o hipogonadismo está associado a maior mortalidade1 cardiovascular e/ou por todas as causas. Os dados também apoiam a hipótese da testosterona livre que afirma que a testosterona livre é a forma ativa do hormônio7 – uma hipótese que é um pouco controversa.”

No artigo publicado, os pesquisadores avaliaram as associações de testosterona e hormônios relacionados com mortalidade1 cardiovascular e por todas as causas e doenças cardiovasculares2 incidentes9 em homens.

Eles relatam que é controverso se os hormônios sexuais circulantes modulam a mortalidade1 e o risco de doenças cardiovasculares2 (DCV) em homens de meia idade e idosos. O objetivo deste estudo, portanto, foi esclarecer associações de hormônios sexuais com esses resultados.

Foi feita uma revisão sistemática da literatura até julho de 2019, com buscas adicionais até março de 2024. Foram selecionados estudos de coorte3 prospectivos de homens residentes na comunidade com esteroides sexuais medidos por espectrometria de massa e pelo menos 5 anos de acompanhamento.

As variáveis independentes foram testosterona, globulina6 ligadora de hormônio7 sexual (SHBG), hormônio7 luteinizante (LH), diidrotestosterona (DHT) e concentrações de estradiol. Os desfechos primários foram mortalidade1 por todas as causas, morte por DCV e eventos de DCV incidente10.

As covariáveis incluíram idade, índice de massa corporal11, estado civil, consumo de álcool, tabagismo, atividade física, hipertensão12, diabetes13, concentração de creatinina14, proporção entre colesterol15 total e colesterol15 de lipoproteína de alta densidade e uso de medicamentos lipídicos.

Nove estudos forneceram dados de participantes individuais (DPI) (255.830 participantes-ano). Onze estudos forneceram estimativas resumidas (n = 24.109).

Metanálises de efeitos aleatórios de dois estágios de DPI descobriram que homens com concentrações basais de testosterona abaixo de 7,4 nmol/L (<213 ng/dL), concentrações de LH acima de 10 UI/L ou concentrações de estradiol abaixo de 5,1 pmol/L tiveram maior mortalidade1 por todas as causas, e aqueles com concentrações de testosterona abaixo de 5,3 nmol/L (<153 ng/dL) tiveram maior risco de mortalidade1 por DCV.

A concentração mais baixa de SHBG foi associada a menor mortalidade1 por todas as causas (mediana para o quintil4 1 [Q1] vs. Q5, 20,6 vs. 68,3 nmol/L; taxa de risco ajustada [HR], 0,85 [IC 95%, 0,77 a 0,95]) e menor mortalidade1 por DCV (HR ajustada, 0,81 [IC, 0,65 a 1,00]).

Homens com concentrações basais mais baixas de DHT apresentaram maior risco de mortalidade1 por todas as causas (mediana para Q1 vs. Q5, 0,69 vs. 2,45 nmol/L; HR ajustada, 1,19 [IC, 1,08 a 1,30]) e mortalidade1 por DCV (HR ajustada, 1,29 [IC, 1,03 a 1,61]), e o risco também aumentou com concentrações de DHT acima de 2,45 nmol/L.

Homens com concentrações de DHT abaixo de 0,59 nmol/L apresentaram risco aumentado de eventos cardiovasculares incidentes9.

Limitações do estudo incluem o desenho de estudo observacional, heterogeneidade entre estudos e imputação de dados faltantes.

O estudo concluiu que homens com níveis baixos de testosterona, LH elevado ou concentrações muito baixas de estradiol tiveram mortalidade1 por todas as causas aumentada. A concentração de SHBG foi positivamente associada e a concentração de DHT foi não linearmente associada à mortalidade1 por todas as causas e por DCV.

Veja também sobre "Principais distúrbios testiculares", "Doenças cardiovasculares2" e "Reposição hormonal com hormônios bioidênticos".

 

Fontes:
Annals of Internal Medicine, publicação em 14 de maio de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 13 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Baixa testosterona foi associada ao risco de mortalidade em homens de meia idade e idosos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1469957/baixa-testosterona-foi-associada-ao-risco-de-mortalidade-em-homens-de-meia-idade-e-idosos.htm>. Acesso em: 18 jul. 2024.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Quintil: 1. Em estatística, diz-se de ou qualquer separatriz que divide a área de uma distribuição de frequência em cinco domínios de áreas iguais. O termo quintil também é utilizado, por vezes, para designar uma das quintas partes da amostra ordenada. 2. Em astronomia, é o aspecto de dois planetas distantes 72° entre si (distância angular correspondente a um quinto do Zodíaco). 3. Em matemática, é o mesmo que quíntico. A palavra quintil deriva do latim quintus, que significa quinto.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Globulina: Qualquer uma das várias proteínas globulares pouco hidrossolúveis de uma mesma família que inclui os anticorpos e as proteínas envolvidas no transporte de lipídios pelo plasma.
7 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
8 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
9 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
13 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
14 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
15 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
Gostou do artigo? Compartilhe!