Gostou do artigo? Compartilhe!

Injeção única de anticorpo monoclonal protegeu crianças contra a malária

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma única injeção subcutânea1 de um anticorpo2 monoclonal experimental foi segura e eficaz na prevenção da malária em crianças em Mali, de acordo com os resultados do ensaio de fase II Mali Malaria mAB, publicados no The New England Journal of Medicine.

Entre 225 crianças com idades entre 6 e 10 anos, 48% das que receberam uma dose de 150 mg do anticorpo2 monoclonal L9LS e 40% das que receberam uma dose de 300 mg ficaram infectadas com Plasmodium falciparum em comparação com 81% das que receberam placebo3, o que se traduziu em uma eficácia de 66% e 70% para as duas doses, respectivamente, em comparação com o placebo3, relataram Peter Crompton, MD, do Instituto Nacional de Alergia4 e Doenças Infecciosas, e colegas.

Além disso, 28% das crianças no grupo de 150 mg, 19% no grupo de 300 mg e 59% no grupo de placebo3 desenvolveram malária clínica. A eficácia contra a malária clínica foi de 67% com a dose mais baixa e de 77% com a dose mais elevada em comparação com o placebo3.

É importante ressaltar que nenhuma preocupação de segurança foi identificada, disseram Crompton e sua equipe.

“Há uma necessidade urgente de medicamentos de ação prolongada que possam ser administrados através de um único contato de saúde5 para fornecer proteção imediata de alto nível contra a malária em populações de alto risco, e este estudo demonstra que este é um objetivo alcançável”, disse Crompton.

Leia sobre "Conhecendo a malária", "Antígenos6 e anticorpos7" e "Transmissão de doenças".

De acordo com a OMS, o P. falciparum causou mais de 600.000 mortes por malária em 2022, a maioria das quais ocorreu entre crianças pequenas na África.

“Nós, na comunidade global da malária, estamos num momento crítico na nossa jornada rumo à erradicação da malária”, escreveu Trevor Mundel, MD, PhD, da Fundação Bill e Melinda Gates em Seattle, num editorial que acompanhou a publicação do estudo. “Décadas de experiência na implementação das nossas intervenções existentes deixaram claro que não existe uma única ‘bala de prata’.”

O L9LS é um anticorpo2 monoclonal com meia-vida estendida que tem como alvo um epítopo juncional conservado na proteína circunsporozoíta do P. falciparum. A farmacocinética e a segurança do L9LS foram inicialmente avaliadas em um ensaio de fase I baseado nos EUA. Este ensaio inicial do L9LS também mostrou que ele protegia adultos expostos à malária num ambiente controlado.

Anteriormente, outro anticorpo2 monoclonal de dose única, CIS43LS, que tinha como alvo o mesmo epítopo, demonstrou eficácia contra a infecção8 por malária num ensaio de fase II. No entanto, o CIS43LS exigia administração intravenosa, potencialmente dificultando sua administração em larga escala.

“Os anticorpos7 monoclonais antimaláricos9 com meias-vidas prolongadas são novas ferramentas promissoras para combater o antigo flagelo da malária”, disse Crompton. “Serão necessárias abordagens inovadoras para tornar os anticorpos7 monoclonais antimaláricos9 acessíveis na África, e estou otimista de que estudos como este irão catalisar parcerias público-privadas que tornem esse objetivo uma realidade.”

As atuais estratégias de prevenção, como a quimioprevenção sazonal da malária em crianças e mesmo as vacinas mais recentes contra a malária (RTS,S/AS01 e R21/Matrix-M), são afetadas por obstáculos, incluindo a distribuição, a necessidade de múltiplas interações com os sistemas de saúde5 e a adesão, Mundel comentou no editorial.

“Um anticorpo2 monoclonal ou um medicamento injetável de ação prolongada que possa proporcionar eficácia preventiva segura e econômica a partir de uma dose única com uma proteção de longa duração resolveria essas limitações”, escreveu ele. “Estas novas classes de produtos poderiam concebivelmente ser medidas profiláticas mais viáveis e eficazes do que a quimioprevenção sazonal da malária ou as vacinas contra a malária atualmente recomendadas.”

Apesar dos resultados promissores do ensaio, “é provável que sejam necessárias melhorias tanto na potência como na farmacocinética para que os anticorpos7 monoclonais tenham um efeito amplo na redução do fardo da malária”, afirmou Mundel. “Ensaios que não apenas fornecem informações clínicas, mas também mostram a viabilidade operacional e o potencial de escala com boa relação custo-benefício, forneceriam um argumento convincente para a aceleração do desenvolvimento e da pré-qualificação desta nova classe de produtos”.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que a administração subcutânea10 do anticorpo2 monoclonal L9LS protegeu adultos contra infecção8 controlada por Plasmodium falciparum em um ensaio de fase 1. Não está claro se um anticorpo2 monoclonal administrado por via subcutânea10 pode proteger as crianças da infecção8 por P. falciparum em uma região onde este organismo é endêmico.

Realizou-se então um ensaio de fase 2 em Mali para avaliar a segurança e eficácia da administração subcutânea10 de L9LS em crianças dos 6 aos 10 anos de idade durante uma temporada de malária de 6 meses.

Na parte A do ensaio, a segurança foi avaliada em três níveis de dose em adultos, seguida pela avaliação em dois níveis de dose em crianças. Na parte B do estudo, as crianças foram distribuídas aleatoriamente, numa proporção de 1:1:1, para receber 150 mg de L9LS, 300 mg de L9LS ou placebo3.

O desfecho primário de eficácia, avaliado em uma análise de tempo até o evento, foi a primeira infecção8 por P. falciparum, detectada em esfregaço sanguíneo realizado pelo menos a cada 2 semanas durante 24 semanas. Um objetivo secundário de eficácia foi o primeiro episódio de malária clínica, conforme avaliado numa análise do tempo até ao evento.

Nenhuma preocupação de segurança foi identificada na parte do ensaio de aumento da dose (parte A). Na parte B, 225 crianças foram randomizadas, sendo 75 crianças designadas para cada grupo. Nenhuma preocupação de segurança foi identificada na parte B.

A infecção8 por P. falciparum ocorreu em 36 participantes (48%) no grupo de 150 mg, em 30 (40%) no grupo de 300 mg e em 61 (81%) no grupo de placebo3. A eficácia do L9LS contra a infecção8 por P. falciparum, em comparação com o placebo3, foi de 66% (intervalo de confiança [IC 95%] ajustado, 45 a 79) com a dose de 150 mg e 70% (IC 95% ajustado, 50 a 82) com a dose de 300 mg (P <0,001 para ambas as comparações).

A eficácia contra a malária clínica foi de 67% (IC 95% ajustado, 39 a 82) com a dose de 150 mg e 77% (IC 95% ajustado, 55 a 89) com a dose de 300 mg (P <0,001 para ambas as comparações).

O estudo concluiu que a administração subcutânea10 de L9LS a crianças protegeu contra a infecção8 por P. falciparum e a malária clínica durante um período de 6 meses.

Veja também sobre "Infecções11 oportunistas" e "Significados e as diferenças de endemia, epidemia e pandemia12".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, Vol. 390, Nº 17, em 26 de abril de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 26 de abril de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Injeção única de anticorpo monoclonal protegeu crianças contra a malária. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1469482/injecao-unica-de-anticorpo-monoclonal-protegeu-criancas-contra-a-malaria.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
2 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
7 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
8 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Antimaláricos: Agentes usados no tratamento da malária. Geralmente são classificados com base na sua ação contra os plasmódios nas diferentes fases de seu ciclo de vida no homem. São exemplos, a cloroquina e a hidroxicloroquina.
10 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
Gostou do artigo? Compartilhe!