Gostou do artigo? Compartilhe!

Sono e níveis de energia foram associados a dores de cabeça no dia seguinte

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A qualidade do sono e os níveis de energia foram associados ao início da dor de cabeça1 no dia seguinte, descobriu um estudo observacional prospectivo2 publicado na revista Neurology.

A qualidade média do sono mais baixa e a qualidade do sono inferior à média na noite anterior estavam associadas a uma probabilidade aumentada de uma dor de cabeça1 matinal incidente3, relataram Kathleen Merikangas, PhD, do National Institute of Mental Health (NIMH) em Bethesda, Maryland, EUA, e da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health em Baltimore, e co-autores.

Níveis de energia acima da média no dia anterior foram associados a dores de cabeça1 no final do dia seguinte. Em um subconjunto de participantes que relataram estresse percebido, surgiu uma associação significativa entre o estresse médio autopercebido e a dor de cabeça1 no final do dia seguinte.

Os transtornos de humor e de ansiedade não foram significativamente associados à cefaleia4 incidente3, após controlar para o histórico de enxaqueca5.

Leia sobre "Sono - como ele é", "Insônia" e "Mitos e verdades sobre dor de cabeça1".

“Ficamos surpresos que os suspeitos de costume, que eram ansiedade, depressão e estresse como preditores de dores de cabeça1 incidentes6, foram substituídos por alterações no sono”, disse Merikangas.

As medidas objetivas do sono obtidas pela actigrafia7 não foram associadas à ocorrência de cefaleia4 matinal ou noturna, mas as avaliações subjetivas foram. “Provavelmente, as medidas subjetivas têm maior probabilidade de captar algum tipo de mudança que está acontecendo em seus cérebros, do que a hora em que foram dormir”, observou Merikangas. “Provavelmente é algum tipo de mudança no sistema, como o sistema nervoso autônomo8, e algo que está acontecendo e que está mudando a arquitetura do seu cérebro”.

A enxaqueca5 pode ser difícil de tratar devido às suas comorbidades9, especialmente doenças cardiovasculares10 e perturbações do humor, e a uma compreensão limitada de como o sono, o humor e a energia interagem com o início da enxaqueca5, observaram os pesquisadores.

Embora os distúrbios do sono e a enxaqueca5 tenham uma conexão bem estabelecida, os mecanismos envolvidos são complexos, observaram Merikangas e co-autores. As ligações entre níveis mais elevados de estresse e aumento de energia sugerem que o início da dor de cabeça1 no final do dia pode ser semelhante às dores de cabeça1 do tipo tensional, que são exacerbadas por níveis mais elevados de excitação e reatividade a eventos diários, acrescentaram.

“O que ouvimos constantemente dos pacientes é que ‘quando não durmo o suficiente, tenho enxaqueca5. Sei que este é o meu gatilho para a enxaqueca’”, observou Angeliki Vgontzas, MD, do Brigham and Women's Hospital em Boston, que não estava envolvida no estudo. Embora vários estudos retrospectivos apoiem isso, “acho que este estudo meio que confirma que não dormir o suficiente na noite anterior, pelo menos medido pela actigrafia7, não parece ser um gatilho para enxaqueca”, disse ela.

As descobertas levantam questões sobre se os distúrbios do sono podem ser uma parte inicial de uma crise de enxaqueca5, em vez de um gatilho, acrescentou Vgontzas. “Acho que o que este artigo está nos dizendo é que não deveríamos aconselhar os pacientes a tentarem dormir oito horas todas as noites de maneira muito rígida para evitar dores de cabeça1 e, na verdade, talvez seja até indutor de ansiedade ou estresse fazer isso”, disse ela.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que o objetivo do estudo foi examinar as ligações diurnas entre a média e as mudanças nos níveis médios de humor, sono, energia e estresse avaliados prospectivamente como preditores de cefaleia4 incidente3 em uma amostra comunitária.

Este estudo observacional incluiu avaliação diagnóstica clínica estruturada de síndromes de cefaleia4 e transtornos mentais e diários eletrônicos que foram administrados 4 vezes por dia durante 2 semanas, gerando um total de 4.974 avaliações.

Os principais resultados foram dores de cabeça1 incidentes6 pela manhã e no final do dia. Modelos lineares generalizados de efeitos mistos foram usados para avaliar os valores médios e defasados dos preditores, incluindo humor, ansiedade, energia, estresse e qualidade do sono avaliados subjetivamente, e mediram objetivamente a duração e a eficiência do sono nas dores de cabeça1 incidentes6 pela manhã e no final do dia.

A amostra incluiu 477 participantes (61% mulheres), com idades entre 7 e 84 anos. Após ajuste para co-variáveis demográficas e clínicas e estados emocionais, cefaleia4 incidente3 pela manhã foi associada a uma qualidade média do sono mais baixa (ß = -0,206*; intervalo de confiança: -0,397 a -0,017) e a uma diminuição na qualidade média do sono (ß = -0,172*; intervalo de confiança: -0,305, -0,039) no dia anterior.

O estresse médio e as mudanças nos níveis subjetivos de energia no dia anterior foram associados a dores de cabeça1 incidentes6, mas com valências diferentes para dor de cabeça1 pela manhã (diminuição) (ß = -0,145* intervalo de confiança: -0,286, -0,005) e no final do dia (aumento) (ß = 0,157*; intervalo de confiança: 0,032, 0,281).

Os transtornos de humor e de ansiedade não foram significativamente associados à cefaleia4 incidente3 após controlar para o histórico de um diagnóstico11 de enxaqueca5.

Ambas as alterações persistentes e agudas nos estados de excitação manifestadas pela qualidade do sono e energia subjetivas são precursores importantes de dores de cabeça1 incidentes6. Enquanto a pior qualidade do sono e a diminuição da energia no dia anterior foram associadas à ocorrência de dor de cabeça1 matinal, um aumento na energia e maior estresse médio foram associados ao início da dor de cabeça1 no final do dia.

Diferentes padrões de preditores de cefaleia4 incidente3 matinal e no fim do dia destacam o papel dos ritmos circadianos nas manifestações da cefaleia4.

Esses achados podem fornecer informações sobre os processos fisiopatológicos subjacentes à enxaqueca5 e informar a intervenção clínica e a prevenção. O rastreamento desses sistemas em tempo real com tecnologia móvel fornece uma valiosa ferramenta auxiliar às avaliações clínicas tradicionais.

Veja também sobre "Tratamento da cefaleia4", "Enxaqueca5", "Higiene do sono - como deve ser feita" e "Distúrbios do sono".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 24 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 24 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Sono e níveis de energia foram associados a dores de cabeça no dia seguinte. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1465117/sono-e-niveis-de-energia-foram-associados-a-dores-de-cabeca-no-dia-seguinte.htm>. Acesso em: 29 mai. 2024.

Complementos

1 Cabeça:
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
4 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
5 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
6 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
7 Actigrafia: Ela estima parâmetros do sono, tais como tempo total de sono, início e fim do sono, tempo de vigília após início do sono, eficiência e latência do sono. Como é uma estimativa, não é considerada padrão ouro para analisar o sono.
8 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
9 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
10 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!