Gostou do artigo? Compartilhe!

Não há risco aumentado de ideação suicida com medicamentos GLP-1

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Apesar das preocupações recentes em contrário, a semaglutida (Wegovy, Ozempic) apresentou um risco menor de ideação suicida em pacientes com obesidade1 ou diabetes tipo 22, de acordo com análises retrospectivas das duas populações de pacientes.

Uma análise de 240.618 pacientes com sobrepeso3 ou obesidade1 mostrou que aqueles que tomavam semaglutida – um agonista4 do receptor do peptídeo 1 semelhante ao glucagon5 (GLP-1) – tinham um risco significativamente menor de ideação suicida em comparação com aqueles que tomavam medicamentos anti-obesidade1 não GLP-1 (0,11% vs 0,43%), de acordo com Nora Volkow, MD, diretora do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas, dos Estados Unidos, e colegas.

Da mesma forma, uma análise de 1.572.885 pacientes com diabetes tipo 22 revelou que aqueles que tomavam semaglutida tinham um risco significativamente menor de ideação suicida em comparação com pacientes que tomavam outros medicamentos antidiabéticos (0,13% vs 0,36%), eles relataram no estudo publicado na Nature Medicine.

“As nossas análises não apoiam preocupações de aumento do risco de ideação suicida com semaglutida”, escreveram Volkow e co-autores, observando que os resultados “não apoiam as preocupações de aumento do risco suicida associado à semaglutida levantadas pela Agência Europeia de Medicamentos e a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde6 no Reino Unido.”

“Isso destaca a necessidade de uma avaliação mais detalhada dos casos relatados anteriormente”, acrescentaram os pesquisadores.

Esses relatos de casos recentes sugeriram uma possível associação entre semaglutida e ideação suicida, motivando investigações por agências reguladoras na Europa.

Em um briefing de pesquisa separado sobre o estudo, a equipe editorial da Nature Medicine escreveu que esses resultados revelam uma perspectiva diferente sobre os riscos do tratamento com semaglutida.

“Em contraste com esses relatos de casos, este estudo de coorte7 descobriu que a semaglutida não aumentou ainda mais o risco de ideações suicidas em comparação com outros medicamentos para perda de peso ou antidiabéticos”, escreveram eles. “Este estudo contribui para a base de evidências sobre os perfis de segurança do uso de semaglutida no mundo real.”

Leia sobre "Ideação suicida", "Prevenção ao suicídio", "Tratamento da obesidade1" e "Opções de tratamentos para o diabetes8".

Confira o resumo do estudo publicado.

Associação de semaglutida com risco de ideação suicida em uma coorte9 do mundo real

Preocupações com relatos de ideação suicida associada ao tratamento com semaglutida, um medicamento agonista4 do receptor do peptídeo 1 semelhante ao glucagon5 (GLP1R) para diabetes tipo 22 (DM2) e obesidade1, levaram a investigações por agências reguladoras europeias.

Neste estudo de coorte7 retrospectivo10 de registros eletrônicos de saúde6 da TriNetX Analytics Network, o objetivo foi avaliar as associações de semaglutida com ideação suicida em comparação com medicamentos anti-obesidade1 ou antidiabetes não agonistas do GLP1R. As taxas de risco (HR) e os intervalos de confiança (IC) de 95% de ideação suicida incidente11 e recorrente foram calculados para o acompanhamento de 6 meses, comparando grupos de pacientes correspondentes ao escore de propensão.

A população do estudo incluiu 240.618 pacientes com sobrepeso3 ou obesidade1 que receberam semaglutida ou medicamentos anti-obesidade1 não agonistas do GLP1R, com os resultados replicados em 1.589.855 pacientes com DM2. Em pacientes com sobrepeso3 ou obesidade1 (idade média de 50,1 anos, 72,6% mulheres), a semaglutida, em comparação com medicamentos anti-obesidade1 não agonistas do GLP1R, foi associada a um menor risco de ideação suicida incidente11 (HR = 0,27, IC 95% = 0,20-0,36) e recorrente (HR = 0,44, IC 95% = 0,32-0,60), consistente em todas as estratificações de sexo, idade e etnia.

Achados semelhantes foram replicados em pacientes com DM2 (idade média de 57,5 anos, 49,2% do sexo feminino).

Essas descobertas não apoiam riscos mais elevados de ideação suicida com semaglutida em comparação com medicamentos anti-obesidade1 ou antidiabéticos não agonistas do GLP1R.

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 05 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 08 de janeiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Não há risco aumentado de ideação suicida com medicamentos GLP-1. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1463842/nao-ha-risco-aumentado-de-ideacao-suicida-com-medicamentos-glp-1.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
3 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
4 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
5 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
11 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
Gostou do artigo? Compartilhe!