Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de benzodiazepínicos na gravidez foi associado ao risco de aborto espontâneo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 foi associado a um risco aumentado de aborto espontâneo, de acordo com um estudo nacional realizado em Taiwan, publicado no JAMA Psychiatry.

O estudo de base populacional, caso-tempo-controle, de mais de 3 milhões de gestações, descobriu que o uso de benzodiazepínicos estava associado a um risco aumentado em 69% de aborto espontâneo, de acordo com Fei-Yuan Hsiao, PhD, da Universidade Nacional de Taiwan em Taipei e colegas.

O risco aumentado estava presente tanto para os benzodiazepínicos de ação prolongada quanto para os benzodiazepínicos de ação curta.

“A pesquisa ressalta a necessidade de uma consideração cuidadosa dos riscos e benefícios ao prescrever benzodiazepínicos a grávidas”, disse Hsiao.

“Os profissionais de saúde2 devem estar cientes do risco potencial aumentado de aborto espontâneo e discutir isso com as pacientes que dependem de benzodiazepínicos”, acrescentou Hsiao. “A decisão de prescrever benzodiazepínicos deve envolver uma avaliação completa dos riscos potenciais para o feto3 e dos benefícios para a mãe e sua prole”.

Os pesquisadores disseram que suas descobertas foram consistentes com uma metanálise recente de dados de cinco estudos que mostraram uma associação significativa entre o uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 e o risco de aborto espontâneo, e um estudo baseado no Reino Unido mostra que o uso de benzodiazepínicos no início da gravidez1 apresenta um risco 60% maior de aborto espontâneo.

Ainda assim, esses estudos tinham limitações, por isso Hsiao e colegas conduziram a primeira análise que utilizou um desenho de caso-tempo-controle para explicar fatores de confusão invariantes no tempo, como fatores genéticos e sociodemográficos. “Por definição, nosso estudo caso-tempo-controle elimina o efeito tendencioso de fatores de confusão não medidos em situações em que a exposição varia ao longo do tempo”, escreveram eles.

Leia sobre "O que saber sobre os benzodiazepínicos", "Aborto: o que é" e "Quais medicamentos podem ou não ser tomados durante a gravidez1".

No artigo publicado, eles relatam que o uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 levantou preocupações significativas devido aos potenciais efeitos nocivos desta classe de medicamentos em neonatos4. Os estudos sobre a associação entre o uso de benzodiazepínicos e o risco de aborto espontâneo são limitados.

O objetivo do estudo, portanto, foi quantificar o risco de aborto espontâneo associado ao uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 após controlar fatores de confusão não medidos e tendências de tempo de exposição.

Este foi um estudo nacional, de base populacional, de caso-tempo-controle, usando o banco de dados de Solicitação de Certidão de Nascimento Nacional de Taiwan e o banco de dados do Seguro Nacional de Saúde2.

As gestações que resultaram em aborto espontâneo entre 2004 e 2018 foram incluídas no grupo caso e foram pareadas 1:1 com indivíduos controle de tendência temporal de exposição usando pontuação de risco de doença, considerando características demográficas e comorbidades5 pré-gestacionais. Os dados foram analisados no período de agosto de 2022 a março de 2023.

Exposições discordantes a benzodiazepínicos durante o período de risco (1-28 dias antes do aborto) e 2 períodos de referência (31-58 dias e 181-208 dias antes do último período menstrual) foram comparadas para cada gravidez1.

Aborto espontâneo foi definido como qualquer perda de gravidez1 ocorrida entre a primeira consulta pré-natal (geralmente 8 semanas) e a 19ª semana completa de gravidez1.

Este estudo compreendeu um total de 3.067.122 gestações entre 1.957.601 mulheres, 136.134 das quais (4,4%) resultaram em aborto espontâneo. A média (DP) de idade da população estudada foi de 30,61 (5,91) anos.

O uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 foi associado a um risco aumentado de aborto espontâneo (odds ratio [OR], 1,69; IC 95%, 1,52-1,87), e resultados consistentes foram observados em múltiplas análises de sensibilidade, considerando diferentes janelas de tempo e contabilizando erros de classificação.

Nas análises de subgrupos, um risco aumentado de aborto espontâneo foi associado a cada benzodiazepínico individual comumente usado, variando de ORs de caso-tempo-controle de 1,39 (IC 95%, 1,17-1,66) para alprazolam a 2,52 (IC 95%, 1,89-3,36) para fludiazepam.

Este estudo nacional de caso-tempo-controle revelou um risco aumentado de aborto espontâneo associado ao uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 após contabilização de fatores de confusão mensuráveis, e era improvável que os resultados fossem devidos a fatores de confusão não medidos.

Estes resultados sublinham a necessidade de os profissionais de saúde2 equilibrarem meticulosamente a relação risco-benefício ao considerarem o uso de benzodiazepínicos para tratar distúrbios psiquiátricos e do sono durante a gravidez1.

Dado o desenho do estudo, “é improvável que os resultados sejam devidos a confusão não medida”, disseram os pesquisadores, mas observaram algumas limitações. Por exemplo, o estudo baseou-se em prescrições médicas utilizadas pelas pacientes, o que pode não refletir com precisão o verdadeiro uso de benzodiazepínicos entre a população de pacientes.

Havia também o potencial de classificação incorreta dos resultados da gravidez1. E embora o desenho caso-tempo-controle tenha ajudado a mitigar6 alguns fatores de confusão, ainda havia potencial para alguns fatores de confusão residuais no estudo, disseram os pesquisadores.

Finalmente, a baixa prevalência7 do uso de benzodiazepínicos durante a gravidez1 neste estudo tornou difícil estabelecer limites de exposição, relataram.

Na verdade, dois psiquiatras europeus foram rápidos a apontar para essas limitações, com um deles observando que os resultados apresentam um “grande risco de confusão por indicação, ou seja, pacientes com problemas de saúde2 mental que recebem mais benzodiazepínicos”.

“É claro que devemos ser sempre prudentes durante a gravidez1 com qualquer uso de medicamentos”, acrescentou Christiaan Vinkers, MD, PhD, do Centro Médico da Universidade de Amsterdã, na Holanda. “No entanto, a ansiedade e a insônia grave, sem dúvida, também têm efeitos prejudiciais para a mãe e para o feto”.

Simon Wessely, MD, do King's College London, na Inglaterra, acrescentou que, embora o estudo tenha sido bem conduzido e tenha utilizado um grande número de pacientes, “a grande questão é: isso é causa e efeito? E o problema é, nós não podemos dizer.”

“Pode haver muitas razões pelas quais alguém está recebendo prescrição de benzodiazepínicos e também corre maior risco de aborto espontâneo”, acrescentou Wessely. “Eles fizeram o melhor que puderam para controlar isso, e a associação permaneceu, mas é sempre um problema nesse tipo de estudo. A principal lição é que, por vários motivos, devemos continuar todos os esforços para reduzir as prescrições de benzodiazepínicos de qualquer maneira, especialmente por qualquer tempo além de um período muito curto.”

Veja também sobre "Pré-natal: o que é", "Usos e abusos dos tranquilizantes" e "Saúde2 mental".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 27 de dezembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 27 de dezembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Uso de benzodiazepínicos na gravidez foi associado ao risco de aborto espontâneo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1463777/uso-de-benzodiazepinicos-na-gravidez-foi-associado-ao-risco-de-aborto-espontaneo.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
4 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
6 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
7 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!