Gostou do artigo? Compartilhe!

Lesão cerebral aumenta risco de doença cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O traumatismo1 cranioencefálico (TCE) é uma das principais causas de incapacidade a longo prazo e morte prematura, especialmente entre militares e praticantes de esportes de contato. Embora pesquisas substanciais tenham examinado as consequências neurológicas agudas e crônicas do TCE, as surpreendentes associações entre o TCE e as doenças cardiovasculares2 e uma série de outras condições não neurológicas precisam de mais estudos.

Pessoas que sofrem uma lesão3 cerebral têm um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares2 crônicas do que pessoas sem lesão3 cerebral. Uma melhor compreensão das ligações entre lesões4 cerebrais e saúde5 cardiovascular a longo prazo poderia ajudar a prevenir incapacidades significativas e morte prematura.

Estas são as conclusões a que chegou um grupo de pesquisadores da Harvard Medical School, do Brigham and Women’s Hospital, do Spaulding Rehabilitation Hospital, do Massachusetts General Hospital e de outros locais, cuja pesquisa se concentrou nas consequências a longo prazo do TCE.

Depois de analisar mais de uma dúzia de estudos recentes sobre pessoas que praticam esportes de contato, servem nas forças armadas e fazem parte da população em geral, a análise dos pesquisadores das lições abrangentes desses estudos, publicada no The Lancet Neurology, enfatiza a necessidade de futuras pesquisas, vigilância e intervenção cardiovasculares em sobreviventes de TCE.

Saiba mais sobre "Traumatismos cranianos" e "Doenças cardiovasculares2".

Os autores observam que os estudos que avaliaram oferecem pistas importantes sobre como a disfunção do sistema nervoso6, a neuroinflamação, as alterações na conexão cérebro7-intestino e as comorbidades8 pós-lesão3 podem elevar o risco de disfunção cardiovascular e cognitiva9 em sobreviventes de TCE em comparação com pessoas na população em geral.

“Apesar de décadas de extensas pesquisas focadas em lesões4 cerebrais traumáticas, surpreendentemente, houve um progresso mínimo na mitigação dos resultados a longo prazo e da mortalidade10 após lesões4. Os efeitos cardiovasculares do TCE podem ser um elo perdido no avanço dos nossos esforços para melhorar a qualidade de vida a longo prazo e reduzir as taxas de mortalidade10 em pacientes com TCE”, disse o primeiro autor Saef Izzy, professor assistente de neurologia da HMS no Stroke and Cerebrovascular Center do Brigham and Women’s. “Temos a oportunidade de identificar e melhorar o rastreio direcionado para populações de alto risco, construir estratégias de cuidados preventivos e melhorar os resultados para sobreviventes de TCE.”

Pesquisas existentes identificaram uma forte ligação entre o TCE e condições neurológicas, como a doença de Alzheimer11 e a demência12. No entanto, os mecanismos que conduzem à doença neurológica após o TCE permanecem pouco compreendidos, apesar de décadas de investigação.

Com base em sua análise, Izzy e colegas sugerem que os efeitos não neurológicos do TCE, como disfunções cardiovasculares, metabólicas e endócrinas, podem atuar como intermediários que contribuem para doenças neurológicas décadas após o TCE. Por exemplo, hipertensão13, hiperlipidemia14, diabetes15 e hipopituitarismo podem afetar negativamente a função cognitiva9 e são fatores de risco estabelecidos para demência12. Esses fatores de risco foram todos elevados em pessoas que sofreram TCE, de acordo com a metanálise.

Os autores observam que existem muitas ligações potenciais entre o TCE e a disfunção cardiovascular e cognitiva9. As vias neuroinflamatórias desencadeadas pelo TCE podem predispor os indivíduos à aterosclerose16. O ganho de peso e os distúrbios do sono após uma lesão3 podem representar riscos independentes ou aditivos. As perturbações nas ligações entre os sistemas nervoso e gastrointestinal podem perturbar o equilíbrio dos micróbios no intestino, contribuindo para efeitos cognitivos17 e cardiovasculares.

Ainda não está claro como lesões4 únicas versus repetitivas, idade da lesão3, gravidade do TCE e outras comorbidades8 impactam o risco cardiovascular, observaram os pesquisadores. Isto se deve em parte às limitações metodológicas da pesquisa atual, como desenhos de estudos retrospectivos e dependência de dados de saúde5 autorreferidos. Os autores observaram que estudos prospectivos poderiam esclarecer quais fatores de risco e biomarcadores podem ser mais relevantes para a disfunção cardiovascular pós-TCE.

“Esta revisão é um apelo para que sejam realizadas melhores avaliações e intervenções mais precoces para sobreviventes de TCE que possam ter o risco cardiovascular aumentado. Requer conjuntos de dados novos ou ampliados que capturem, ao longo do tempo, mudanças em biomarcadores e alvos associados a doenças cardiovasculares”, disse o autor correspondente Ross Zafonte, professor de Medicina Física e Reabilitação na HMS e presidente da Spaulding Rehabilitation Network.

“Há um reconhecimento crescente de que muitos sistemas interagem para produzir disfunção multinível após o TCE, com uma série de comorbidades8 diferenciadas”, disse Zafonte, que também é investigador principal do Football Players Health Study em Harvard. “Os médicos podem começar a tratar algumas destas condições e, no futuro, as diretrizes de gestão podem abordar mais diretamente a saúde5 cardiovascular dos sobreviventes de TCE.”

Na análise publicada, os pesquisadores relatam que o traumatismo1 cranioencefálico (TCE) é altamente prevalente entre indivíduos que participam de esportes de contato, militares e na população em geral.

Embora seja bem conhecido que lesões4 cerebrais podem causar complicações neurológicas e psiquiátricas, evidências de estudos em indivíduos expostos a lesões4 cerebrais únicas ou repetitivas sugerem uma associação pouco estudada entre TCE e o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares2 crônicas e fatores de risco para doenças cardiovasculares2.

Vários estudos demonstraram que pessoas sem comorbidades8 pré-existentes que sofrem um TCE têm um risco significativamente maior de desenvolver doença cardiovascular crônica do que pessoas sem TCE.

Observações semelhantes feitas em coortes de militares e de futebol americano profissional sugerem caminhos causais através dos quais fatores de risco cardiovascular modificáveis podem mediar a relação entre lesões4 cerebrais e doenças neurológicas crônicas.

Uma melhor compreensão do risco de doença cardiovascular após TCE, combinada com um programa de rastreio proativo e direcionado, pode mitigar18 a morbidade19 e mortalidade10 a longo prazo em indivíduos com TCE e melhorar a sua qualidade de vida.

Leia sobre "O que é inflamação20", "Distúrbio neurocognitivo" e "As relações entre intestino e cérebro7".

 

Fontes:
The Lancet Neurology, Vol. 22, Nº 10, em outubro de 2023.
Harvard Medical School, notícia publicada em 21 de setembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Lesão cerebral aumenta risco de doença cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1460435/lesao-cerebral-aumenta-risco-de-doenca-cardiovascular.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
7 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
8 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
9 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
10 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
11 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
12 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
13 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
14 Hiperlipidemia: Condição em que os níveis de gorduras e colesterol estão mais altos que o normal.
15 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
16 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
17 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
18 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
19 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
20 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
Gostou do artigo? Compartilhe!