Gostou do artigo? Compartilhe!

Nova pesquisa revela por que não se deveria adicionar banana em vitaminas de frutas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os smoothies, ou vitaminas, oferecem um método fácil e delicioso de incorporar frutas e vegetais essenciais à dieta. Mas será que uma vitamina1 de banana e mirtilo é a melhor combinação? Uma nova pesquisa da Universidade da Califórnia, Davis, sugere que a mistura de certos ingredientes em vitaminas pode influenciar se o corpo está recebendo um impulso nutricional.

O estudo, publicado na revista Food and Function da Royal Society of Chemistry, utilizou vitaminas para testar como vários níveis de polifenoloxidase, uma enzima2 presente em muitas frutas e vegetais, afetam os níveis de flavanóis nos alimentos a serem absorvidos pelo organismo. Os flavanóis são um grupo de compostos bioativos que são bons para o coração3 e para a saúde4 cognitiva5 e são encontrados naturalmente em maçãs, peras, mirtilos, amoras, uvas e cacau – ingredientes comuns em vitaminas.

“Procuramos entender, em um nível muito prático, como um alimento e uma preparação alimentar comuns como uma vitamina1 à base de banana poderia afetar a disponibilidade de flavanóis para serem absorvidos após a ingestão”, disse o autor principal Javier Ottaviani, pesquisador adjunto do Departamento de Nutrição6 da UC Davis.

Corte uma maçã ou descasque uma banana e a fruta ficará marrom rapidamente. Isso acontece por causa da polifenoloxidase, ou PPO, uma enzima2 naturalmente presente nesses alimentos. O escurecimento ocorre quando o alimento que contém essa enzima2 é exposto ao ar, cortado ou machucado. Os pesquisadores queriam saber se o consumo de vitaminas preparadas na hora, feitas com diferentes frutas contendo PPO, afetava a quantidade de flavanóis disponíveis para o corpo.

Leia sobre "Nutrientes", "O que é rutina" e "As frutas mais comuns".

Os pesquisadores fizeram os participantes beberem uma vitamina1 feita com banana, que tem atividade de PPO naturalmente alta, e uma vitamina1 feita com frutas vermelhas, que têm atividade de PPO naturalmente baixa. Os participantes também tomaram uma cápsula de flavanol como controle. Amostras de sangue7 e urina8 foram analisadas para medir a quantidade de flavanóis presentes no corpo após a ingestão das amostras de vitamina1 e da cápsula. Os pesquisadores descobriram que aqueles que beberam a vitamina1 de banana tinham níveis 84% mais baixos de flavanóis em seus corpos em comparação com o grupo controle.

“Ficamos realmente surpresos ao ver quão rápido a adição de uma única banana diminuiu o nível de flavanóis na vitamina1 e os níveis de flavanóis absorvidos pelo corpo”, disse Ottaviani. “Isso destaca como a preparação e as combinações dos alimentos podem afetar a absorção de compostos dietéticos nos alimentos.”

No ano passado, a Academia de Nutrição6 e Dietética dos Estados Unidos emitiu uma recomendação dietética, aconselhando as pessoas a consumirem 400 a 600 miligramas de flavanóis diariamente para a saúde4 cardiometabólica. Ottaviani disse que as pessoas que estão tentando consumir esses flavanóis devem considerar preparar vitaminas combinando frutas ricas em flavanóis, como frutas vermelhas, com outros ingredientes que também tenham baixa atividade de PPO, como abacaxi, laranja, manga ou iogurte.

Ele também disse que a banana continua sendo uma ótima fruta para ser comida ou consumida em vitaminas. Para quem deseja consumir vitaminas com banana ou outras frutas e vegetais com alta atividade de PPO, como beterraba, a sugestão é não combiná-los com frutas ricas em flavanol, como frutas vermelhas, uvas e cacau.

As descobertas deste estudo podem estimular pesquisas futuras sobre como outros alimentos são preparados e os efeitos sobre os flavanóis, por exemplo, Ottaviani disse que o chá é uma importante fonte alimentar de flavanóis e dependendo de como é preparado, uma quantidade diferente de flavanóis estaria disponível para absorção.

“Essa é certamente uma área que merece mais atenção na área de polifenóis e compostos bioativos em geral”, disse Ottaviani.

No artigo, os pesquisadores descrevem o impacto da polifenoloxidase na biodisponibilidade de flavan-3-óis em vitaminas de frutas.

Eles relatam que os flavan-3-óis são compostos bioativos encontrados em uma variedade de frutas e vegetais que têm sido associados a benefícios positivos para a saúde4. O aumento da ingestão habitual de flavan-3-ol é desafiado pelo consumo geralmente baixo de frutas e vegetais. Embora os smoothies, ou vitaminas, sejam um meio comumente endossado e aceito pelo consumidor para aumentar a ingestão diária desses alimentos importantes, as frutas usadas na preparação da vitamina1 podem ter uma alta atividade de polifenoloxidase (PPO) e, portanto, afetar potencialmente o conteúdo e a biodisponibilidade de flavan-3-óis.

Para avaliar se o consumo de vitaminas preparadas na hora feitas com diferentes frutas contendo PPO impacta a biodisponibilidade dos flavan-3-óis, um estudo controlado, cego e cruzado foi conduzido em homens saudáveis (n = 8) que consumiram uma vitamina1 à base de banana contendo flavan-3-ol (bebida com alta PPO), uma vitamina1 de frutas vermelhas contendo flavan-3-ol (bebida com baixa PPO) e flavan-3-óis em formato de cápsula (controle).

A concentração plasmática máxima (Cmax) dos metabólitos9 do flavan-3-ol após a ingestão da cápsula foi de 680 ± 78 nmol L-1, o que foi semelhante aos níveis detectados após a ingestão da bebida com baixa PPO. Em contrapartida, a ingestão da bebida com alto teor de PPO resultou em uma Cmax de 96 ± 47 nmol L-1, 84% inferior à obtida após a ingestão da cápsula.

Num estudo subsequente (n = 11), os flavan-3-óis foram co-ingeridos com uma bebida de banana com elevada PPO, mas o contato antes da ingestão foi evitado. Neste contexto, os níveis plasmáticos de flavan-3-ol ainda estavam reduzidos, sugerindo um efeito possivelmente relacionado à atividade pós-ingestão da PPO que degrada os flavan-3-óis no estômago10.

Houve uma variação substancial na atividade da PPO detectada em 18 diferentes frutas, vegetais e produtos dietéticos derivados de plantas.

Em conclusão, a biodisponibilidade dos flavan-3-óis, e muito provavelmente de outros polifenóis bioativos dietéticos, pode ser reduzida substancialmente pela co-ingestão de produtos com elevado teor de PPO, cujas implicações são importantes para o aconselhamento dietético e para a preparação de alimentos, tanto a nível em casa quanto em ambientes industriais.

Veja também sobre "O papel orgânico das vitaminas", "Micronutriente" e "O que é uma alimentação saudável".

 

Fontes:
Food & Function, publicação em 24 de agosto de 2023.
SciTechDaily, notícia publicada em 25 de agosto de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Nova pesquisa revela por que não se deveria adicionar banana em vitaminas de frutas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444235/nova-pesquisa-revela-por-que-nao-se-deveria-adicionar-banana-em-vitaminas-de-frutas.htm>. Acesso em: 27 mai. 2024.

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
6 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
9 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
10 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
Gostou do artigo? Compartilhe!