Gostou do artigo? Compartilhe!

Dormir pouco na meia-idade cancela os benefícios que os exercícios poderiam proporcionar para a cognição

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas de meia-idade que não dormem o suficiente são menos propensas a ver os benefícios do exercício quando se trata de proteger contra um declínio em habilidades como memória e pensamento.

Em um novo estudo, publicado no The Lancet Healthy Longevity, pesquisadores da University College London (UCL) apontam que pessoas na faixa dos 50 e 60 anos que realizavam atividades físicas regulares, mas dormiam menos de seis horas por noite, sofreram declínio cognitivo1 tão rápido quanto aquelas que faziam menos exercícios.

Após uma década, suas funções cognitivas – como atenção, memória e aprendizado – eram as mesmas daqueles que praticavam menos atividade física.

Os pesquisadores disseram que seu estudo destaca a necessidade de dormir para proteger contra o declínio cognitivo1 à medida que as pessoas envelhecem.

A principal autora, Dra. Mikaela Bloomberg, do UCL Institute of Epidemiology & Health Care, disse: “Nosso estudo sugere que dormir o suficiente pode ser necessário para obtermos todos os benefícios cognitivos2 da atividade física.

“Isso mostra como é importante considerar o sono e a atividade física juntos quando se pensa em saúde3 cognitiva4.

“Estudos anteriores examinando5 como o sono e a atividade física podem se combinar para afetar a função cognitiva4 foram principalmente transversais – focando apenas em um ponto específico no tempo – e ficamos surpresos que a atividade física regular nem sempre seja suficiente para combater os efeitos a longo prazo da falta de sono na saúde3 cognitiva”.

Leia sobre "Atividade física", "Privação de sono  - quais os efeitos" e "Envelhecimento cerebral normal ou patológico".

No artigo, os pesquisadores descrevem as associações conjuntas de atividade física e duração do sono com envelhecimento cognitivo1.

Eles relatam que a atividade física e a duração do sono são fatores-chave associados à função cognitiva4 e ao risco de demência6. Mas como a atividade física e o sono interagem para influenciar o envelhecimento cognitivo1 não é bem explorado. O objetivo, portanto, foi examinar as associações de combinações de atividade física e duração do sono com trajetórias cognitivas de 10 anos.

Neste estudo longitudinal, analisou-se dados do English Longitudinal Study of Aging coletados entre 1º de janeiro de 2008 e 31 de julho de 2019, com entrevistas de acompanhamento a cada 2 anos.

Os participantes eram adultos cognitivamente saudáveis com pelo menos 50 anos de idade no início do estudo. Os participantes foram questionados sobre atividade física e duração do sono noturno no início do estudo. Em cada entrevista, a memória episódica foi avaliada por meio de tarefas de evocação imediata e tardia e fluência verbal por meio de uma tarefa de nomeação de animais; as pontuações foram padronizadas e calculadas a média para produzir uma pontuação cognitiva4 composta.

Usou-se modelos lineares mistos para examinar associações independentes e conjuntas de atividade física (menor atividade física ou maior atividade física, com base em uma pontuação que leva em consideração a frequência e intensidade da atividade física) e duração do sono (curto [<6 h], ótimo [6–8 h] ou longo [>8 h]) com desempenho cognitivo7 no início do estudo, após 10 anos de acompanhamento e a taxa de declínio cognitivo1.

Foram incluídos 8.958 entrevistados com idades entre 50 e 95 anos no início do estudo (acompanhamento médio de 10 anos [IQR 2-10]). Baixa atividade física e sono abaixo do ideal foram associados independentemente com pior desempenho cognitivo7; o sono curto também foi associado a um declínio cognitivo1 mais rápido.

No início do estudo, os participantes com maior atividade física e sono ideal tiveram pontuações cognitivas mais altas do que todas as combinações de menor atividade física e categorias de sono (por exemplo, diferença entre aqueles com maior atividade física e sono ideal versus aqueles com menor atividade física e sono curto na idade basal de 50 anos foi de 0,14 DPs [IC 95% 0,05-0,24]).

Não foi encontrada diferença no desempenho cognitivo7 basal entre as categorias de sono dentro da categoria de atividade física mais alta. Aqueles com maior atividade física e sono curto tiveram taxas mais rápidas de declínio cognitivo1 do que aqueles com maior atividade física e sono ideal, de modo que suas pontuações aos 10 anos foram proporcionais às daqueles que relataram baixa atividade física, independentemente da duração do sono (por exemplo, diferença no desempenho cognitivo7 após 10 anos de acompanhamento entre aqueles com maior atividade física e sono ideal e aqueles com maior atividade física e sono curto foi de 0,20 DPs [0,08-0,33]; diferença entre aqueles com maior atividade física e sono ideal sono e aqueles com menor atividade física e sono curto foi de 0,22 DPs [0,11-0,34]).

O estudo concluiu que o benefício cognitivo1 basal associado à atividade física mais frequente e de maior intensidade foi insuficiente para melhorar o declínio cognitivo1 mais rápido associado ao sono curto.

As intervenções de atividade física também devem considerar os hábitos de sono para maximizar os benefícios da atividade física para a saúde3 cognitiva4 a longo prazo.

Veja também sobre "Tipos de exercícios físicos", "Distúrbios do sono" e "Quando a perda de memória não é normal".

 

Fontes:
The Lancet Healthy Longevity, Vol. 4, Nº 7, em julho de 2023.
The Guardian, notícia publicada em 05 de julho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dormir pouco na meia-idade cancela os benefícios que os exercícios poderiam proporcionar para a cognição. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1441835/dormir-pouco-na-meia-idade-cancela-os-beneficios-que-os-exercicios-poderiam-proporcionar-para-a-cognicao.htm>. Acesso em: 14 abr. 2024.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
5 Examinando: 1. O que será ou está sendo examinado. 2. Candidato que se apresenta para ser examinado com o fim de obter grau, licença, etc., caso seja aprovado no exame.
6 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
7 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
Gostou do artigo? Compartilhe!