Gostou do artigo? Compartilhe!

Vacina viva atenuada de dose única contra chikungunya gerou forte resposta imune

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A VLA1553 é uma candidata a vacina1 viva atenuada para imunização2 ativa e prevenção da doença causada pelo vírus3 chikungunya. Neste estudo, publicado no The Lancet, relatou-se dados de segurança e imunogenicidade até o dia 180 após a vacinação com VLA1553.

Este estudo de fase 3, duplo-cego, multicêntrico, randomizado4, foi realizado em 43 centros profissionais de testes de vacinas nos EUA. Os participantes elegíveis eram voluntários saudáveis com idade igual ou superior a 18 anos. Os pacientes foram excluídos se tivessem história de infecção5 pelo vírus3 chikungunya ou artrite6 ou artralgia7 imunomediada ou crônica, defeito conhecido ou suspeito do sistema imunológico8, tivessem recebido qualquer vacina1 inativada dentro de 2 semanas antes da vacinação com VLA1553, ou recebido qualquer vacina1 viva dentro de 4 semanas antes da vacinação com VLA1553. Os participantes foram randomizados (3:1) para receber VLA1553 ou placebo9.

O desfecho primário foi a proporção de participantes negativos na linha de base com um nível de anticorpo10 soroprotetor do vírus3 chikungunya definido como 50% de redução de placa11 em um teste de neutralização de redução de microplaca (μPRNT) com uma concentração de μPRNT50 de pelo menos 150, 28 dias após a vacinação.

A análise de segurança incluiu todos os indivíduos que receberam vacinação. As análises de imunogenicidade foram feitas em um subconjunto de participantes em 12 locais de estudo pré-selecionados. Esses participantes não deveriam ter grandes desvios de protocolo para serem incluídos na população por protocolo para análises de imunogenicidade.

Leia sobre "Febre12 chikungunya", "Principais arboviroses presentes no Brasil" e "Dengue13, Zika, Chikungunya e Mayaro - diferenciando os sintomas14".

Entre 17 de setembro de 2020 e 10 de abril de 2021, 6.100 pessoas foram examinadas para elegibilidade. 1.972 pessoas foram excluídas e 4.128 participantes foram inscritos e randomizados (3.093 para VLA1553 e 1.035 para placebo9). 358 participantes no grupo VLA1553 e 133 participantes no grupo placebo9 descontinuaram antes do final do estudo. A população por protocolo para análise de imunogenicidade compreendeu 362 participantes (266 no grupo VLA1553 e 96 no grupo placebo9).

Após uma vacinação única, a VLA1553 induziu níveis de anticorpos15 soroprotetores neutralizantes do vírus3 chikungunya em 263 (98,9%) dos 266 participantes do grupo VLA1553 (IC 95% 96,7-99,8; p <0,0001) 28 dias após vacinação, independente da idade.

A VLA1553 foi geralmente segura, com um perfil de eventos adversos semelhante a outras vacinas licenciadas e igualmente bem tolerada em adultos jovens e idosos. Eventos adversos graves foram relatados em 46 (1,5%) dos 3.082 participantes expostos à VLA1553 e oito (0,8%) dos 1.033 participantes no braço do placebo9. Apenas dois eventos adversos graves foram considerados relacionados ao tratamento com VLA1553 (uma mialgia16 leve e uma síndrome17 de secreção inapropriada de hormônio18 antidiurético). Ambos os participantes se recuperaram totalmente.

A forte resposta imune e a geração de concentrações soroprotetoras em quase todos os participantes vacinados sugerem que a VLA1553 é uma excelente candidata para a prevenção da doença causada pelo vírus3 chikungunya.

 

Fonte: The Lancet, Vol. 401, Nº 10394, em 24 de junho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Vacina viva atenuada de dose única contra chikungunya gerou forte resposta imune. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1441070/vacina-viva-atenuada-de-dose-unica-contra-chikungunya-gerou-forte-resposta-imune.htm>. Acesso em: 22 jul. 2024.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
7 Artralgia: Dor em uma articulação.
8 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
11 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
12 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
13 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
16 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
17 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
18 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!