Gostou do artigo? Compartilhe!

A inclusão de probióticos no tratamento da depressão grave mostrou-se promissora

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso diário de probióticos1 mostrou-se promissor como tratamento adjuvante para pacientes2 com transtorno depressivo maior (TDM), de acordo com um estudo piloto randomizado3, publicado no JAMA Psychiatry. As descobertas apontam que o eixo microbiota4-intestino-cérebro5 pode ser um alvo importante para novos tratamentos.

Em 8 semanas, os pacientes do grupo probiótico6 alcançaram melhorias numericamente maiores nos sintomas7 depressivos e de ansiedade em comparação com o placebo8, relataram Viktoriya Nikolova, PhD, do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King's College London, e co-autores:

  • Pontuação da Escala de Avaliação de Depressão de Hamilton (HAMD-17): 8,83 vs 11,09
  • Pontuação do Inventário de Sintomatologia Depressiva (IDS): 25,04 vs 29,64
  • Pontuação da Escala de Avaliação de Ansiedade de Hamilton (HAMA): 8,17 vs 10,95
  • Pontuação do Transtorno de Ansiedade Geral (GAD-7): 7,63 vs 9,48

Tamanhos de efeito padronizados de modelos lineares mistos mostraram que o grupo probiótico6 alcançou maiores melhorias nos sintomas7 depressivos em comparação com o grupo placebo8 de acordo com as pontuações HAMD-17 e pontuações IDS.

Maiores melhorias nos sintomas7 de ansiedade de acordo com as pontuações HAMA também foram observadas, mas esse não foi o caso das pontuações GAD-7.

Saiba mais sobre "As relações entre intestino e cérebro5", "Depressão maior" e "Os benefícios dos probióticos1".

“As descobertas de nosso estudo sugerem que os probióticos1 podem fornecer um novo caminho para apoiar o humor e a saúde9 mental em pessoas com depressão, ao mesmo tempo em que são bem tolerados e aceitos”, disse Nikolova. “A suplementação10 com probióticos1 tem o potencial de fornecer benefícios de saúde9 mental muito necessários para pessoas com depressão”.

Cerca de 60% dos pacientes com TDM não respondem totalmente aos tratamentos de primeira linha e cerca de um terço continua a apresentar sintomas7 mesmo com tratamento adicional, observaram os autores. “O aumento da compreensão do envolvimento do eixo microbiota4-intestino-cérebro5 na fisiopatologia11 do TDM tornou-o um alvo promissor para novos tratamentos, como os probióticos”, escreveram eles.

Uma metanálise de 2021 de sete ensaios clínicos12 randomizados que incluíram mais de 400 pacientes sugeriram que os probióticos1 podem ser eficazes na redução dos sintomas7 depressivos quando administrados juntamente com antidepressivos.

Embora os resultados do estudo atual sejam promissores, Nikolova alertou que este teste piloto foi limitado pelo pequeno grupo de participantes e que os resultados devem ser interpretados com isso em mente. Ainda assim, ela destacou que esta pesquisa foi um primeiro passo importante para mostrar que os probióticos1 têm potencial suficiente para justificar um estudo maior.

“Os profissionais de saúde9 mental estão cada vez mais conscientes do importante papel que o microbioma13 intestinal e o eixo intestino-cérebro5 desempenham na saúde9 mental”, disse ela. “Nossas descobertas reforçam isso ao demonstrar que agentes cujo principal alvo de ação é o microbioma13 intestinal, como suplementos probióticos1, podem melhorar os resultados de saúde9 mental em pessoas com necessidades de saúde9 mental”.

No artigo, os pesquisadores relatam que o eixo microbiota4-intestino-cérebro5 é um alvo promissor para novos tratamentos, como os probióticos1, para transtornos do humor. No entanto, poucos ensaios clínicos12 foram conduzidos e mais dados de segurança e eficácia são necessários para apoiar esta abordagem de tratamento.

Neste contexto, o novo estudo buscou fornecer dados de aceitabilidade e tolerabilidade e estimativas do tamanho do efeito da intervenção para probióticos1 como tratamento adjuvante para pacientes2 com transtorno depressivo maior (TDM).

Neste ensaio clínico piloto randomizado3, duplo-cego, controlado por placebo8, de centro único, foram estudados adultos de 18 a 55 anos com TDM tomando medicação antidepressiva, mas tendo uma resposta incompleta. Uma amostra aleatória foi recrutada em serviços de atenção primária e secundária e por meio de publicidade geral em Londres, Reino Unido. Os dados foram coletados entre setembro de 2019 e maio de 2022 e analisados entre julho e setembro de 2022.

A intervenção do estudo foi probiótico6 com múltiplas estirpes (8 bilhões de unidades formadoras de colônias por dia) ou placebo8 diariamente por 8 semanas adicionado à medicação antidepressiva em andamento.

Os resultados piloto do estudo foram retenção, aceitabilidade, tolerabilidade e estimativas do efeito putativo do tratamento sobre os sintomas7 clínicos (depressão: pontuações da Escala de Avaliação de Depressão de Hamilton [HAMD-17] e do Inventário de Sintomatologia Depressiva [IDS]; ansiedade: pontuações da Escala de Avaliação de Ansiedade de Hamilton [HAMA] e do Transtorno de Ansiedade Geral [GAD-7]) para serem usados como indicadores para um estudo definitivo.

Dos 50 participantes incluídos, 49 receberam a intervenção e foram incluídos nas análises de intenção de tratar; destes, 39 (80%) eram do sexo feminino e a média (DP) de idade foi de 31,7 (9,8) anos. Um total de 24 foram randomizados para probióticos1 e 25 para placebo8.

O atrito foi de 8% (1 no grupo probiótico6 e 3 no grupo placebo8), a adesão foi de 97,2% e não houve reações adversas graves.

Para o grupo probiótico6, as pontuações HAMD-17 médias (DP) nas semanas 4 e 8 foram 11,00 (5,13) e 8,83 (4,28), respectivamente; IDS, 30,17 (11,98) e 25,04 (11,68); HAMA, 11,71 (5,86) e 8,17 (4,68); e GAD-7, 7,78 (4,12) e 7,63 (4,77).

Para o grupo placebo8, as pontuações HAMD-17 médias (DP) nas semanas 4 e 8 foram 14,04 (3,70) e 11,09 (3,22), respectivamente; IDS, 33,82 (9,26) e 29,64 (9,31); HAMA, 14,70 (5,47) e 10,95 (4,48); e GAD-7, 10,91 (5,32) e 9,48 (5,18).

Tamanhos de efeito padronizados (TEP) de modelos lineares mistos demonstraram que o grupo probiótico6 obteve maiores melhorias nos sintomas7 depressivos de acordo com as pontuações HAMD-17 (semana 4: TEP, 0,70; IC 95%, 0,01-0,98) e pontuações do IDS Autorrelatado (semana 8: TEP, 0,64; IC 95%, 0,03-0,87), bem como maiores melhorias nos sintomas7 de ansiedade de acordo com as pontuações HAMA (semana 4: TEP, 0,67; IC 95%, 0-0,95; semana 8: TEP, 0,79; IC 95%, 0,06-1,05), mas não pontuações GAD-7 (semana 4: TEP, 0,57; IC 95%, -0,01 a 0,82; semana 8: TEP, 0,32; IC 95%, -0,19 a 0,65), em comparação com o grupo placebo8.

O estudo concluiu que a aceitabilidade, a tolerabilidade e os tamanhos de efeito estimados nos principais resultados clínicos são promissores e encorajam uma investigação mais aprofundada dos probióticos1 como tratamento complementar para pessoas com transtorno depressivo maior em um estudo de eficácia definitivo.

Leia sobre "Transtornos afetivos", "Microbioma13 intestinal humano" e "O que saber sobre antidepressivos".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 14 de junho de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 14 de junho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. A inclusão de probióticos no tratamento da depressão grave mostrou-se promissora. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1439805/a-inclusao-de-probioticos-no-tratamento-da-depressao-grave-mostrou-se-promissora.htm>. Acesso em: 15 jul. 2024.

Complementos

1 Probióticos: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
2 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Probiótico: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
11 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
12 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
13 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!