Gostou do artigo? Compartilhe!

Sintomas de insônia foram associados a um maior risco de AVC uma década depois

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sintomas1 de insônia foram associados a um risco aumentado de acidente vascular cerebral2, de acordo com um estudo de coorte3 populacional usando dados do Health and Retirement Study (HRS) e publicado na revista científica Neurology.

Pessoas relatando insônia menos grave e insônia mais grave tiveram um risco aumentado de AVC em uma média de 9 anos de acompanhamento em comparação com seus colegas sem insônia também participando do estudo longitudinal nacional, relataram Wendemi Sawadogo, MD, da Virginia Commonwealth University, em Richmond, EUA, e co-autores.

Em comparação com pessoas sem sintomas1 de insônia, a associação entre insônia mais grave e risco de AVC foi mais forte entre o grupo menor de indivíduos com menos de 50 anos de idade do que em seus colegas mais velhos.

“Isso pode ser devido à maior incidência4 de AVC em idades mais avançadas e ao efeito causal compartilhado com fatores de risco adicionais em idosos”, escreveu o grupo. “Essa diferença marcante sugere que o controle dos sintomas1 de insônia pode ser uma estratégia eficaz para a prevenção do AVC, especialmente em adultos mais jovens”.

Leia sobre "Tipos de insônia", "Distúrbios do sono" e "Sono - como ele é".

Esses resultados baseiam-se em descobertas anteriores que mostram resultados um tanto mistos ao determinar uma ligação entre AVC e sintomas1 de distúrbios do sono fora da apneia obstrutiva do sono5. No entanto, descobertas recentes mostram uma associação entre vários problemas de sono, como a duração do sono, e o risco de AVC. Alguns estudos também mostram que dificuldades em iniciar e manter o sono têm uma associação positiva com eventos vasculares6 cardiocerebrais.

“Dado que o risco desses eventos cerebrovasculares parece estar concentrado em faixas etárias mais jovens, a ênfase nas modificações de estilo de vida e comportamento deve ser considerada em conjunto com a terapia médica”, disse Ali El-Solh, MD, da Universidade de Buffalo em New York, que não participou do estudo.

“A saúde7 do sono geralmente recebe menos ênfase na avaliação geral da saúde7, mas tem amplas implicações no bem-estar de um indivíduo”, disse ele. “A pandemia8 de COVID-19 tornou nossos hábitos de sono ainda mais desafiadores. A menos que o sono seja considerado o quinto sinal9 vital, à frente da dor, o fardo socioeconômico do sono ruim só aumentará.”

O sono foi adicionado à lista de verificação de saúde7 cardiovascular “Life's Essential 8” da American Heart Association em 2022.

O grupo de Sawadogo relatou que os sintomas1 de insônia experimentados pelos pacientes foram mantidos ao longo de ondas consecutivas de avaliações. Notavelmente, “a coorte10 HRS é reabastecida a cada 6 anos com participantes mais jovens não representados anteriormente”.

“Isso sugere que os sintomas1 de insônia tendem a ser crônicos, ou não foram diagnosticados e/ou tratados nessa população”, escreveram os pesquisadores. “Estudos descobriram que aqueles com insônia geralmente falham em discutir seus problemas de sono com seus profissionais de saúde7. Isso ressalta a importância de aumentar a conscientização sobre os sintomas1 de insônia”.

Além de encorajar mais conscientização sobre a insônia e suas associações com o AVC, os pesquisadores insistiram que os pacientes procurarem atendimento para sintomas1 persistentes de insônia.

“Existem muitas terapias que podem ajudar as pessoas a melhorar a qualidade do sono, portanto, determinar quais problemas de sono levam a um risco aumentado de AVC pode permitir tratamentos precoces ou terapias comportamentais para pessoas que estão tendo problemas para dormir e possivelmente reduzir o risco de AVC mais tarde na vida”, disse Sawadogo em um comunicado à imprensa.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que a insônia é uma condição comum que afeta mais de um terço da população dos Estados Unidos. No entanto, a ligação entre sintomas1 de insônia e acidente vascular cerebral2 é pouco estudada e o mecanismo subjacente permanece obscuro. Este estudo teve como objetivo investigar a relação entre os sintomas1 de insônia e a incidência4 de AVC.

O Health and Retirement Study, uma pesquisa com americanos com mais de 50 anos e seus cônjuges, de 2002 a 2020, foi usado como fonte de dados. Apenas aqueles que estavam livres de AVC no início do estudo foram incluídos no presente estudo.

A variável de exposição foi sintomas1 de insônia e foi derivada de fatores relacionados ao sono autorrelatados, incluindo dificuldade em iniciar o sono, dificuldade em manter o sono, acordar muito cedo e sono não restaurador.

A análise de classes latentes de medidas repetidas foi usada para identificar trajetórias de insônia ao longo do tempo. Para investigar a relação entre sintomas1 de insônia e eventos de AVC relatados durante o período de acompanhamento, modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox foram empregados. Análises de mediação de comorbidades11 foram realizadas utilizando mediação causal dentro de uma estrutura contrafactual.

Um total de 31.126 participantes foi incluído com um acompanhamento médio de 9 anos. A média de idade foi de 61 anos (DP = 11,1) e 57% eram do sexo feminino. As trajetórias dos sintomas1 de insônia permaneceram constantes ao longo do tempo.

Em comparação com indivíduos sem sintomas1 de insônia, foi observado um risco aumentado de AVC para aqueles com escores de sintomas1 de insônia variando de 1 a 4 e 5 a 8 (razão de risco [HR] = 1,16, intervalo de confiança [IC] de 95%: 1,02, 1,33) e (HR = 1,51, IC 95%: 1,29, 1,77), respectivamente, indicando uma relação dose-resposta.

A associação foi mais forte em participantes com menos de 50 anos (HR = 3,84, IC 95%: 1,50, 9,85) do que aqueles com 50 anos ou mais (HR = 1,38, IC 95%: 1,18, 1,62) comparando aqueles com sintomas1 de insônia variando de 5 a 8 àqueles sem sintomas1 de insônia. Essa associação foi mediada por diabetes12, hipertensão13, doenças cardíacas e depressão.

O estudo concluiu que os sintomas1 de insônia foram associados a um risco aumentado de AVC, especialmente em adultos com menos de 50 anos, e o risco foi mediado por certas comorbidades11.

Maior conscientização e controle dos sintomas1 de insônia podem contribuir para a prevenção da ocorrência de AVC.

Veja também sobre "Acidente Vascular Cerebral2" e "AVC em jovens".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 07 de junho de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 07 de junho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Sintomas de insônia foram associados a um maior risco de AVC uma década depois. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1439360/sintomas-de-insonia-foram-associados-a-um-maior-risco-de-avc-uma-decada-depois.htm>. Acesso em: 19 jun. 2024.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
6 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
9 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
10 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
11 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
Gostou do artigo? Compartilhe!