Gostou do artigo? Compartilhe!

Depressão grave foi associada a um maior risco de doença física

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas com depressão grave ou moderadamente grave correm maior risco de doenças físicas que requerem tratamento hospitalar, de acordo com um estudo prospectivo1 de várias coortes, publicado no JAMA Psychiatry.

Em três coortes com um total de 240.433 pessoas, os indivíduos com depressão grave ou moderadamente grave autodeclarada tiveram um risco pelo menos 1,5 vezes maior de 29 condições não sobrepostas tratadas no hospital em vários sistemas de órgãos quando comparados com indivíduos sem depressão, Philipp Frank, PhD, da University College London, e co-autores relataram.

Em uma das coortes com base no Reino Unido, os pesquisadores encontraram uma associação robusta com depressão diagnosticada por médicos para 25 dessas condições após o ajuste para fatores de confusão.

Essas associações incluíam uma série de condições:

  • Doença cardíaca isquêmica: HR 1,76
  • Osteoartrite2: HR 1,80
  • Infecções3 bacterianas: HR 2,52
  • Dor nas costas4: HR 3,99
  • Bronquite obstrutiva crônica: HR 4,11
  • Diabetes5: HR 5,15
  • Distúrbios do sono: HR 5,97

“A descoberta mais surpreendente de nosso artigo foi que a depressão estava associada a um número tão grande de doenças físicas”, disse Frank. “Esta descoberta sugere que o impacto da depressão na saúde6 física é generalizado, o que significa que claramente não está limitado a uma área específica do corpo ou a um grupo particular de doenças”.

“A maior conclusão geral é a importância de considerar a depressão como um fator de risco7 para várias doenças físicas e um alvo para a prevenção e tratamento de doenças somáticas”, acrescentou Frank.

Saiba mais sobre "Depressão maior", "Saúde6 mental" e "Somatização8".

A maior diferença de risco absoluto foi o risco 9,8% maior de doenças endócrinas e de órgãos internos relacionados em pessoas com depressão versus sem depressão (incidência9 de 4 anos de 245 vs 147 por 1.000 pessoas, respectivamente), o que foi particularmente observado em condições como diabetes5 (HR 5,15) e insuficiência renal10 (HR 3,66).

As doenças musculoesqueléticas tiveram um risco absoluto 3,7% maior para aqueles com depressão (incidência9 de 4 anos de 91 por 1.000 pessoas), enquanto as doenças cardiovasculares11 tiveram uma diferença de risco absoluto de 3,9% (86 por 1.000 pessoas), particularmente insuficiência cardíaca12 (HR 4,38).

Os pesquisadores também encontraram evidências de uma relação bidirecional com depressão grave ou moderadamente grave para 12 condições, incluindo distúrbios do humor (HR 5,29) e distúrbios do sono (HR 5,97).

“Nossa pesquisa destaca a importância de os profissionais de saúde6 estarem atentos à saúde6 mental de seus pacientes. Eles devem reconhecer o potencial da depressão para piorar ou contribuir para uma série de problemas de saúde6 física”, disse Frank. “Os médicos também devem estar cientes das relações bidirecionais entre depressão e certas doenças físicas, pois o tratamento eficaz de uma pode melhorar a outra”.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que a depressão está associada a um risco aumentado de doença física, mas as causas mais comuns de hospitalização entre pessoas com depressão não são claras.

O objetivo do estudo, portanto, foi examinar a associação da depressão com uma série de condições físicas que requerem tratamento hospitalar.

Neste estudo multicoorte prospectivo1 de resultados amplos, a análise primária foi baseada em dados do UK Biobank, um estudo de base populacional no Reino Unido. As análises foram repetidas em um conjunto de dados independente de 2 coortes na Finlândia, um estudo de base populacional e uma coorte13 ocupacional. A análise dos dados foi realizada entre abril e setembro de 2022.

As exposições do estudo foram depressão autorrelatada, depressão maior grave recorrente, depressão maior moderada recorrente e um único episódio depressivo maior.

O principal desfecho foi um total de 77 condições de saúde6 comuns verificadas a partir de dados ligados a hospitais nacionais e registros de mortalidade14.

A amostra analítica dos participantes do UK Biobank consistiu em 130.652 indivíduos (71.565 mulheres [54,8%]; 59.087 homens [45,2%]; idade média [DP] no início do estudo, 63,3 [7,8] anos). Os dados agrupados das coortes de replicação finlandesas incluíram 109.781 participantes (82.921 mulheres [78,6%]; 26.860 homens [21,4%]; idade média [DP], 42 [10,8] anos).

Na análise principal, a depressão grave/moderadamente grave foi associada à incidência9 de 29 condições não sobrepostas requerendo tratamento hospitalar durante um acompanhamento de 5 anos.

Vinte e cinco dessas associações permaneceram após o ajuste para fatores de confusão e testes múltiplos (faixa da taxa de risco [HR] ajustada, 1,52-23,03) e foram confirmadas na análise das coortes finlandesas. Estas incluíram distúrbios do sono (HR, 5,97; IC 95%, 3,27-10,89), diabetes5 (HR, 5,15; IC 95%, 2,52-10,50), doença cardíaca isquêmica (HR, 1,76; IC 95%, 1,36-2,29), bronquite obstrutiva crônica (HR, 4,11; IC 95%, 2,56-6,60), infecções3 bacterianas (HR, 2,52; IC 95%, 1,99-3,19), dor nas costas4 (HR, 3,99; IC 95%, 2,96-5,38) e osteoartrite2 (HR, 1,80; IC 95%, 1,46-2,20).

A maior incidência9 cumulativa foi observada para doenças endócrinas e de órgãos internos relacionados (245 por 1.000 pessoas com depressão; diferença de risco em relação a indivíduos não afetados: 9,8%), doenças musculoesqueléticas (91 por 1.000 pessoas; diferença de risco, 3,7%) e doenças do sistema circulatório15 e sangue16 (86 por 1.000 pessoas; diferença de risco, 3,9%).

A incidência9 cumulativa foi menor para transtornos mentais, comportamentais e neurológicos tratados em hospital (20 em 1.000 pessoas; diferença de risco, 1,7%).

A depressão também foi associada à progressão da doença em pessoas com doenças cardíacas ou diabetes5 prevalentes e, para 12 condições, houve evidência de uma relação bidirecional.

Neste estudo, as causas mais comuns de hospitalização em pessoas com depressão foram doenças endócrinas, musculoesqueléticas e vasculares17, e não transtornos psiquiátricos. Esses achados sugerem que a depressão deve ser considerada como um alvo para a prevenção de doenças físicas e mentais.

Leia sobre "Distinções entre sintomas18 físicos e psicológicos", "Principais transtornos mentais" e "Doenças psicossomáticas - como elas são".

 

Fontes:
JAMA Psychiatry, publicação em 03 de maio de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 03 de maio de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Depressão grave foi associada a um maior risco de doença física. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1438205/depressao-grave-foi-associada-a-um-maior-risco-de-doenca-fisica.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
2 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
3 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Costas:
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
8 Somatização: Somatização, segundo definição criada por Zbigniew Lipowski (1924-1997), é “uma tendência para experimentar e comunicar desconforto somático e sintomas que não podem ser explicados pelos achados patológicos, atribui-los a doenças físicas e procurar ajuda médica para eles“. É um diagnóstico que deve ser feito por exclusão de outras causas, que deve ser usado com cautela por ser muito difícil garantir que não há outras causas.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
10 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
11 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
12 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
13 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
14 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
15 Sistema circulatório: O sistema circulatório ou cardiovascular é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!