Gostou do artigo? Compartilhe!

Aumentar a medicação é melhor do que trocar o antidepressivo na depressão geriátrica resistente ao tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os benefícios e riscos de aumentar ou trocar antidepressivos em idosos com depressão resistente ao tratamento não foram extensivamente estudados.

Conduziu-se um estudo aberto em duas etapas envolvendo adultos de 60 anos de idade ou mais com depressão resistente ao tratamento. Os resultados foram publicados no The New England Journal of Medicine.

Leia sobre "Principais síndromes geriátricas" e "Depressão maior".

Na etapa 1, os pacientes foram distribuídos aleatoriamente em uma proporção de 1:1:1 para aumentar a medicação antidepressiva existente com aripiprazol, aumentar com bupropiona ou mudar da medicação antidepressiva existente para bupropiona.

Os pacientes que não se beneficiaram ou foram inelegíveis para a etapa 1 foram aleatoriamente designados para a etapa 2 em uma proporção de 1:1 para aumentar com lítio ou trocar para nortriptilina.

Cada etapa durou aproximadamente 10 semanas. O resultado primário foi a mudança da linha de base no bem-estar psicológico, avaliada com as subescalas de Afeto Positivo1 e Satisfação Geral com a Vida do National Institutes of Health (média da população, 50; pontuações mais altas indicam maior bem-estar). Um desfecho secundário foi a remissão da depressão.

Na etapa 1, um total de 619 pacientes foram inscritos; 211 foram atribuídos ao aumento com aripiprazol, 206 ao aumento com bupropiona e 202 a uma troca para bupropiona. As pontuações de bem-estar melhoraram em 4,83 pontos, 4,33 pontos e 2,04 pontos, respectivamente.

A diferença entre o grupo de aumento com aripiprazol e o grupo de troca para bupropiona foi de 2,79 pontos (IC de 95%, 0,56 a 5,02; P = 0,014, com um valor limiar pré-especificado de P de 0,017); as diferenças entre os grupos não foram significativas para aumento com aripiprazol versus aumento com bupropiona ou para aumento com bupropiona versus troca para bupropiona.

A remissão ocorreu em 28,9% dos pacientes no grupo de aumento com aripiprazol, 28,2% no grupo de aumento com bupropiona e 19,3% no grupo de troca para bupropiona. A taxa de quedas foi maior com o aumento com bupropiona.

Na etapa 2, um total de 248 pacientes foram inscritos; 127 foram designados para aumento com lítio e 121 para uma troca para nortriptilina. As pontuações de bem-estar melhoraram em 3,17 pontos e 2,18 pontos, respectivamente (diferença, 0,99; IC 95%, -1,92 a 3,91). A remissão ocorreu em 18,9% dos pacientes no grupo de aumento com lítio e 21,5% no grupo de troca para nortriptilina; taxas de queda foram semelhantes nos dois grupos.

O estudo concluiu que, em idosos com depressão resistente ao tratamento, o aumento dos antidepressivos existentes com aripiprazol melhorou significativamente mais o bem-estar ao longo de 10 semanas do que uma troca para bupropiona, e foi associado a uma incidência2 numericamente maior de remissão.

Entre os pacientes nos quais o aumento ou a troca para bupropiona falharam, as mudanças no bem-estar e a ocorrência de remissão com o aumento com lítio ou a troca para nortriptilina foram semelhantes.

Veja também: "O que saber sobre antidepressivos" e "Antidepressivos: eles estão sendo usados em excesso?"

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, publicação em 23 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Aumentar a medicação é melhor do que trocar o antidepressivo na depressão geriátrica resistente ao tratamento. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434920/aumentar-a-medicacao-e-melhor-do-que-trocar-o-antidepressivo-na-depressao-geriatrica-resistente-ao-tratamento.htm>. Acesso em: 10 jun. 2023.

Complementos

1 Afeto positivo: O afeto positivo reflete o quanto uma pessoa está sentindo-se entusiástica, ativa e alerta, enquanto o afeto negativo é uma dimensão geral da angústia e insatisfação, o qual inclui uma variedade de estados de humor aversivos, incluindo raiva, culpa, desgosto, medo. Os afetos positivo e negativo são os aspectos primários do afeto.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!