Gostou do artigo? Compartilhe!

Antibiótico de dose única reduziu a sepse materna no parto vaginal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Gestantes considerando partos vaginais tiveram um risco menor de desenvolver sepse1 durante o parto se fossem tratadas com uma dose única do antibiótico azitromicina, mostrou um estudo multinacional envolvendo sete países de baixa ou média renda, publicado no The New England Journal of Medicine.

No estudo A-PLUS, a incidência2 de sepse1 ou morte materna foi de 1,6% para mulheres que receberam profilaxia com azitromicina, em comparação com 2,4% para aquelas designadas para placebo3, relatou Alan Tita, MD, PhD, da University of Alabama em Birmingham, em uma apresentação de última hora na Society for Maternal-Fetal Medicine Annual Pregnancy Meeting.

No entanto, a azitromicina não diminuiu o risco de natimortalidade, sepse1 neonatal ou morte neonatal.

O estudo foi interrompido precocemente para fins de eficácia por recomendação do conselho de monitoramento de dados e segurança, disse Tita.

Saiba mais sobre "Septicemia4: o que é", "Usos e abusos dos antibióticos" e "Parto normal ou cesárea?"

“Essas descobertas têm o potencial de mudar a prática clínica, fornecendo uma abordagem segura, eficaz e de baixo custo para reduzir a carga global de sepse1 e morte materna”, disse Diana Bianchi, MD, diretora do Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development, em comunicado. “Precisamos urgentemente de estratégias eficazes para prevenir infecções5 relacionadas à gravidez6, que representam cerca de 10% das mortes maternas em todo o mundo”.

A sepse1 é uma das principais causas de mortes maternas e neonatais em todo o mundo, especialmente em países de baixa e média renda. A azitromicina é barata e conhecida por reduzir a infecção7 materna quando administrada por via intravenosa durante a cesariana. Um estudo na Gâmbia mostrou que a azitromicina oral administrada a mulheres em trabalho de parto reduziu as infecções5 em mulheres e recém-nascidos.

No estudo A-PLUS, a sepse1 pareceu conduzir ao desfecho primário materno; ocorreu em 1,5% do grupo de azitromicina e 2,3% do grupo de placebo3. A incidência2 de sepse1 neonatal foi de 9,8% e 9,6%, respectivamente. A natimortalidade ocorreu em 0,4% de ambos os grupos e a morte neonatal dentro de 4 semanas após o nascimento ocorreu em 1,5% de ambos os grupos.

“As mortes maternas foram raras em ambos os grupos; as descobertas foram impulsionadas pelos efeitos da azitromicina na sepse1 materna”, disse Tita. “As frequências de infecções5 maternas selecionadas que causam sepse1 (incluindo endometrite, infecções5 de feridas cesáreas ou perineais e pielonefrite8), reinternações maternas e consultas médicas não programadas foram consistentes com os resultados maternos primários”.

No artigo, os pesquisadores relatam que o uso de azitromicina reduz a infecção7 materna em mulheres durante a cesariana não planejada, mas seu efeito naquelas com parto vaginal planejado é desconhecido. Portanto, são necessários dados sobre se uma dose oral intraparto de azitromicina reduziria a sepse1 ou morte materna e infantil.

Neste estudo multinacional, controlado por placebo3, randomizado9, designou-se mulheres que estavam em trabalho de parto com 28 semanas de gestação ou mais e que estavam planejando um parto vaginal para receber uma dose oral única de 2 g de azitromicina ou placebo3. Os dois desfechos primários foram um composto de sepse1 ou morte materna e um composto de natimorto ou morte neonatal ou sepse1. Durante uma análise interina, o comitê de monitoramento de dados e segurança recomendou a interrupção do estudo para benefício materno.

Um total de 29.278 mulheres foram randomizadas. A incidência2 de sepse1 materna ou morte foi menor no grupo azitromicina do que no grupo placebo3 (1,6% vs. 2,4%), com um risco relativo de 0,67 (intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,56 a 0,79; P <0,001), mas a incidência2 de natimorto ou morte neonatal ou sepse1 foi semelhante (10,5% vs. 10,3%), com um risco relativo de 1,02 (IC 95%, 0,95 a 1,09; P = 0,56).

A diferença no desfecho primário materno pareceu ser impulsionada principalmente pela incidência2 de sepse1 (1,5% no grupo da azitromicina e 2,3% no grupo do placebo3), com um risco relativo de 0,65 (IC 95%, 0,55 a 0,77); a incidência2 de morte por qualquer causa foi de 0,1% nos dois grupos (risco relativo, 1,23; IC 95%, 0,51 a 2,97).

A sepse1 neonatal ocorreu em 9,8% e 9,6% das crianças, respectivamente (risco relativo, 1,03; IC 95%, 0,96 a 1,10). A incidência2 de natimortos foi de 0,4% nos dois grupos (risco relativo, 1,06; IC 95%, 0,74 a 1,53); a morte neonatal dentro de 4 semanas após o nascimento ocorreu em 1,5% em ambos os grupos (risco relativo, 1,03; IC 95%, 0,86 a 1,24).

A azitromicina não foi associada a uma maior incidência2 de eventos adversos.

O estudo concluiu que, entre as mulheres que planejam um parto vaginal, uma única dose oral de azitromicina resultou em um risco significativamente menor de sepse1 ou morte materna do que o placebo3, mas teve pouco efeito sobre a sepse1 ou morte do recém-nascido.

Leia sobre "Parto vaginal", "Como é a cesárea" e "Gestação semana a semana".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 09 de fevereiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Antibiótico de dose única reduziu a sepse materna no parto vaginal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434555/antibiotico-de-dose-unica-reduziu-a-sepse-materna-no-parto-vaginal.htm>. Acesso em: 2 mar. 2024.

Complementos

1 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
9 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!