Gostou do artigo? Compartilhe!

A inibição de uma via metabólica lipídica específica foi associada à redução do risco de psoríase

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A inibição da via PCSK9, mais conhecida por suas ligações com dislipidemia, teve uma associação significativa com um risco reduzido de psoríase1, independentemente dos níveis lipídicos, de acordo com um estudo focado em variantes genéticas publicado no JAMA Dermatology.

A inibição de PCSK9 (pró-proteína convertase subtilisina/kexina tipo 9) geneticamente representada reduziu significativamente a razão de chances para psoríase1 em análises separadas de dois grandes bancos de dados. Em contraste, o direcionamento de duas outras vias bem conhecidas associadas ao metabolismo2 lipídico não influenciou o risco de psoríase1.

As descobertas sugerem que a PCSK9 desempenha um papel na patogênese3 da psoríase1 e sua inibição “está causalmente associada à redução do risco de psoríase”, relatou Sizheng Steven Zhao, MD, PhD, da Universidade de Manchester, na Inglaterra, e colegas.

“Esta associação parece ser independente dos níveis circulantes de colesterol4 LDL5, uma vez que não observamos uma associação geral do LDL5 com o risco de psoríase”, concluíram os autores.

A falta de associação com 3-hidroxi-3-metilglutaril-CoA redutase (HMGCR) e Niemann-Pick C1-like 1 (NPC1L1) reforçou a especificidade da associação com PCSK9.

Saiba mais sobre "Psoríase1", "Entendendo o colesterol4 do organismo" e "Dislipidemia".

O estudo é um exemplo de randomização mendeliana, que emprega a variação genética dos pacientes como uma representação para o verdadeiro estado clínico, observou Joel Gelfand, MD, da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia.

“Como as pessoas herdam seus genes aleatoriamente, acredita-se que essa técnica imite um estudo randomizado6 controlado e, portanto, as relações identificadas com essa técnica são frequentemente interpretadas como causais”, disse ele.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que as vias lipídicas têm sido implicadas na patogênese3 da psoríase1, e alguns medicamentos hipolipemiantes, como as estatinas, são considerados como tendo propriedades modificadoras da doença. No entanto, grandes estudos em nível populacional são escassos e a interpretação causal dos resultados de projetos observacionais tradicionais é limitada por confusão.

O objetivo deste estudo, portanto, foi investigar a associação causal entre medicamentos hipolipemiantes geneticamente representados e o risco de psoríase1.

Este estudo de randomização mendeliana de 2 amostras foi realizado de agosto a outubro de 2022 e incluiu estudos de associação genômica em nível populacional de psoríase1 nos estudos UK Biobank e FinnGen e de lipoproteína de baixa densidade (LDL5) pelo Global Lipids Genetics Consortium. O método de ponderação de variância inversa foi usado com métodos robustos de pleiotropia e colocalização como análises de sensibilidade.

As exposições do estudo foram inibição geneticamente representada de 3-hidroxi-3-metilglutaril CoA redutase (HMGCR, direcionada por estatinas), Niemann-Pick C1–like 1 (NPC1L1, direcionada por ezetimiba) e pró-proteína convertase subtilisina/kexina tipo 9 (PCSK9, direcionada por, por exemplo, alirocumab), usando LDL5 como biomarcador.

O principal desfecho foi o risco de psoríase1.

Foram analisados dados de 12.116 pacientes com psoríase1 e aproximadamente 1,3 milhão de indivíduos com medição de LDL5. A inibição de PCSK9 geneticamente representada foi associada à redução do risco de psoríase1 (odds ratio, 0,69 por redução de desvio padrão no LDL5; IC 95%, 0,55-0,88; P = 0,003), que foi replicada no FinnGen (odds ratio, 0,71; IC 95%, 0,57-0,88; P = 0,002).

As análises de sensibilidade não forneceram evidências estatísticas de viés de pleiotropia ou confusão genética. Nenhuma associação robusta foi encontrada para inibição de HMGCR ou NPC1L1.

Este estudo de randomização mendeliana sugere que a PCSK9 está implicada na patogênese3 da psoríase1 e sua inibição está associada à redução do risco de psoríase1.

Essas descobertas potencialmente abrem caminho para estudos futuros que podem permitir a seleção personalizada de medicamentos hipolipemiantes para aqueles com risco de psoríase1.

Leia sobre "Estatinas: prós e contras" e "Colesterol4 Alto".

 

Fontes:
JAMA Dermatology, publicação em 25 de janeiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 02 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. A inibição de uma via metabólica lipídica específica foi associada à redução do risco de psoríase. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434200/a-inibicao-de-uma-via-metabolica-lipidica-especifica-foi-associada-a-reducao-do-risco-de-psoriase.htm>. Acesso em: 14 jun. 2024.

Complementos

1 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
2 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
3 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
4 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
5 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
6 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!