Gostou do artigo? Compartilhe!

O uso de álcool no ensino médio pode intensificar rapidamente

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O consumo excessivo de álcool não é apenas um problema durante a faculdade, afirmaram pesquisadores em um novo estudo, publicado no JAMA Pediatrics. Eles descobriram que a maioria do uso de álcool na adolescência que aumentou para 10 ou mais drinks seguidos, atingiu esse nível rapidamente durante os anos do ensino médio.

Entre uma amostra de jovens que relataram beber nos últimos 30 dias quando pesquisados na 12ª série (o equivalente ao 3º ano do ensino médio) e que disseram ter se envolvido em consumo de álcool de alta intensidade (CAAI, 10 ou mais drinks consecutivos) quando pesquisados novamente por volta dos 20 anos, a iniciação de todos os três níveis de uso de álcool – primeira bebida, cinco ou mais bebidas seguidas e CAAI – ocorreram principalmente durante os anos de ensino médio.

E isso aconteceu rápido, Megan Patrick, PhD, da Universidade de Michigan em Ann Arbor, e colegas detalharam no estudo.

Da primeira bebida ao CAAI levou em média 1,9 anos, enquanto o tempo desde a primeira bebedeira até o início do CAAI foi em média de apenas 0,7 anos.

Mais de 17% dos entrevistados começaram o CAAI no mesmo ano em que beberam pela primeira vez, e quase metade (47,6%) iniciaram o consumo de bebidas seguidas e o CAAI no mesmo ano.

Leia: "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas".

“Há muito foco no consumo de álcool por menores de idade entre os jovens, mas o fato de haver consumo excessivo de álcool no ensino médio sugere que esperar até a faculdade para intervenção pode ser tarde demais para algumas pessoas, porque esses padrões já começaram para muitos deles.”, disse Patrick.

Seu grupo sugeriu que as descobertas poderiam ser usadas para ajudar a facilitar a triagem para uso de risco de álcool.

“É uma janela relativamente estreita”, acrescentou Patrick. “Aqueles adolescentes que aumentam o consumo mais rapidamente para beber em alta intensidade correm maior risco.”

No artigo, os pesquisadores relatam que o consumo de álcool de alta intensidade (CAAI) (≥10 drinks seguidos) está associado a desfechos negativos agudos. A identificação de fatores associados ao início do CAAI na adolescência e como ele está associado aos resultados na idade adulta jovem pode informar a triagem e a prevenção.

O objetivo deste estudo, portanto, foi identificar: quando os indivíduos iniciam o CAAI e a velocidade do aumento de consumo da primeira bebida e da primeira bebedeira até o primeiro CAAI; características associadas com a iniciação e o aumento do consumo; e se essas características estão associadas ao consumo semanal de álcool, frequência de CAAI e sintomas1 de transtorno por uso de álcool aos 20 anos de idade.

Este estudo de coorte2 analisou dados de pesquisa baseados na web de entrevistados nos EUA que relataram uso de álcool nos últimos 30 dias, recrutados no estudo Monitoring the Future da 12ª série de 2018 e pesquisados novamente de 14 de fevereiro a 17 de abril de 2020, na idade modal de 20 anos no Young Adult Daily Life Study. Apenas os entrevistados que relataram CAAI na idade modal de 20 anos foram incluídos nas análises.

As exposições do estudo foram a iniciação retrospectiva do uso de álcool e medidas autorrelatadas de uso de álcool.

As principais medidas retrospectivas incluíram o ano de início do consumo de álcool, primeira bebedeira (≥5 drinks) e CAAI (≥10 drinks). As medidas aos 20 anos de idade incluíram o consumo semanal de álcool, a frequência de CAAI e as pontuações do Teste de Identificação de Distúrbios por Uso de Álcool (AUDIT).

As co-variáveis incluíram sexo biológico, raça e etnia, educação universitária dos pais, histórico familiar de problemas com álcool e status universitário. Estatísticas descritivas e modelos de regressão multivariados foram usados, e todas as análises foram ponderadas.

Dos 451 participantes com dados elegíveis para análise, 62,0% eram do sexo masculino (38,0% do sexo feminino). Em média, o consumo de álcool, o consumo de drinks consecutivos e o CAAI foram iniciados durante o ensino médio.

O tempo médio de escalada da primeira bebida para o primeiro CAAI foi de 1,9 (IC 95%, 1,8-2,1) anos e entre a primeira bebedeira e o primeiro CAAI, 0,7 (IC 95%, 0,6-0,8) anos.

O início do CAAI na 11ª série, ou 2º ano do ensino médio (vs depois) foi associado a um consumo semanal médio de álcool mais alto (razão de taxas de incidência3 ajustada [aIRR], 1,40; IC 95%, 1,10-1,79]), maior frequência de CAAI (aIRR, 2,01; IC 95%, 1,25-3,22]) e maior pontuação AUDIT (odds ratio ajustado, 1,17; IC 95%, 1,02-1,34]) aos 20 anos.

A escalada da primeira bebedeira para o primeiro CAAI no mesmo ano (vs ≥1 ano) foi associada a maior frequência de CAAI aos 20 anos (aIRR, 1,66; IC 95%, 1,06-2,61).

Esses achados sugerem que entender as idades e os padrões de início e aumento do consumo de álcool de alta intensidade associados a um risco específico pode facilitar a triagem de adolescentes e adultos jovens.

Veja também sobre "Alcoolismo" e "Interação entre álcool e drogas psicotrópicas".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação 30 de janeiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 30 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. O uso de álcool no ensino médio pode intensificar rapidamente. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1433685/o-uso-de-alcool-no-ensino-medio-pode-intensificar-rapidamente.htm>. Acesso em: 22 abr. 2024.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!