Gostou do artigo? Compartilhe!

Solução salina intranasal pode ser suficiente para o distúrbio respiratório do sono de algumas crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O furoato de mometasona intranasal não foi melhor do que solução salina para resolver os sintomas1 de distúrbio respiratório do sono (DRS) em crianças, mas qualquer um dos tratamentos pode reduzir a necessidade de cuidados especiais ou cirurgia, sugeriu o estudo randomizado2 MIST.

Após 6 semanas de tratamento diário, a proporção que experimentou o desfecho primário do estudo – resolução dos sintomas1 significativos de DRS – foi semelhante com mometasona e solução salina: 44% e 41%, respectivamente, relataram Kirsten Perrett, PhD, do Murdoch Children's Research Institute no Royal Children's Hospital em Melbourne, Austrália, e colegas.

E as recomendações para cirurgia diminuíram acentuadamente em ambos os braços desde o início (62-67%) até 6 semanas (32-38%).

“Parece possível que uma grande proporção de crianças com DRS possa ser tratada com sucesso por seu médico de cuidados primários, usando 6 semanas de solução salina intranasal como tratamento de primeira linha”, concluiu o grupo de Perrett no JAMA Pediatrics. “O manejo com tratamento menos invasivo, mais barato e prontamente disponível aumentaria a qualidade de vida das crianças com DRS”.

“Além disso”, continuaram os autores, “isso reduziria a carga sobre os serviços especializados e, portanto, permitiria um acesso mais oportuno para as crianças que mais precisam, ou seja, aquelas que não respondem ao tratamento médico inicial de cuidados primários. Isso, por sua vez, poderia reduzir o tempo de espera e melhorar o atendimento a todas as crianças com DRS.”

Leia sobre "Distúrbios respiratórios do sono", "O que é respirar normalmente" e "Apneia3 do sono em bebê".

Se os achados do estudo representam um efeito do tratamento com furoato de mometasona ou solução salina, ou simplesmente se a história natural da doença não está clara, é uma questão que será explorada no MIST+, observaram.

O grupo de Perrett explicou que as diretrizes atuais da Academia Americana de Pediatria recomendam encaminhar todas as crianças com DRS – ronco, dificuldade respiratória e outros problemas durante o sono – para tratamento. Isso pode incluir polissonografia4 ou uma avaliação especializada, com adenotonsilectomia imediata recomendada para pacientes5 com apneia3 obstrutiva do sono (AOS) moderada a grave.

Mas o estudo atual visa preencher uma lacuna no tratamento de crianças que podem não ter acesso à polissonografia4, que é limitada em muitos países; nestes locais, a decisão de se submeter à adenotonsilectomia é tomada apenas com base na história e no exame clínico.

“A adenotonsilectomia resulta em melhor sono, qualidade de vida, comportamento e resultados cardiovasculares na maioria das crianças com sintomas1 de DRS”, escreveram Perrett e co-autores. “No entanto, se testadas com polissonografia4, aproximadamente metade das crianças encaminhadas para adenotonsilectomia têm ronco primário sem AOS, e faltam evidências para o benefício de adenotonsilectomia neste grupo. Além disso, a adenotonsilectomia é dolorosa, cara e traz um risco de mortalidade6 e morbidade7 pós-operatória (hemorragia8 e comprometimento respiratório).”

No artigo, os pesquisadores relatam que o distúrbio respiratório do sono (DRS) obstrutivo em crianças é caracterizado por ronco e dificuldade respiratória durante o sono. O DRS afeta pelo menos 12% das crianças saudáveis e está associado a morbidade7 significativa.

Evidências de pequenos ensaios clínicos9 sugerem que os corticosteroides intranasais melhoram o DRS medido pela polissonografia4; no entanto, o efeito sobre os sintomas1 e a qualidade de vida não é claro.

O objetivo do estudo foi determinar se o furoato de mometasona intranasal é mais eficaz do que a solução salina intranasal para melhorar os sintomas1 e a qualidade de vida em crianças com DRS.

O estudo MIST foi um estudo multicêntrico, randomizado10, duplo-cego, controlado por placebo11, recrutando participantes de 8 de junho de 2018 a 13 de fevereiro de 2020. Crianças de 3 a 12 anos encaminhadas a um especialista por sintomas1 significativos de DRS foram incluídas; as exclusões foram adenotonsilectomia anterior, índice de massa corporal12 maior que o percentil 97 e DRS grave.

A randomização foi estratificada por local e os dados foram analisados com base na intenção de tratar de 28 de outubro de 2020 a 25 de setembro de 2022.

Os participantes foram aleatoriamente designados para receber furoato de mometasona, 50 μg, ou cloreto de sódio (soro13 fisiológico14), 0,9%, um spray por narina diariamente, dispensados em frascos idênticos.

O desfecho primário foi a resolução dos sintomas1 significativos de DRS (ou seja, redução para um nível que não exija mais encaminhamento a um especialista de acordo com as diretrizes da Academia Americana de Pediatria) em 6 semanas, medido pelo relato dos sintomas1 dos pais usando a pontuação de DRS.

Um total de 276 participantes (idade média [DP], 6,1 [2,3] anos; 146 indivíduos do sexo masculino [53%]) foram recrutados, 138 em cada braço de tratamento. A resolução dos sintomas1 significativos de DRS ocorreu em 56 de 127 participantes (44%) no grupo de mometasona e 50 de 123 participantes (41%) no grupo de solução salina (diferença de risco, 4%; IC 95%, -8% a 16%; P = 0,51), com 26 participantes perdidos para acompanhamento e valores ausentes gerenciados por imputação múltipla.

Os principais efeitos adversos foram epistaxe15, afetando 12 de 124 participantes (9,7%) no grupo de mometasona e 18 de 120 participantes (15%) no grupo de solução salina, e coceira/irritação nasal, afetando 12 de 124 participantes (9,7%) no grupo de mometasona e 22 de 120 participantes (18%) no grupo de solução salina.

Os resultados deste ensaio clínico randomizado10 sugerem que não houve diferença no efeito do tratamento entre a mometasona intranasal e a solução salina para o controle dos sintomas1 de distúrbio respiratório do sono.

Os resultados sugerem que quase metade das crianças com distúrbio respiratório do sono poderiam ser tratadas inicialmente na atenção primária e podem não necessitar de encaminhamento para serviços especializados, como é atualmente recomendado.

Veja também sobre "Distúrbios do sono", "Roncos" e "Seu filho dorme bem?"

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 17 de janeiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 17 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Solução salina intranasal pode ser suficiente para o distúrbio respiratório do sono de algumas crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432660/solucao-salina-intranasal-pode-ser-suficiente-para-o-disturbio-respiratorio-do-sono-de-algumas-criancas.htm>. Acesso em: 26 fev. 2024.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
4 Polissonografia: Exame utilizado na avaliação de algumas das causas de insônia.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
8 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
9 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
10 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
11 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
12 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
14 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Epistaxe: Hemorragia de origem nasal.
Gostou do artigo? Compartilhe!