Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta mediterrânea durante a gravidez pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia e diabetes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As recomendações dietéticas durante a gravidez1 continuam a evoluir à medida que os pesquisadores obtêm novos conhecimentos sobre a melhor nutrição2 para uma grávida e seu feto3 em desenvolvimento.

À medida que surgem mais dados, os especialistas continuam a recomendar o que é seguro comer e o que não comer durante a gravidez1.

Um estudo recente descobriu que seguir uma dieta mediterrânea4 na época da concepção5 e durante o início da gravidez1 pode diminuir o risco de resultados adversos na gravidez1.

Os resultados foram publicados no JAMA Network Open.

A nova pesquisa é baseada em um estudo de coorte6 que incluiu quase 8.000 gestantes.

Os pesquisadores recrutaram um grupo diversificado para este estudo, o que foi útil na coleta de dados. Eles queriam ver se consumir uma dieta mediterrânea4 na época da concepção5 reduzia o risco de resultados adversos na gravidez1.

A autora do estudo, Dra. Natalie Bello, MPH, explicou:

“Os resultados adversos da gravidez1 (RAGs) estão aumentando em frequência nos Estados Unidos e estão associados a um risco aumentado de eventos adversos para a mãe e o bebê, tanto a curto quanto a longo prazo. No momento, não temos muitas boas estratégias para reduzir esse risco. Mas sabemos que fazer escolhas alimentares saudáveis antes da concepção5 e durante a gravidez1 é importante para a saúde7 da mãe e do bebê.”

Leia sobre "Dieta saudável na gravidez1", "Gravidez1 de risco: quando pode ocorrer" e "Dieta mediterrânea4 - quais os benefícios?"

Para avaliar os efeitos potenciais de uma dieta mediterrânea4 durante o início da gravidez1, os pesquisadores mediram a adesão ao padrão alimentar usando um sistema de pontuação especial. Eles avaliaram a ingestão de componentes da dieta como vegetais, peixes e grãos integrais.

Uma pontuação mais alta significou uma maior adesão a uma dieta mediterrânea4.

Os pesquisadores então examinaram a associação entre a adesão a essa dieta e o risco de vários resultados adversos da gravidez1.

Os resultados mostram que uma maior adesão a uma dieta mediterrânea4 durante o início da gravidez1 foi associada a um menor risco de resultados adversos da gravidez1.

Os pesquisadores descobriram ainda que os benefícios de comer uma dieta mediterrânea4 podem ser maiores para gestantes com idade materna avançada (35 anos ou mais), cujo risco de resultados adversos na gravidez1 é elevado.

A Dra. Bello explicou as principais descobertas do estudo:

“A maior adesão a uma pontuação de 'dieta mediterrânea4 alternativa' foi associada a um risco 21% menor de qualquer resultado adverso da gravidez1 (pré-eclâmpsia8, parto prematuro, hipertensão9 gestacional, diabetes gestacional10, bebê pequeno para a idade gestacional ou natimorto), a um risco 28% menor de pré-eclâmpsia8 e um risco 38% menor de diabetes gestacional10. Mulheres de todas as raças, etnias e pesos corporais (IMC11) se beneficiaram igualmente. Descobrimos que mulheres com idade ≥35 anos tinham evidências de um benefício mais forte dessa dieta.”

No artigo, os pesquisadores relatam que o padrão de dieta mediterrânea4 está inversamente associado às principais causas de morbidade12 e mortalidade13, incluindo doenças metabólicas e doenças cardiovasculares14, mas há dados limitados sobre sua associação com resultados adversos da gravidez1 (RAGs) entre mulheres americanas.

Este estudo de coorte6 prospectivo15, multicêntrico, o Nulliparous Pregnancy Outcomes Study: Monitoring Mothers-to-Be, recrutou 10.038 mulheres entre 1º de outubro de 2010 e 30 de setembro de 2013, com uma amostra analítica final de 7.798 mulheres racialmente, etnicamente e geograficamente diversas com gestações únicas que tinham dados completos sobre dieta. As análises de dados foram concluídas entre 3 de junho de 2021 e 7 de abril de 2022.

Uma pontuação (intervalo, 0-9; baixa, 0-3; moderada, 4-5; e alta, 6-9) da Dieta Mediterrânea4 Alternativa (aMed) foi calculada a partir de dados sobre a dieta habitual nos 3 meses em torno da concepção5, avaliada usando um questionário semiquantitativo de frequência alimentar.

Os resultados adversos da gravidez1 foram prospectivamente determinados e definidos como desenvolvimento de um ou mais dos seguintes: pré-eclâmpsia8 ou eclâmpsia16, hipertensão9 gestacional, diabetes gestacional10, parto prematuro, parto de um bebê pequeno para a idade gestacional ou natimorto.

Das 7.798 participantes (idade média [DP], 27,4 [5,5] anos), 754 (9,7%) tinham 35 anos ou mais, 816 (10,5%) eram negras não hispânicas, 1.294 (16,6%) eram hispânicas e 1.522 (19,5%) tinham obesidade17 no início do estudo.

A pontuação média (DP) da aMed foi de 4,3 (2,1), e a prevalência18 de alta, moderada e baixa concordância com um padrão de dieta mediterrânea4 na época da concepção5 foi de 30,6% (n = 2.388), 31,2% (n = 2.430) , e 38,2% (n = 2.980), respectivamente.

Em modelos multivariáveis, uma pontuação da aMed alta versus baixa foi associada a chances 21% menores de qualquer RAG (razão de chances ajustada [aOR], 0,79 [IC 95%, 0,68-0,92]), chances 28% menores de pré-eclâmpsia8 ou eclâmpsia16 (aOR, 0,72 [IC 95%, 0,55-0,93]) e chances 37% menores de diabetes gestacional10 (aOR, 0,63 [IC 95%, 0,44-0,90]).

Não houve diferenças por raça, etnia e índice de massa corporal19 antes da gravidez1, mas as associações foram mais fortes entre mulheres com 35 anos ou mais (aOR, 0,54 [IC 95%, 0,34-0,84]; P = 0,02 para interação).

Quando os quintis de pontuação da aMed foram avaliados, associações semelhantes foram observadas, com pontuações mais altas sendo inversamente associadas à incidência20 de qualquer RAG.

Este estudo de coorte6 sugere que uma maior adesão a um padrão de dieta mediterrânea4 está associada a um menor risco de resultados adversos da gravidez1, com evidência de uma associação dose-resposta.

Estudos de intervenção são necessários para avaliar se a modificação da dieta na época da concepção5 pode reduzir o risco de resultados adversos da gravidez1 e suas associações a jusante21 com o desenvolvimento futuro de fatores de risco para doenças cardiovasculares14 e doenças manifestas.

Veja também sobre "Hipertensão9 da gravidez1", "Diabetes gestacional10" e "Diferenças entre pré-eclâmpsia8 e eclâmpsia16".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 22 de dezembro de 2022.
Medical News Today, notícia publicada em 04 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dieta mediterrânea durante a gravidez pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia e diabetes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1431795/dieta-mediterranea-durante-a-gravidez-pode-reduzir-o-risco-de-pre-eclampsia-e-diabetes.htm>. Acesso em: 6 fev. 2023.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
3 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
4 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
5 Concepção: O início da gravidez.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
9 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
10 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
11 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
13 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
14 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
15 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
16 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
17 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
18 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
19 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
20 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
21 Jusante: 1. Vazante da maré; baixa-mar. 2. O sentido da correnteza em um curso de água (da nascente para a foz). Em medicina, é usado para se referir ao sentido do fluxo sanguíneo normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!