Gostou do artigo? Compartilhe!

Redução do estresse baseada em mindfulness se mostrou não inferior ao escitalopram para o tratamento de adultos com transtornos de ansiedade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os transtornos de ansiedade são condições comuns, altamente angustiantes e prejudiciais. Existem tratamentos eficazes, mas muitos pacientes não os acessam ou não respondem a eles.

Intervenções baseadas em mindfulness, como redução de estresse baseada em mindfulness (REBM), são populares e podem diminuir a ansiedade, mas não se sabe como elas se comparam aos tratamentos padrão de primeira linha.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi determinar se a REBM é não inferior ao escitalopram, um tratamento psicofarmacológico de primeira linha comumente usado para transtornos de ansiedade.

Saiba mais sobre "Atenção Plena ou Mindfulness: o que é" e "Mindfulness - como é a prática".

Este ensaio clínico randomizado1 (Tratamentos para Ansiedade: Meditação e Escitalopram [TAME]) incluiu um design de não inferioridade com uma margem de não inferioridade pré-especificada. Os pacientes foram recrutados entre junho de 2018 e fevereiro de 2020. As avaliações dos resultados foram realizadas por entrevistador clínico cego no início do estudo, com ponto final na semana 8 e consultas de acompanhamento em 12 e 24 semanas.

De 430 indivíduos avaliados para inclusão, 276 adultos com transtorno de ansiedade diagnosticado, de 3 centros médicos acadêmicos urbanos nos EUA foram recrutados para o estudo, e 208 completaram o estudo.

Os participantes foram randomizados 1:1 para 8 semanas de curso semanal de REBM ou o antidepressivo escitalopram, com dosagem flexível de 10 a 20 mg.

A medida de desfecho primário foram os níveis de ansiedade avaliados com a escala de impressão clínica global de gravidade (CGI-S), com uma margem de não inferioridade pré-determinada de -0,495 pontos.

A amostra primária de não inferioridade consistiu de 208 pacientes (102 em REBM e 106 em escitalopram), com idade média (DP) de 33 (13) anos; 156 participantes (75%) eram do sexo feminino; 32 participantes (15%) eram afro-americanos, 41 (20%) eram asiáticos, 18 (9%) eram hispânicos/latinos, 122 (59%) eram brancos e 13 (6%) eram de outra raça ou etnia (incluindo Nativo americano ou nativo do Alasca, mais de uma raça, ou outra, consolidada devido aos baixos números).

A média (DP) da pontuação na CGI-S na linha de base foi de 4,44 (0,79) para o grupo de REBM e 4,51 (0,78) para o grupo de escitalopram na amostra por protocolo, e 4,49 (0,77) vs 4,54 (0,83), respectivamente, na amostra aleatória.

No ponto final, a pontuação média (DP) na CGI-S foi reduzida em 1,35 (1,06) para REBM e 1,43 (1,17) para escitalopram. A diferença entre os grupos foi -0,07 (0,16; IC 95%, -0,38 a 0,23; P = 0,65), onde o limite inferior do intervalo caiu dentro da margem de não inferioridade pré-definida de -0,495, indicando a não inferioridade da REBM em comparação com o escitalopram.

Análises secundárias de intenção de tratar usando dados imputados também mostraram a não inferioridade da REBM em comparação com escitalopram com base na melhora na pontuação na CGI-S.

Dos pacientes que iniciaram o tratamento, 10 (8%) abandonaram o grupo de escitalopram e nenhum abandonou o grupo de REBM devido a eventos adversos. Pelo menos 1 evento adverso relacionado ao estudo ocorreu em 110 participantes randomizados para escitalopram (78,6%) e 21 participantes randomizados para REBM (15,4%).

Os resultados deste ensaio clínico randomizado1 comparando uma intervenção padronizada, baseada em evidências, baseada em mindfulness com farmacoterapia para o tratamento de transtornos de ansiedade descobriram que a redução do estresse baseada em mindfulness não era inferior ao escitalopram.

Leia sobre "Transtorno de ansiedade generalizada", "Crise de ansiedade" e "Estresse - o que fazer para aliviá-lo".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 09 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Redução do estresse baseada em mindfulness se mostrou não inferior ao escitalopram para o tratamento de adultos com transtornos de ansiedade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1430575/reducao-do-estresse-baseada-em-mindfulness-se-mostrou-nao-inferior-ao-escitalopram-para-o-tratamento-de-adultos-com-transtornos-de-ansiedade.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!