Gostou do artigo? Compartilhe!

Vacina universal experimental contra a gripe pode proteger contra 20 cepas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Como atualmente não podemos prever qual subtipo do vírus1 influenza2 causará a próxima pandemia3, pesquisadores fizeram várias tentativas para produzir uma vacina4 “universal” que pudesse proteger as pessoas de uma ampla gama de subtipos.

Embora a maioria desses esforços tenha se concentrado em um conjunto limitado de antígenos5 que são compartilhados por muitos subtipos, uma abordagem alternativa tem sido gerar uma vacina4 multivalente que codificaria todos os subtipos conhecidos.

Em um novo estudo, publicado na revista Science, pesquisadores aproveitaram os avanços recentes em plataformas de vacinas baseadas em ácidos nucleicos para desenvolver uma vacina4 de nanopartícula lipídica de RNA mensageiro modificada por nucleosídeos que codificam antígenos5 de hemaglutinina de todos os 20 subtipos conhecidos de vírus1 influenza2 A e B.

Esta vacina4 provocou altos níveis de anticorpos6 de reação cruzada e específicos de subtipo em camundongos e furões, o que protegeu esses animais de cepas7 de vírus1 influenza2 correspondentes e incompatíveis.

Assim, a vacina4 experimental de RNAm gerou respostas de anticorpos6 contra todas as 20 cepas7 conhecidas de influenza2 A e B nos testes com animais, aumentando as esperanças de desenvolver uma vacina4 universal contra a gripe8.

Os vírus1 influenza2 estão em constante evolução, tornando-os um alvo em movimento para os desenvolvedores de vacinas. As vacinas anuais contra a gripe8 disponíveis agora são adaptadas para fornecer imunidade9 contra cepas7 específicas previstas para circular a cada ano. No entanto, os pesquisadores às vezes erram na previsão, o que significa que a vacina4 é menos eficaz do que poderia ser naqueles anos.

Alguns pesquisadores acham que as vacinas anuais contra a gripe8 podem ser substituídas por uma vacina4 universal contra a gripe8 que seja eficaz contra todas as cepas7 da gripe8. Os pesquisadores tentaram conseguir isso criando vacinas contendo fragmentos10 de proteínas11 comuns a várias cepas7 de influenza2, mas nenhuma vacina4 universal obteve aprovação para uso mais amplo.

Saiba mais sobre "Gripe8: o que é", "Vacina4 da gripe8" e "Por que vacinar".

Agora, Scott Hensley, da Universidade da Pensilvânia, e seus colegas criaram uma vacina4 baseada em moléculas de RNAm – a mesma abordagem pioneira das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna para Covid-19.

O RNAm contém códigos genéticos para produzir proteínas11, assim como o DNA. A vacina4 contém moléculas de RNAm que codificam fragmentos10 de proteínas11 encontradas em todas as 20 cepas7 conhecidas de influenza2 A e B – os vírus1 que causam surtos sazonais a cada ano.

As cepas7 têm versões diferentes de duas proteínas11 em sua superfície, hemaglutinina (H) e neuraminidase (N), que são alvo de respostas imunes. Mas mesmo dentro de uma cepa12, como o H1N1, pode haver pequenas variações nessas proteínas11, de modo que a versão da vacina4 universal não corresponderá exatamente a todas as variantes possíveis.

Em testes em camundongos, a equipe descobriu que os animais geraram anticorpos6 específicos para todas as 20 cepas7 do vírus1 da gripe8, e esses anticorpos6 permaneceram em nível estável por até quatro meses.

Em outro teste, a equipe deu aos camundongos a vacina4 universal contra a gripe8 ou uma vacina4 falsa contendo o código de uma proteína não gripal. Um mês depois, eles os infectaram com uma das duas variantes do vírus1 da gripe8 H1N1, uma com uma proteína H1 muito semelhante à versão da proteína da vacina4 e outra com uma versão mais distinta.

Todos os camundongos que receberam a vacina4 contra a gripe8 sobreviveram à exposição ao vírus1 com a proteína mais semelhante e 80% sobreviveram à infecção13 com a variante mais distinta. Todos os camundongos que receberam a vacina4 simulada morreram cerca de uma semana após a infecção13 com qualquer uma das variantes.

Outro grupo de camundongos recebeu uma vacina4 de RNAm direcionada apenas para a cepa12 de gripe8 a que foram expostos, e todo esse grupo sobreviveu no mesmo período de tempo. Isso sugere que a vacina4 universal contra a gripe8 ofereceria menos proteção contra novas variantes das 20 cepas7 de gripe8 do que uma vacina4 anual compatível com novas formas do vírus1, diz Albert Osterhaus, da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, na Alemanha, que não esteve envolvido no estudo.

Os pesquisadores também testaram a vacina4 universal em furões com resultados semelhantes.

“Os modelos de camundongos e furões para influenza2 são tão bons quanto os modelos animais podem ser. Os dados com animais são promissores e, portanto, uma boa indicação do que acontecerá com os humanos”, diz Peter Palese, da Escola de Medicina Icahn, em Nova York.

Um dos principais benefícios das vacinas de RNAm é que elas podem ser facilmente ampliadas em comparação com outras abordagens que dependem do cultivo de vírus1 influenza2 em ovos de galinha ou no laboratório, diz Palese.

“Para gerar uma imunidade9 básica contra cepas7 de vírus1 influenza2 epidêmicos ou pandêmicos no futuro, essa estratégia pode oferecer uma opção se a longevidade da imunidade9 em humanos for confirmada”, diz Osterhaus.

“Definitivamente, esses dados com animais são promissores e merecem mais exploração em estudos clínicos. Dados os estudos anteriores com vacinas contra a gripe8 candidatas universais em testes em humanos, é difícil prever o que os dados clínicos trarão”, diz Osterhaus.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem o desenvolvimento dessa vacina4 de nanopartículas de RNA mensageiro (RNAm) modificada por nucleosídeos que codifica antígenos5 de hemaglutinina de todos os 20 subtipos conhecidos de vírus1 influenza2 A e linhagens de vírus1 influenza2 B.

Esta vacina4 multivalente provocou altos níveis de anticorpos6 de reação cruzada e específicos de subtipo em camundongos e furões que reagiram a todos os 20 antígenos5 codificados.

A vacinação protegeu camundongos e furões desafiados com cepas7 virais correspondentes e incompatíveis, e essa proteção foi pelo menos parcialmente dependente de anticorpos6.

Os estudos indicam que as vacinas de RNAm podem fornecer proteção contra vírus1 antigenicamente variáveis, induzindo simultaneamente anticorpos6 contra múltiplos antígenos5.

Leia sobre "Antígenos5 e anticorpos6 - o que são", "Gripe8 H1N1" e "Vacinas - como funcionam e prós e contras".

 

Fontes:
Science, Vol. 378, Nº 6622, em 24 de novembro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 24 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Vacina universal experimental contra a gripe pode proteger contra 20 cepas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1429845/vacina-universal-experimental-contra-a-gripe-pode-proteger-contra-20-cepas.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
3 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
4 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
5 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
6 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
7 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
8 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
9 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
10 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
11 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
12 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!