Gostou do artigo? Compartilhe!

A pré-eclâmpsia pode aumentar o risco de doença cardíaca na prole mais tarde na vida

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças e adolescentes que foram expostas à pré-eclâmpsia1 no útero2 podem ter maior probabilidade de sofrer um derrame3 ou desenvolver doença arterial coronariana, mas o risco geral permanece baixo, segundo um estudo publicado no JAMA Network Open.

No estudo com mais de 8 milhões de pessoas, a pré-eclâmpsia1 foi associada a um risco até 34% maior de desenvolver qualquer uma das condições por volta dos 19 anos de idade.

A pré-eclâmpsia1 é uma complicação da gravidez4 que se acredita ocorrer devido a um problema com a placenta. Os sintomas5 incluem hipertensão arterial6 e proteína na urina7. Muitos casos são leves, no entanto, a pré-eclâmpsia1 pode levar a resultados graves se a condição não for monitorada.

Estudos anteriores sugerem que as crianças que foram expostas à pré-eclâmpsia1 no útero2 tendem a ter pressão arterial8 mais alta, mas não está claro se essa pressão arterial8 elevada leva a um risco maior de acidente vascular cerebral9 ou doença cardíaca coronariana, quando o sangue10 e o suprimento de oxigênio do coração11 são limitados.

Para saber mais, Fen Yang e seus colegas do Instituto Karolinska, na Suécia, analisaram os registros de saúde12 de quase 8,5 milhões de pessoas que vivem na Finlândia, Dinamarca e Suécia. Destas, 190.000 foram expostas à pré-eclâmpsia1 no período pré-natal, com base no diagnóstico13 de pré-eclâmpsia1 de suas mães, enquanto quase 8,3 milhões de pessoas não foram expostas à condição. Os registros dos participantes foram analisados desde o nascimento até os 19 anos, em média.

No geral, o número de eventos de acidente vascular cerebral9 e diagnósticos de doença cardíaca coronariana foi muito baixo. No entanto, os participantes que foram expostos à pré-eclâmpsia1 no período pré-natal tiveram 33% mais chances de desenvolver doença cardíaca coronariana e 34% mais chances de ter um acidente vascular cerebral9 aos 19 anos, em média, em comparação com os participantes sem exposição à pré-eclâmpsia1 no período pré-natal.

“Os resultados são muito surpreendentes, pois mostram taxas mais altas de ataques cardíacos e AVCs enquanto os filhos ainda estão nas primeiras décadas de vida”, diz Paul Leeson, da Universidade de Oxford. “Problemas de saúde12 como esses nas primeiras décadas de vida são raros, mas, por estudarem milhões de pacientes, conseguiram identificar associações entre a pré-eclâmpsia1 e esses eventos raros.”

Saiba mais sobre "Diferenças entre pré-eclâmpsia1 e eclâmpsia14", "Hipertensão15 da gravidez4" e "Saúde12 cardiovascular ideal na infância".

Os pesquisadores levaram em consideração fatores que podem influenciar o risco de AVC, doença cardíaca coronariana ou pré-eclâmpsia1, como o sexo dos participantes e o estado de diabetes16 de suas mães.

Os riscos potenciais de pré-eclâmpsia1 não diferiram substancialmente quando contabilizados o índice de massa corporal17 materna, tabagismo ou história familiar de doença cardiovascular.

“Como é apenas uma associação, a melhor forma de prevenir os problemas permanece desconhecida e, portanto, nossa melhor abordagem continua sendo a observação cuidadosa dos fatores de risco tradicionais”, diz Leeson. Isso inclui o monitoramento de mulheres com condições médicas pré-existentes durante a gravidez4 ou que tiveram pré-eclâmpsia1 em uma gravidez4 anterior.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que uma associação entre pré-eclâmpsia1 materna e um risco aumentado de doença cardiovascular na prole é plausível, mas as evidências nessa área são limitadas.

O objetivo do estudo, portanto, foi investigar (1) a associação entre pré-eclâmpsia1 materna e riscos de doença isquêmica do coração11 (DIC) e acidente vascular cerebral9 na prole, (2) se a associação varia de acordo com a gravidade ou momento do início da pré-eclâmpsia1 e (3) o papel do nascimento prematuro e nascimento pequeno para a idade gestacional (PIG), ambos relacionados à pré-eclâmpsia1, e doenças cardiovasculares18, nesta associação.

Este estudo multinacional de coorte19 populacional obteve dados de registros nacionais dinamarqueses, finlandeses e suecos. Nascimentos únicos vivos da Dinamarca (1973-2016), Finlândia (1987-2014) e Suécia (1973-2014) foram acompanhados até 31 de dezembro de 2016, na Dinamarca e 31 de dezembro de 2014, na Finlândia e na Suécia. As análises de dados foram realizadas entre setembro de 2020 e setembro de 2022.

A exposição do estudo foi pré-eclâmpsia1 e seus subtipos, incluindo de início precoce (<34 semanas gestacionais) e de início tardio (≥34 semanas gestacionais), grave e leve ou moderada, e com e sem nascimento PIG.

Os diagnósticos de DIC e AVC foram extraídos dos registros de pacientes e causas de morte. Modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox e modelos de sobrevivência20 paramétricos flexíveis foram usados para analisar as associações. Análises de irmãos foram conduzidas para controlar fatores familiares não medidos.

A coorte19 incluiu 8.475.819 nascimentos (2.668.697 [31,5%] da Dinamarca, 1.636.116 [19,3%] da Finlândia e 4.171.006 [49,2%] da Suécia, compreendendo 4.350.546 meninos [51,3%]).

Desses descendentes, 188.670 (2,2%) foram expostos à pré-eclâmpsia1 materna, 7.446 (0,1%) foram diagnosticados com DIC e 10.918 (0,1%) foram diagnosticados com AVC durante o acompanhamento mediano (IQR) de 19,3 (9,0-28,1) anos.

Filhos de indivíduos com pré-eclâmpsia1 tiveram riscos aumentados de DIC (taxa de risco [HR] ajustada, 1,33; IC 95%, 1,12-1,58) e acidente vascular cerebral9 (HR ajustada, 1,34; IC 95%, 1,17-1,52). Essas associações foram amplamente independentes de nascimento prematuro ou PIG.

Formas graves de pré-eclâmpsia1 foram associadas a um risco maior de AVC do que formas menos graves (grave versus leve ou moderada: HR ajustada, 1,81 [IC 95%, 1,41-2,32] versus 1,22 [IC 95%, 1,05-1,42]; de início precoce versus tardio: HR ajustada, 2,55 [IC 95%, 1,97-3,28] vs 1,18 [IC 95%, 1,01-1,39]; com vs sem nascimento PIG: HR ajustada, 1,84 [IC 95%, 1,44-2,34] vs 1,25 [IC 95%, 1,07-1,48]).

As análises de irmãos sugeriram que as associações foram parcialmente explicadas por fatores familiares não medidos.

Os resultados deste estudo sugerem que a prole nascida de indivíduos com pré-eclâmpsia1 apresentou risco aumentado de doença isquêmica do coração11 e AVC que não foram totalmente explicados por nascimento prematuro ou pequeno para idade gestacional, e que os riscos associados de AVC foram maiores para formas graves de pré-eclâmpsia1.

Leia sobre "Gravidez4 de risco: quando pode ocorrer", "Acidente vascular cerebral9 em jovens" e "Doença arterial coronariana".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 15 de novembro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 15 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. A pré-eclâmpsia pode aumentar o risco de doença cardíaca na prole mais tarde na vida. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1429745/a-pre-eclampsia-pode-aumentar-o-risco-de-doenca-cardiaca-na-prole-mais-tarde-na-vida.htm>. Acesso em: 6 fev. 2023.

Complementos

1 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
2 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
3 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
7 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
8 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
15 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
16 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
17 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
18 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
19 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
20 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!