Gostou do artigo? Compartilhe!

Redução da pressão arterial ajuda na prevenção da demência

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento anti-hipertensivo reduziu o risco de demência1 incidente2 em comparação com o placebo3, mostrou uma metanálise de ensaios clínicos4 randomizados controlados por placebo3, com publicação no European Heart Journal.

Se a redução da pressão arterial5 (PA) tem efeito sobre o risco de demência1 ou não, continua sendo uma questão importante na elaboração de políticas de saúde6 pública e diretrizes clínicas. Nesta metanálise, os pesquisadores mostraram que há um efeito significativo do tratamento da PA na redução das chances de demência1 em uma população idosa com histórico de hipertensão7.

Saiba mais sobre "O que vem a ser pressão arterial5" e "Demência1".

O artigo relata que estudos observacionais indicam associações em forma de U de pressão arterial5 (PA) e demência1 incidente2 na velhice, mas ensaios controlados randomizados de tratamento para redução da pressão arterial5 mostram resultados mistos sobre esse desfecho em pacientes hipertensos.

Uma análise agrupada de dados de participantes individuais de cinco ensaios seminais randomizados duplo-cegos controlados por placebo3 foi realizada para melhor definir os efeitos do tratamento de redução da pressão arterial5 para a prevenção da demência1.

A regressão logística multinível foi usada para avaliar o efeito do tratamento na demência1 incidente2. A modificação do efeito foi avaliada para as principais características da população, incluindo idade, PA sistólica basal, sexo e presença de AVC anterior. A análise de mediação foi usada para quantificar a contribuição da medicação experimental e as mudanças na PA sistólica e diastólica no risco de demência1.

A amostra total incluiu 28.008 indivíduos recrutados em 20 países. Após um acompanhamento médio de 4,3 anos, houve 861 casos de demência1 incidente2. A regressão logística multinível relatou uma razão de chances ajustada de 0,87 (intervalo de confiança de 95%: 0,75, 0,99) a favor do tratamento anti-hipertensivo, reduzindo o risco de demência1 incidente2 com uma redução média da pressão arterial5 de 10/4 mmHg.

Outras regressões multinomiais levando em conta a morte como um risco competitivo encontraram resultados semelhantes. Não houve modificação de efeito por idade ou sexo. A análise de mediação confirmou que a maior queda na PA no grupo tratado ativamente foi associada a uma maior redução no risco de demência1.

A primeira metanálise de dados de pacientes individuais de estágio único de ensaios clínicos4 randomizados duplo-cegos controlados por placebo3 fornece evidências para apoiar os benefícios do tratamento anti-hipertensivo no final da meia idade e na velhice para reduzir o risco de demência1.

Permanecem dúvidas quanto ao potencial de redução adicional da pressão arterial5 naqueles com hipertensão7 já bem controlada e do tratamento anti-hipertensivo iniciado mais cedo na vida para reduzir o risco de demência1 a longo prazo.

Leia sobre "Hipertensão Arterial8" e "Os mecanismos de ação dos anti-hipertensivos".

 

Fonte: European Heart Journal, publicação em 25 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Redução da pressão arterial ajuda na prevenção da demência. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1428980/reducao-da-pressao-arterial-ajuda-na-prevencao-da-demencia.htm>. Acesso em: 8 dez. 2022.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
8 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!