Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplementos de cálcio para adultos com menos de 35 anos melhoram a densidade mineral óssea

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A osteoporose1, uma condição em que os ossos se tornam porosos e mais fracos devido à perda de densidade óssea, é um importante problema de saúde2 durante o envelhecimento.

A condição aumenta o risco de fraturas, especialmente no quadril, vértebras espinhais e pulsos. A osteoporose1 afeta particularmente as mulheres idosas e geralmente ocorre como resultado de alterações hormonais ou deficiências de cálcio ou vitamina3 D.

Em um novo estudo publicado recentemente na revista eLife, pesquisadores da Wenzhou Medical University, na China, procuraram ensaios clínicos4 randomizados que comparassem cálcio ou cálcio mais vitamina3 D com placebo5 ou nenhum tratamento em participantes com menos de 35 anos. Especificamente, os pesquisadores examinaram a densidade mineral óssea ou o conteúdo mineral ósseo.

A análise incluiu mais de 7.300 participantes em 43 estudos e examinou mudanças na densidade mineral óssea e conteúdo mineral ósseo na coluna lombar, colo do fêmur6, total do quadril e total do corpo.

Testes de densidade mineral óssea podem fornecer um retrato da saúde2 óssea de uma pessoa. As mudanças na massa óssea ocorrem naturalmente ao longo do tempo, com pico de massa óssea ocorrendo em nossos 20 anos – embora haja uma diferença entre homens e mulheres.

No novo estudo, os pesquisadores descobriram que os suplementos de cálcio em pessoas com menos de 35 anos podem melhorar significativamente os níveis de densidade mineral óssea total do corpo e do colo do fêmur6 e aumentar ligeiramente a densidade mineral óssea do colo do fêmur6, total do corpo e da coluna lombar.

Essa melhora foi mais pronunciada em pessoas com idades entre 20 e 35 anos (a idade do peri-pico da massa óssea, em que a massa óssea se estabiliza) em comparação com aquelas com menos de 20 anos (a idade do pré-pico da massa óssea).

A professora Joan Marie Lappe, Ph.D., reitora associada do College of Nursing Research no Osteoporosis Research Center da Creighton University nos EUA, não envolvida no estudo, explicou as descobertas:

“Pessoas mais jovens precisam de ingestão adequada de cálcio para construir e manter ossos fortes. Na análise, foram incluídos estudos tanto de suplementos de cálcio quanto de cálcio na dieta. O cálcio dietético é a melhor fonte, mas os suplementos devem ser tomados conforme necessário para atingir o nível de ingestão recomendado.”

Saiba mais sobre "Osteoporose1", "Densitometria7 óssea" e "Fratura8 óssea".

Os pesquisadores descobriram que ambas as fontes dietéticas de cálcio e a suplementação9 de cálcio tiveram efeitos positivos na densidade mineral óssea geral, mas as medições da densidade mineral óssea do colo do fêmur6 e da coluna lombar só melhoraram após a suplementação9 de cálcio.

Lappe observou que “pesquisas anteriores e a fisiologia10 do cálcio humano nos informam que, sem a ingestão adequada de cálcio, o corpo retira cálcio do osso para ser usado em outras funções vitais”.

“A pesquisa também mostra que o pico de massa óssea é o melhor preditor de fraturas osteoporóticas em idosos. Assim, atingir o pico de massa máximo fornece proteção contra a osteoporose”, disse Lappe.

Os pesquisadores notaram algumas limitações no estudo. Por exemplo, eles não compararam claramente a diferença entre homens e mulheres devido às limitações dos dados existentes (alguns estudos forneceram dados mesclados de homens e mulheres).

Eles também observaram que poucos dos estudos incluídos na análise se concentraram na faixa etária de 20 a 35 anos. Apenas três estudos preencheram os critérios de inclusão para essa faixa etária, o que significa que uma alta porcentagem de participantes eram adolescentes. Com isso, justifica-se, portanto, mais estudos para investigar a faixa etária de 20 a 35 anos para ajudar a consolidar esses achados.

Os pesquisadores destacam que, embora o número de estudos na faixa etária de 20 a 35 anos tenha sido pequeno, sua evidência foi de alta qualidade e os resultados foram estáveis, especialmente no colo do fêmur6.

Com base nesta pesquisa, pessoas com mais de 35 anos podem se perguntar se é tarde demais para iniciar suplementos de cálcio. Em resposta a esta importante pergunta, a Prof. Lappe observou: “nunca é tarde demais”.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que o efeito da suplementação9 de cálcio na acreção mineral óssea em pessoas com menos de 35 anos é inconclusivo. O objetivo do estudo, portanto, foi resumir de forma abrangente as evidências do efeito da suplementação9 de cálcio na acreção mineral óssea em populações jovens (≤35 anos).

Foi realizada uma revisão sistemática e metanálise. Os bancos de dados Pubmed, Embase, ProQuest, CENTRAL, WHO Global Index Medicus, Clinical Trials.gov, WHO ICTRP, China National Knowledge Infrastructure (CNKI) e Wanfang Data foram sistematicamente pesquisados desde o início do banco de dados até 25 de abril de 2021. Foram selecionados ensaios clínicos4 randomizados avaliando os efeitos da suplementação9 de cálcio na densidade mineral óssea (DMO) ou no conteúdo mineral ósseo (CMO) em pessoas com menos de 35 anos.

Esta revisão sistemática e metanálise identificou 43 estudos envolvendo 7.382 indivíduos. A certeza moderada das evidências mostrou que a suplementação9 de cálcio estava associada ao aumento de DMO e CMO, especialmente no colo do fêmur6 (diferença média padronizada [DMP] 0,627, intervalo de confiança [IC] de 95% 0,338-0,915; DMP 0,364, IC 95% 0,134-0,595; respectivamente) e total do corpo (DMP 0,330, IC 95% 0,163-0,496; DMP 0,149, IC 95% 0,006-0,291), também com um leve efeito de melhora no CMO da coluna lombar (DMP 0,163, IC 95% 0,008-0,317).

Não foram observados efeitos na DMO e no CMO total do quadril e na DMO da coluna lombar. De modo muito interessante, as análises de subgrupo sugeriram que a melhora do osso no colo do fêmur6 foi mais pronunciada na população de massa óssea peri-pico (20-35 anos) do que na população pré-pico (<20 anos).

Essas descobertas fornecem novas ideias e evidências sobre a suplementação9 de cálcio, mostrando que a suplementação9 de cálcio melhora significativamente a massa óssea, o que implica que a suplementação9 preventiva de cálcio antes ou perto de atingir o pico de massa óssea pode ser uma mudança na janela de intervenção para a osteoporose1.

Leia sobre "Prevenção da osteoporose1", "Fratura8 do colo do fêmur6" e "Suplementos alimentares - devemos usá-los?"

 

Fontes:
eLife, publicação em 27 de setembro de 2022.
Medical News Today, notícia publicada em 30 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Suplementos de cálcio para adultos com menos de 35 anos melhoram a densidade mineral óssea. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427210/suplementos-de-calcio-para-adultos-com-menos-de-35-anos-melhoram-a-densidade-mineral-ossea.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Colo do Fêmur: Porção comprimida do osso da coxa entre cabeça do fêmur e trocanter.
7 Densitometria: Medição de densidade óptica em chapas fotográficas.
8 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
9 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
10 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
Gostou do artigo? Compartilhe!