Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisas revelam que o câncer está repleto de bactérias e fungos, fornecendo uma nova abordagem para detectar tumores

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Procure uma imagem de um tumor1 na internet e você provavelmente terminará com um aglomerado de células2 cancerígenas de cores vivas em um fundo monótono de tecido3 saudável. Mas para Lian Narunsky Haziza, bióloga de câncer4 do Weizmann Institute of Science, em Israel, a imagem parece muito diferente. Um tumor1 também pode conter milhões de micróbios, representando dezenas de espécies.

“Acho que isso é um ecossistema”, disse ela. “Isso significa que as células2 cancerosas não estão sozinhas.”

Os cientistas sabem há muito tempo que nossos corpos abrigam micróbios, mas tendem a tratar os tumores como se fossem estéreis. Nos últimos anos, no entanto, os pesquisadores deixaram essa noção de lado, demonstrando que os tumores estão repletos de micróbios.

Em 2020, várias equipes de pesquisa mostraram que os tumores abrigam várias misturas de bactérias. E agora dois estudos, publicados na revista Cell, descobriram que os tumores também abrigam muitas espécies de fungos.

Esse chamado microbioma5 tumoral está se mostrando tão distinto em cada tipo de câncer4 que alguns cientistas esperam encontrar sinais6 precoces de tumores ocultos medindo o DNA microbiano que eles derramam no sangue7. E algumas pesquisas sugerem que os micróbios podem tornar os tumores mais agressivos ou resistentes aos tratamentos. Se for esse o caso, pode ser possível combater o câncer4 atacando o microbioma5 de um tumor1 junto com o próprio tumor1.

“Precisamos reavaliar quase tudo o que sabemos sobre câncer4 através das lentes do microbioma5 tumoral”, disse Ravid Straussman, biólogo de câncer4 da Weizmann que colaborou com a Dra. Narunsky Haziza em um dos novos estudos.

Saiba mais sobre "Câncer4: o que é", "O que são bactérias" e "Fungos: como são".

Em um dos novos estudos, análises pan-câncer4 revelam ecologias fúngicas8 específicas do tipo de câncer4 e interações de bacteriomas.

Os pesquisadores destacam alguns achados:

  • Fungos foram detectados em 35 tipos de câncer4 e muitas vezes eram intracelulares.
  • Múltiplas ecologias fúngicas8-bacterianas-imunes foram detectadas em todos os tumores.
  • Fungos intratumorais estratificaram os resultados clínicos, incluindo resposta à imunoterapia.
  • DNA fúngico9 livre de células2 diagnosticou pacientes saudáveis e com câncer4 em estágio inicial da doença.

As associações câncer4-micróbios têm sido exploradas há séculos, mas os fungos associados ao câncer4 raramente foram examinados. Neste estudo, caracterizou-se de forma abrangente o micobioma do câncer4 em 17.401 amostras de tecido3, sangue7 e plasma10 de pacientes em 35 tipos de câncer4 em quatro coortes independentes.

Relatou-se DNA e células2 fúngicas8 em baixa abundância em muitos dos principais cânceres humanos, com diferenças nas composições da comunidade que diferem entre os tipos de câncer4, mesmo levando em consideração o histórico técnico.

A coloração histológica11 fúngica12 de microarranjos de tecido3 confirmou a presença intratumoral e a associação espacial frequente com células2 cancerígenas e macrófagos13. A comparação de comunidades fúngicas8 intratumorais com bacteriomas e imunomas combinados revelou ecologias de dois domínios concomitantes, muitas vezes com microambientes permissivos, em vez de competitivos, e respostas imunes distintas.

Avaliações clinicamente focadas sugeriram capacidades prognósticas e diagnósticas dos micobiomas teciduais e plasmáticos, mesmo em cânceres em estágio I, e desempenho preditivo sinérgico com bacteriomas.

 

No outro estudo, uma análise pan-câncer4 de micobioma revela envolvimento fúngico9 em tumores gastrointestinais e pulmonares.

Os pesquisadores destacam alguns achados:

  • Uma análise pan-câncer4 revela que amostras humanas abrigam micobiota associada ao tumor1.
  • A análise da cobertura do genoma fúngico9 remove a contaminação e os alinhamentos falso-positivos.
  • A Candida viva e transcricionalmente ativa está associada a cânceres gastrointestinais.
  • O DNA da Candida é enriquecido em tumores e preditivo de sobrevida14 reduzida em cânceres gastrointestinais.

Os microrganismos fúngicos15 (micobiota) compreendem um componente pequeno, mas imunorreativo do microbioma5 humano, mas pouco se sabe sobre seu papel nos cânceres humanos. A análise pan-câncer4 de vários locais do corpo revelou micobiomas associados ao tumor1 em até 1 célula16 fúngica12 por 104 células2 tumorais.

No câncer4 de pulmão17, Blastomyces foi associado a tecidos tumorais. Em cânceres de estômago18, altas taxas de Candida foram ligadas à expressão de vias imunes pró-inflamatórias, enquanto em cânceres de cólon19 Candida foi preditiva de doença metastática20 e aderências celulares atenuadas.

Em vários locais do trato gastrointestinal, várias espécies de Candida foram enriquecidas em amostras de tumor1 e o DNA de Candida associado ao tumor1 foi preditivo de diminuição da sobrevida14.

A presença de Candida em tumores gastrointestinais humanos foi confirmada por sequenciamento externo do espaçador interno transcrito de amostras tumorais e por análise dependente de cultura em uma coorte21 independente.

Esses dados implicam a micobiota na patogênese22 dos cânceres gastrointestinais e sugerem que o DNA fúngico9 associado ao tumor1 pode servir como biomarcadores diagnósticos ou prognósticos.

Leia sobre "Microbioma5 intestinal humano" e "Distinção entre tumores benignos e malignos".

 

Fontes:
Cell, Vol. 185, Nº 20, em 29 de setembro de 2022.
Cell, Vol. 185, Nº 20, em 29 de setembro de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 29 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Pesquisas revelam que o câncer está repleto de bactérias e fungos, fornecendo uma nova abordagem para detectar tumores. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427075/pesquisas-revelam-que-o-cancer-esta-repleto-de-bacterias-e-fungos-fornecendo-uma-nova-abordagem-para-detectar-tumores.htm>. Acesso em: 3 fev. 2023.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
9 Fúngico: Relativo à ou produzido por fungo.
10 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
11 Histológica: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
12 Fúngica: Relativa à ou produzida por fungo.
13 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
14 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
15 Fúngicos: Relativos à ou produzidos por fungo.
16 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
17 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
18 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
19 Cólon:
20 Doença metastática: Câncer que se espalhou do seu local de origem a outras partes do organismo.
21 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
22 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
Gostou do artigo? Compartilhe!