Gostou do artigo? Compartilhe!

Tamiflu precoce foi associado a melhores resultados para crianças hospitalizadas por gripe

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso precoce de oseltamivir (Tamiflu) em crianças hospitalizadas com influenza1 foi associado a melhores resultados, de acordo com uma análise multicêntrica ponderada por escore de propensão publicada no JAMA Pediatrics.

Entre mais de 55.000 crianças, o tratamento com oseltamivir na chegada ou no dia 1 foi associado a um menor tempo de permanência em comparação com o tratamento no dia 2 ou posterior ou nenhum (mediana de 3 vs 4 dias), relataram Patrick S. Walsh, MD, do Medical College of Wisconsin, e colegas.

O tratamento precoce também foi associado a menores chances de readmissão em 7 dias (3,5% vs 4,8%), transferência tardia para a unidade de terapia intensiva2 (2,4% vs 5,5%), e do resultado composto de morte ou uso de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO) (0,9% vs 1,4%,).

Leia sobre "Gripe3: o que é" e "O que são vírus4".

“Nossos dados apoiam as recomendações atuais da Academia Americana de Pediatria e da Sociedade de Doenças Infecciosas da América para o uso de oseltamivir no início do curso da doença por influenza1 em crianças hospitalizadas”, escreveram Walsh e sua equipe.

Um estudo anterior realizado durante a pandemia5 de influenza1 A H1N1 mostrou um benefício com inibidores de neuraminidase em adultos, mas não em crianças, explicaram. Além disso, estudos observacionais anteriores “foram identificados como tendo um alto risco de viés”.

Isso pode explicar por que 33% das crianças na coorte6 atual não receberam oseltamivir durante a hospitalização e apenas 7% foram tratadas mais tarde na hospitalização, disseram eles.

Em análises de sensibilidade comparando qualquer oseltamivir versus nenhum oseltamivir, o medicamento foi associado a menor tempo de permanência e menor chance de reinternação em 7 dias naqueles tratados com oseltamivir tardio, mas não houve associação com transferências tardias para UTI ou morte ou uso de ECMO.

“O que nossas descobertas podem acrescentar a essa literatura é que a redução na duração da doença parece se aplicar a doenças graves, além de doenças leves, e independe de onde os cuidados são prestados”, observaram Walsh e sua equipe. “Na verdade, o grupo com maior redução no tempo de permanência em nosso estudo foram os pacientes inicialmente admitidos na UTI”.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que o oseltamivir é recomendado para todas as crianças hospitalizadas com influenza1, apesar das evidências limitadas que apoiam seu uso no ambiente de internação.

O objetivo do estudo, portanto, foi determinar se o uso precoce de oseltamivir está associado a melhores resultados em crianças hospitalizadas com influenza1.

Este estudo retrospectivo7 multicêntrico incluiu 55.799 crianças menores de 18 anos que foram hospitalizadas com influenza1 de 1º de outubro de 2007 a 31 de março de 2020, em 36 hospitais pediátricos terciários que participam do banco de dados do Pediatric Health Information System. Os dados foram analisados de janeiro de 2021 a março de 2022.

A exposição do estudo foi o tratamento precoce com oseltamivir, definido como uso de oseltamivir no dia 0 ou 1 de hospitalização.

O desfecho primário foi o tempo de permanência (TP) hospitalar em dias corridos. Os desfechos secundários incluíram readmissão hospitalar em 7 dias, transferência tardia (2º dia de hospitalização ou posterior) para unidade de terapia intensiva2 (UTI) e um desfecho composto de morte hospitalar ou uso de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO).

A probabilidade inversa de ponderação de tratamento (PIPT) com base na pontuação de propensão foi usada para abordar a confusão por indicação. Modelos de efeitos mistos foram usados para comparar os resultados entre crianças que receberam e não receberam tratamento precoce com oseltamivir. Os resultados também foram comparados dentro de subgrupos de alto risco com base na idade, presença de uma condição crônica complexa, doença crítica precoce e história de asma8.

A análise incluiu 55.799 atendimentos de 36 hospitais. A idade mediana (IQR) da coorte6 foi de 3,61 anos (1,03-8,27); 56% eram do sexo masculino e 44% do sexo feminino. Um total de 33.207 pacientes (59,5%) receberam oseltamivir precocemente.

Em modelos ponderados por escore de propensão, descobriu-se que crianças tratadas com oseltamivir precoce tiveram TP mais curto (mediana de 3 vs 4 dias; razão do modelo de PIPT, 0,52; IC 95%, 0,52-0,53) e menores chances de readmissão hospitalar em 7 dias por todas as causas (3,5% vs 4,8%; odds ratio ajustado [aOR], 0,72; IC 95%, 0,66-0,77), transferência tardia para a UTI (2,4% vs 5,5%; aOR, 0,41; IC 95%, 0,37-0,46) e do desfecho composto de morte ou uso de ECMO (0,9% vs 1,4%; aOR, 0,63; IC 95%, 0,54-0,73).

O uso precoce de oseltamivir em crianças hospitalizadas foi associado a menor tempo de internação e menor chance de reinternação em 7 dias, transferência para UTI, uso de ECMO e óbito9. Esses achados apoiam as recomendações atuais para o uso de oseltamivir em crianças hospitalizadas com influenza1.

Veja também sobre "Doenças respiratórias", "Vacina10 da gripe3" e "Calendário de Vacinação".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 19 de setembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 19 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Tamiflu precoce foi associado a melhores resultados para crianças hospitalizadas por gripe. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1426515/tamiflu-precoce-foi-associado-a-melhores-resultados-para-criancas-hospitalizadas-por-gripe.htm>. Acesso em: 2 dez. 2022.

Complementos

1 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
2 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
3 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
7 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
8 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
9 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
10 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!