Gostou do artigo? Compartilhe!

Concepção com tecnologia de reprodução assistida foi associada ao câncer infantil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças concebidas por meio de tecnologia de reprodução1 assistida (TRA) podem ter um risco maior de desenvolver câncer2 infantil, sugeriu um estudo de coorte3 populacional de Taiwan, publicado no JAMA Network Open.

Em mais de 14,9 milhões de pessoas-ano de acompanhamento, a concepção4 por TRA foi associada a um risco aumentado de qualquer tipo de câncer2 infantil em comparação com a concepção4 natural e com a subfertilidade com concepção4 sem TRA.

O risco aumentado de câncer2 para crianças concebidas com TRA foi principalmente devido a leucemias e tumores hepáticos, com risco aumentado associado para leucemias e tumores hepáticos em comparação com a concepção4 natural após o ajuste para fatores de confusão. A TRA também foi associada a maiores riscos para esses cânceres quando comparada com subfertilidade sem TRA.

“Nossas descobertas sugerem que os casais que procuram tratamento com TRA precisam ser informados sobre o baixo, mas significativamente aumentado risco de câncer2 infantil”, escreveram os pesquisadores. “Os profissionais de saúde5 devem coletar informações sobre o modo de concepção4 e acompanhar as crianças concebidas por meio de TRA para detecção precoce de câncer2 infantil”.

Saiba mais sobre "Câncer2 infantil", "Reprodução1 assistida" e "Fertilização6 in vitro".

Em um comentário que acompanhou a publicação do estudo, Marie Hargreave, PhD, do Centro de Pesquisa da Sociedade Dinamarquesa do Câncer2 em Copenhague, observou que outros estudos também relataram associações com outros cânceres, como neuroblastomas, tumores do sistema nervoso central7, sarcomas e retinoblastomas.

“A consistência nas descobertas para os tipos de câncer2 infantil fortaleceria a evidência de uma associação da TRA com o desenvolvimento de câncer2 em crianças, porque diferentes tipos de câncer2 provavelmente têm etiologias diferentes”, escreveu ela. “No entanto, a investigação de diferentes tipos de câncer2 infantil é dificultada por sua raridade, exigindo estudos grandes ou colaborativos”.

Além disso, dado que existe uma associação entre TRA e câncer2 infantil, “que parte da TRA transmite o risco?” Hargreave continuou. “Se o aumento do risco está associado a procedimentos específicos de TRA, certos medicamentos para fertilidade ou a infertilidade8 subjacente dos pais ainda deve ser investigado e será importante para aprofundar a compreensão e possível prevenção do câncer2 em crianças”.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que o número de crianças nascidas através do uso de tecnologia de reprodução1 assistida (TRA) tem aumentado. Essas crianças podem apresentar maiores riscos de alteração epigenética e desfechos perinatais adversos, que podem estar associados a cânceres infantis.

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi determinar as associações entre diferentes modos de concepção4 e câncer2 infantil e potencial mediação por parto prematuro e baixo peso ao nascer.

Este estudo de coorte3 nacional de base populacional incluiu dados de registros de 2.308.016 tríades pais-filhos elegíveis em Taiwan de 1º de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2017. Um total de 1.880 crianças com câncer2 infantil incidente9 foi identificado. Os dados foram analisados entre 1º de setembro de 2020 e 30 de junho de 2022.

A exposição do estudo foi o modo de concepção4, definido como:

  1. Concepção4 natural
  2. Subfertilidade sem TRA (ou seja, diagnóstico10 de infertilidade8, mas sem concepção4 facilitada por TRA)
  3. TRA (ou seja, diagnóstico10 de infertilidade8 e concepção4 facilitada por TRA).

O principal desfecho foi diagnóstico10 de câncer2 infantil de acordo com a Classificação Internacional de Câncer2 Infantil, Terceira Edição.

A média (DP) das idades paterna e materna foi de 33,28 (5,07) e 30,83 (4,56) anos, respectivamente. Das 2.308.016 crianças, 52,06% eram meninos, 8,16% nasceram prematuros e 7,38% tiveram baixo peso ao nascer.

Durante 14,9 milhões de pessoas-ano de acompanhamento (mediana, 6 anos [IQR, 3-10 anos]), a concepção4 por TRA foi associada a um risco aumentado de qualquer tipo de câncer2 infantil em comparação com a concepção4 natural (hazard ratio, 1,58; IC 95%, 1,17-2,12) e com a subfertilidade com concepção4 sem TRA (hazard ratio, 1,42; 95% CI, 1,04-1,95).

O aumento do risco de câncer2 de crianças concebidas com TRA foi principalmente devido à leucemia11 e ao tumor12 hepático. O aumento do risco de câncer2 associado à concepção4 por TRA não foi mediado por parto prematuro ou baixo peso ao nascer.

Neste estudo de coorte3, as crianças concebidas por tecnologia de reprodução1 assistida apresentaram maior risco de câncer2 infantil do que aquelas concebidas naturalmente e aquelas nascidas de pais com diagnóstico10 de infertilidade8 que não usaram TRA.

Leia sobre "Alguns conceitos ligados à reprodução1 humana" e "Diferença entre infertilidade8 e esterilidade13".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 31 de agosto de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 31 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Concepção com tecnologia de reprodução assistida foi associada ao câncer infantil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1425060/concepcao-com-tecnologia-de-reproducao-assistida-foi-associada-ao-cancer-infantil.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Concepção: O início da gravidez.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Fertilização: Contato entre espermatozóide e ovo, determinando sua união.
7 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
8 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
9 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
12 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
13 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
Gostou do artigo? Compartilhe!