Gostou do artigo? Compartilhe!

Polipílula demonstra benefício para a proteção cardíaca pós infarto do miocárdio

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A combinação de aspirina, um inibidor da ECA e uma estatina em uma única “polipílula” melhorou os resultados cardiovasculares na prevenção secundária em comparação com a prescrição dos medicamentos separadamente, mostrou o estudo randomizado1 SECURE, publicado no The New England Journal of Medicine.

A polipílula reduziu o risco composto primário de morte cardiovascular, infarto2 agudo3 do miocárdio4 tipo 1 não fatal, acidente vascular cerebral5 isquêmico6 não fatal e revascularização urgente em 24% em relação aos cuidados usuais, com uma taxa de 9,5% versus 12,7%, respectivamente. Os resultados foram relatados por Valentin Fuster, MD, PhD, da Icahn School of Medicine at Mount Sinai, em Nova York, durante o Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC).

Observar apenas os desfechos secundários sem revascularização também favoreceu a polipílula (8,2% vs 11,7%).

Leia sobre "Doenças cardiovasculares7" e "Polifarmácia".

“O uso de uma polipílula cardiovascular como substituta de vários medicamentos cardiovasculares separados pode ser parte integrante de uma estratégia eficaz de prevenção secundária”, escreveram Fuster e colegas em seu estudo.

“Ao simplificar a complexidade do tratamento e melhorar a disponibilidade, o uso de uma polipílula é uma estratégia amplamente aplicável para melhorar a acessibilidade e a adesão ao tratamento, diminuindo assim o risco de doença recorrente e morte cardiovascular”, acrescentaram.

O estudo não mostrou muita diferença entre os grupos na pressão arterial8 ou nos níveis de colesterol9 LDL10; em vez disso, os pesquisadores atribuíram as diferenças a uma melhor adesão levando a uma maior exposição antiplaquetária, talvez junto com os efeitos pleiotrópicos das estatinas e inibidores da ECA além dessas medidas.

O estudo foi consistente com o estudo NEPTUNO com correspondência de propensão, que mostrou uma redução de 27% no risco de eventos cardiovasculares adversos maiores com uma polipílula semelhante em um cenário de prevenção secundária, o que também foi atribuído à maior persistência da medicação.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que uma polipílula que inclui os principais medicamentos associados a melhores resultados (aspirina, inibidor da enzima11 conversora de angiotensina [ECA] e estatina) foi proposta como uma abordagem simples para a prevenção secundária de morte cardiovascular e complicações após infarto do miocárdio12.

Neste ensaio clínico randomizado13 e controlado de fase 3, pacientes com infarto do miocárdio12 nos 6 meses anteriores foram atribuídos a uma estratégia baseada em polipílulas ou a cuidados usuais. O tratamento com polipílula consistiu em aspirina (100 mg), ramipril (2,5, 5 ou 10 mg) e atorvastatina (20 ou 40 mg).

O desfecho composto primário foi morte cardiovascular, infarto do miocárdio12 tipo 1 não fatal, acidente vascular cerebral5 isquêmico6 não fatal ou revascularização urgente. O desfecho secundário principal foi um composto de morte cardiovascular, infarto do miocárdio12 tipo 1 não fatal ou acidente vascular cerebral5 isquêmico6 não fatal.

Um total de 2.499 pacientes foram randomizados e acompanhados por uma média de 36 meses. Um evento de desfecho primário ocorreu em 118 de 1.237 pacientes (9,5%) no grupo de polipílula e em 156 de 1.229 (12,7%) no grupo de cuidados usuais (taxa de risco, 0,76; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,60 a 0,96; P = 0,02).

Um evento de desfecho secundário principal ocorreu em 101 pacientes (8,2%) no grupo de polipílula e em 144 (11,7%) no grupo de cuidados usuais (taxa de risco, 0,70; IC 95%, 0,54 a 0,90; P = 0,005).

Os resultados foram consistentes em todos os subgrupos pré-especificados. A adesão à medicação relatada pelos pacientes foi maior no grupo da polipílula do que no grupo de cuidados usuais. Os eventos adversos foram semelhantes entre os grupos.

O estudo concluiu que o tratamento com uma polipílula contendo aspirina, ramipril e atorvastatina dentro de 6 meses após o infarto do miocárdio12 resultou em um risco significativamente menor de eventos cardiovasculares adversos maiores do que o tratamento usual.

Veja também sobre "Estatinas: prós e contras", "Mecanismos de ação dos anti-hipertensivos" e "Terapia antiplaquetária".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 26 de agosto de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 26 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Polipílula demonstra benefício para a proteção cardíaca pós infarto do miocárdio. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1424640/polipilula-demonstra-beneficio-para-a-protecao-cardiaca-pos-infarto-do-miocardio.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
3 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
4 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
7 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
8 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
9 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
10 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
11 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
12 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
13 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
Gostou do artigo? Compartilhe!