Gostou do artigo? Compartilhe!

A combinação de duas terapias direcionadas melhora a taxa de resposta em gliomas pediátricos de baixo grau

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo, publicado no Journal of Clinical Oncology, descobriu que a combinação das terapias direcionadas dabrafenibe e trametinibe melhorou consideravelmente a taxa de resposta global (TRG) em pacientes pediátricos com gliomas de baixo grau positivos para mutação1 BRAF V600.

A TRG de dabrafenibe e trametinibe foi comparada à TRG da combinação de quimioterapia2 usual de carboplatina e vincristina.

A Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) disse: “Os achados secundários mostraram uma taxa de benefício clínico melhorada e sobrevida3 livre de progressão prolongada para dabrafenibe mais trametinibe em comparação com carboplatina mais vincristina”.

Em crianças, os tumores mais comuns são os tumores do sistema nervoso central4, com uma expectativa de 4.170 novos casos de tumores cerebrais infantis sendo diagnosticados nos Estados Unidos em 2022. Cerca de 50% desses 4.170 casos serão gliomas.

Nem sempre é possível que os gliomas pediátricos de baixo grau sejam removidos cirurgicamente, devido à sua localização, e pacientes com doença residual, progressiva ou recorrente geralmente precisam de terapia sistêmica. Apesar de uma taxa de sobrevida3 de cinco anos de cerca de 95% usando as abordagens de tratamento existentes, ainda há uma probabilidade de progressão do tumor5, com vários pacientes precisando de várias linhas de tratamento.

A mutação1 BRAF V600 é identificada em aproximadamente 15 a 20 por cento dos casos de gliomas de baixo grau e pode estar associada a um maior risco de progressão para glioma de alto grau. No início do estudo, os pesquisadores observaram que o uso do padrão de tratamento existente pode resultar em piores resultados para pacientes6 com a mutação1 BRAF V600 em comparação com aqueles sem tal mutação1.

Leia sobre "Câncer7 infantil" e "Tumores cerebrais".

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que a combinação de dabrafenibe mais trametinibe (dab + tram) mostrou eficácia encorajadora em um estudo de Fase I/II em pacientes com glioma pediátrico de baixo grau (GpBG) com a mutação1 BRAF V600 previamente tratado.

Agora, eles descrevem os resultados de um estudo randomizado8 de Fase II de dab + tram vs carboplatina mais vincristina (C + V) como tratamento de primeira linha no GpBG com mutação1 BRAF V600.

Pacientes de 1 a <18 anos com gliomas positivos para mutação1 BRAF V600 e status de desempenho de Karnofsky/Lansky ≥50% foram incluídos. Na coorte9 de GpBG, pacientes com doença progressiva após cirurgia ou pacientes não cirúrgicos que requerem tratamento sistêmico10 foram randomizados (2:1) para receber dabrafenibe duas vezes ao dia (<12 anos, 5,25 mg/kg/d; ≥12 anos, 4,5 mg/kg /d) + trametinibe uma vez ao dia (<6 anos, 0,032 mg/kg/d; ≥6 anos, 0,025 mg/kg/d) ou C + V (dosagem padrão).

O desfecho primário foi a taxa de resposta global (TRG; revisão independente, critérios RANO). Os desfechos secundários incluíram TRG avaliada pelo investigador, taxa de benefício clínico (TBC), duração da resposta, tempo de resposta, sobrevida3 livre de progressão (SLP), sobrevida3 global e segurança.

Um total de 110 pacientes foram randomizados para receber dab + tram (n = 73) ou C + V (n = 37); 4 pacientes no braço C + V se retiraram do estudo antes do tratamento. As características basais foram bem equilibradas entre os braços de tratamento.

No corte de dados (23 de agosto de 2021; acompanhamento médio, 18,9 meses), 61 pacientes (84%) no braço dab + tram e 8 (22%) no braço C + V permaneceram em tratamento; no braço C + V, 9 completaram o tratamento planejado e 16 descontinuaram antes da conclusão.

O desfecho primário foi atendido: a TRG avaliada independentemente (resposta completa [RC] + resposta parcial [RP]) foi de 47% (IC 95%, 35%-59%) com dab + tram vs 11% (IC 95%, 3%-25%) com C + V (P <0,001; odds ratio, 7,2 [IC 95%, 2,3-22,4]), e a taxa de benefício clínico (RC+RP+DP ≥24 semanas) foi de 86% (IC 95%, 76%-93%) vs 46% (IC 95%, 30%-63%).

A SLP mediana foi de 20,1 meses (IC 95%, 12,8 meses não estimável) com dab + tram vs 7,4 meses (IC 95%, 3,6-11,8 meses) com C + V (P <0,001; HR, 0,31 [IC 95%, 0,17-0,55]); as taxas de Kaplan-Meier de 12 meses da SLP foram de 67% vs 26%.

Não houve mortes no braço dab + tram e 1 no braço C + V devido ao GBG. Pacientes no braço dab + tram tiveram menos eventos adversos de grau ≥3 (EAs; 47% vs 94%) e menos descontinuações devido a EAs (4% vs 18%) do que pacientes no braço C + V. Os EAs mais frequentes nos braços dab + tram vs quimioterapia2 foram pirexia11 (68% vs 18%), dor de cabeça12 (47% vs 27%) e vômitos13 (34% vs 48%).

O estudo concluiu que a dabrafenibe mais trametinibe aumentou significativamente a taxa de resposta global e a taxa de benefício clínico e prolongou a sobrevida3 livre de progressão em comparação com carboplatina mais vincristina em pacientes com glioma pediátrico de baixo grau positivo para mutação1 BRAF V600.

Esses resultados encorajadores e o perfil de segurança tolerável sugerem que dab + tram pode ser uma opção promissora de tratamento sistêmico10 de primeira linha para essa população de pacientes.

O principal autor do estudo, Eric Bouffet, MD, afirmou que “isso representa um avanço importante para os pacientes mais jovens com câncer7 no cérebro14, pois esta é a primeira combinação de terapias direcionadas desenvolvida para pacientes6 a partir de um ano de idade”.

Veja também sobre "Quimioterapia2" e "É possível acabar com o câncer7?"

 

Fontes:
Journal of Clinical Oncology, publicação em 08 de junho de 2022.
Oncology News Today, notícia publicada em 23 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. A combinação de duas terapias direcionadas melhora a taxa de resposta em gliomas pediátricos de baixo grau. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1423415/a-combinacao-de-duas-terapias-direcionadas-melhora-a-taxa-de-resposta-em-gliomas-pediatricos-de-baixo-grau.htm>. Acesso em: 2 dez. 2022.

Complementos

1 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
4 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
5 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
11 Pirexia: Sinônimo de febre. É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
12 Cabeça:
13 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
14 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!