Gostou do artigo? Compartilhe!

Dois adoçantes artificiais, sacarina e sucralose, podem aumentar o açúcar no sangue

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo publicado na revista Cell descobriu que os adoçantes artificiais sacarina1 e sucralose aumentam os níveis de açúcar2 no sangue3, apesar de que se pensava que eles não tinham esse efeito. Isso pode estar relacionado às mudanças que os adoçantes induzem no microbioma4 intestinal.

Esses adoçantes são uma alternativa ao açúcar2 para pessoas com condições metabólicas, como diabetes5, ou para quem deseja perder peso, pois são mais de 200 vezes mais doces que o açúcar2 e contêm poucas ou zero calorias6.

Jotham Suez, da Universidade Johns Hopkins, e seus colegas testaram os efeitos que quatro substitutos do açúcar2 têm sobre o açúcar2 no sangue3 em 120 adultos em Israel sem condições de saúde7 subjacentes. Os participantes relataram que não consumiram adoçantes de baixa caloria8 durante os seis meses anteriores ao estudo.

Eles foram então divididos em seis grupos e receberam pacotes de 1 grama9 de adoçantes. Durante duas semanas, os participantes de quatro desses grupos consumiram dois pacotes três vezes ao dia de aspartame10, sucralose, sacarina1 ou estévia dissolvidos em água. Todos os pacotes de adoçantes continham pelo menos 96% de glicose11, pois os adoçantes são tão potentes que apenas uma pequena quantidade é necessária – a glicose11 é usada como agente de volume para que os adoçantes possam ser embalados. A dose diária total de cada adoçante estava abaixo da ingestão diária aceita determinada pela Food and Drug Administration dos EUA. Um quinto grupo consumiu quantidades equivalentes de glicose11 em pó durante o mesmo período e o último grupo não recebeu nenhum suplemento.

Todos os participantes usaram monitores contínuos de açúcar2 no sangue3 durante todo o estudo e por uma semana antes e depois. Em nove pontos do estudo, os participantes completaram um teste de tolerância à glicose11, que mede a eficácia com que o corpo controla os níveis de açúcar2 no sangue3 depois de consumir glicose11.

Leia sobre "Adoçantes: prós e contras", "Comportamento da glicose11 no sangue3" e "O que afeta o comportamento da glicemia12".

Em média, os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiram sacarina1 e sucralose tiveram picos significativos de açúcar2 no sangue3 após os testes de tolerância à glicose11. O açúcar2 no sangue3 permaneceu estável ou até diminuiu ligeiramente em todos os outros grupos, mesmo naqueles que consomem glicose11 diariamente – sugerindo que não é a glicose11 nos pacotes de adoçante que está aumentando os níveis de açúcar2 no sangue3, diz Suez.

Embora seja esperado um aumento no açúcar2 no sangue3 após a ingestão de glicose11, as pessoas com uma resposta prejudicada ao açúcar2 no sangue3 têm um aumento maior nos níveis de glicose11 e esses níveis permanecem elevados por mais tempo, diz ele.

Suez e sua equipe também analisaram amostras diárias de fezes e saliva dos participantes e descobriram que todos os quatro adoçantes alteraram significativamente a abundância, atividade e tipos de bactérias no intestino e na boca13. Eles também coletaram amostras de sangue3 semanais e encontraram alterações correspondentes nos metabólitos14, ou moléculas que são subprodutos da digestão15.

Algumas das alterações nos metabólitos14 sanguíneos observadas nos grupos de sacarina1 e sucralose também são observadas em pessoas com diabetes5 ou doenças vasculares16. Alguns estavam em vias conhecidas por desempenhar um papel na quebra de açúcares.

Os pesquisadores também transplantaram amostras de fezes de pessoas que comem sacarina1, sucralose, glicose11 e nenhum suplemento no trato digestivo de camundongos e descobriram que os transplantes dos grupos sacarina1 e sucralose resultaram em um aumento no açúcar2 no sangue3 do camundongo após uma refeição.

Isso sugere que foram as mudanças microbianas que levaram a esse resultado, diz Suez. “Os adoçantes em si não aumentam a glicose11 no sangue”, diz ele, mas parecem prejudicar a capacidade do corpo de gerenciar os níveis de glicose11 depois de comer por meio de mecanismos mediados pelo microbioma4.

No entanto, os efeitos sobre a saúde7 dessas alterações microbianas e metabólicas ainda são desconhecidos. Suez espera que testes futuros ajudem a desvendar essas relações.

Alice Lichtenstein, da Universidade Tufts, diz que estudos mais longos são necessários para determinar se a elevação observada no açúcar2 no sangue3 é suficiente para causar problemas de saúde7.

“Definitivamente, não estamos dizendo para mudar para bebidas adoçadas com açúcar2, que estão sem dúvidas associadas a doenças metabólicas”, diz Suez. “Eu diria que se as pessoas podem mudar para a água, essa é sempre a melhor opção.”

No artigo publicado, os pesquisadores relatam os efeitos personalizados orientados pelo microbioma4 de adoçantes não nutritivos na tolerância humana à glicose11.

Eles contextualizam que os adoçantes não nutritivos (ANN) são comumente integrados à dieta humana e presumivelmente inertes; no entanto, estudos em animais sugerem que eles podem afetar o microbioma4 e as respostas glicêmicas posteriores.

Portanto, avaliou-se causalmente os impactos dos ANN em humanos e seus microbiomas em um estudo controlado randomizado17 envolvendo 120 adultos saudáveis, que receberam sachês de sacarina1, sucralose, aspartame10 e estévia por 2 semanas em doses menores do que a ingestão diária aceitável, em comparação com controles que receberam sachês contendo glicose11 ou nenhum suplemento.

Como grupos, cada ANN administrado alterou distintamente o microbioma4 fecal e oral e o metaboloma18 plasmático, enquanto a sacarina1 e a sucralose prejudicaram significativamente as respostas glicêmicas.

É importante ressaltar que os camundongos gnotobióticos convencionalizados com microbiomas de vários respondedores superiores e inferiores de cada um dos quatro grupos suplementados com ANN apresentaram respostas glicêmicas refletindo amplamente aquelas observadas nos respectivos doadores humanos, que foram antecipadas por sinais19 microbianos distintos, como exemplificado pela sucralose.

Coletivamente, o consumo humano de adoçantes não nutritivos pode induzir alterações glicêmicas específicas da pessoa, dependentes do microbioma4, necessitando avaliação futura das implicações clínicas.

Veja também sobre "Microbioma4 intestinal humano" e "Disbiose intestinal20".

 

Fontes:
Cell, publicação em 19 de agosto de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 19 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Dois adoçantes artificiais, sacarina e sucralose, podem aumentar o açúcar no sangue. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1423045/dois-adocantes-artificiais-sacarina-e-sucralose-podem-aumentar-o-acucar-no-sangue.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Caloria: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc. Carboidratos, proteínas, gorduras e álcool fornecem calorias na dieta. Carboidratos e proteínas têm 4 calorias em cada grama, gorduras têm 9 calorias por grama e álcool têm 7 calorias por grama.
9 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
10 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
11 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
12 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
13 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
14 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
15 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
16 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
17 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
18 Metaboloma: É o conjunto de todos os metabólitos em uma célula, fluido biológico, tecido ou organismo. Estas substâncias são consideradas os produtos finais dos processos celulares.
19 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
20 Disbiose intestinal: Definida como o desequilíbrio da flora intestinal, entre os microrganismos benéficos e patogênicos, que resulta em uma situação desfavorável à saúde do indivíduo.
Gostou do artigo? Compartilhe!