Gostou do artigo? Compartilhe!

Transplantes de microbiota fecal aliviam a síndrome do intestino irritável por três anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A síndrome1 do intestino irritável pode ser aliviada por pelo menos três anos por transplantes fecais, de acordo com o ensaio clínico mais longo realizado até agora sobre a doença.

De acordo com o novo estudo, publicado pelo periódico Gastroenterology, dois terços das pessoas com síndrome1 do intestino irritável (SII) que receberam um transplante de fezes de um doador com uma mistura mais saudável de micróbios intestinais tiveram menos sintomas2 e melhor qualidade de vida três anos depois.

Cerca de 10% da população global tem SII, geralmente apresentando sintomas2 como dor intestinal crônica, fadiga3, inchaço4, constipação5 e diarreia6. Alguns medicamentos podem reduzir os sintomas2, mas não abordam a causa raiz.

Estudos descobriram que pessoas com SII geralmente têm um desequilíbrio de micróbios intestinais “bons” e “ruins”, sugerindo que pode ser possível tratar sua condição recolonizando seus intestinos7 com uma mistura mais saudável de micróbios.

Saiba mais sobre "Síndrome1 do intestino irritável" e "Transplante de fezes ou terapia bacteriana".

Para testar essa ideia, Magdy El-Salhy, do Stord Hospital, na Noruega, e seus colegas coletaram fezes de um homem de 36 anos com uma mistura ideal de micróbios intestinais.

Eles transferiram amostras de suas fezes misturadas com água para o intestino delgado8 de 87 pacientes com SII moderada a grave para introduzir sua mistura de micróbios intestinais. Outros 38 pacientes tiveram amostras de suas próprias fezes transferidas para o intestino delgado8 como placebo9. Nenhum dos participantes sabia que tipo de fezes tinham recebido.

Três anos depois, pelo menos 64% dos participantes que receberam o transplante de fezes saudáveis tiveram menos sintomas2 intestinais, menos fadiga3 e melhor qualidade de vida. Em contraste, apenas 27% do grupo placebo9 relataram melhorias.

Outros ensaios clínicos10 demonstraram que os transplantes fecais são seguros e eficazes no tratamento da SII, mas não monitoraram os participantes por tanto tempo.

“É certamente promissor”, diz Stuart Brierley da Flinders University em Adelaide, Austrália. “Para muitas pessoas, a ideia de colocar o material fecal de outra pessoa dentro delas pode parecer desanimadora, mas as pessoas com SII muitas vezes sofrem por anos ou mesmo décadas e estão desesperadas por qualquer coisa que funcione”.

No momento, não é viável oferecer transplantes fecais para todas as pessoas com SII por causa do custo, mas, no futuro, poderemos isolar micróbios “bons” das fezes de doadores saudáveis e administrá-los em forma de comprimido, diz Brierley.

“Este estudo mostra que podemos reverter o processo de doença da SII apenas alterando o que está no intestino”, diz ele.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que a eficácia a longo prazo e possíveis eventos adversos do transplante de microbiota11 fecal (TMF) para SII são desconhecidos. O estudo, então, realizou um acompanhamento de 3 anos de pacientes de um ensaio clínico anterior para esclarecer esses aspectos.

O estudo incluiu 125 pacientes (104 mulheres e 21 homens): 38 no grupo placebo9, 42 que receberam 30 g de fezes de doadores e 45 que receberam 60 g de fezes de doadores. As fezes foram administradas ao duodeno12.

Os pacientes forneceram uma amostra fecal e preencheram cinco questionários no início e 2 e 3 anos após o TMF.

Bactérias fecais e índice de disbiose13 foram analisados usando PCR14 de amplificação de DNA / hibridização de sonda do gene 16S rRNA gene cobrindo as regiões V3-V9.

As taxas de resposta foram de 26,3%, 69,1% e 77,8% nos grupos placebo9, 30 g e 60 g, respectivamente, em 2 anos após o TMF, e 27,0%, 64,9% e 71,8%, respectivamente, em 3 anos após o TMF.

As taxas de resposta foram significativamente maiores nos grupos de 30 g e 60 g do que no grupo placebo9. Os pacientes nos grupos de 30 g e 60 g tiveram significativamente menos sintomas2 de SII e fadiga3, e uma maior qualidade de vida tanto em 2 quanto em 3 anos após o TMF.

O índice de disbiose13 diminuiu apenas nos grupos de tratamento ativo em 2 e 3 anos após o TMF. Sinais15 fluorescentes de 10 bactérias tiveram correlações significativas com sintomas2 de SII e fadiga3 após TMF nos grupos de 30 g e 60 g. Nenhum evento adverso de longo prazo foi registrado.

O estudo concluiu que o transplante de microbiota11 fecal realizado de acordo com o protocolo resultou em altas taxas de resposta e efeitos de longa duração com apenas alguns eventos adversos leves autolimitados.

Leia sobre "Microbioma16 intestinal humano", "Disbiose intestinal17" e "Bactérias do bem - o que elas têm a nos oferecer".

 

Fontes:
Gastroenterology, publicação em junho de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 28 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Transplantes de microbiota fecal aliviam a síndrome do intestino irritável por três anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1420780/transplantes-de-microbiota-fecal-aliviam-a-sindrome-do-intestino-irritavel-por-tres-anos.htm>. Acesso em: 26 nov. 2022.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
4 Inchaço: Inchação, edema.
5 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
6 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
7 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
8 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
11 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
12 Duodeno: Parte inicial do intestino delgado que se estende do piloro até o jejuno.
13 Disbiose: Desequilíbrio da flora intestinal.
14 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
15 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
16 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
17 Disbiose intestinal: Definida como o desequilíbrio da flora intestinal, entre os microrganismos benéficos e patogênicos, que resulta em uma situação desfavorável à saúde do indivíduo.
Gostou do artigo? Compartilhe!