Gostou do artigo? Compartilhe!

Fibrilação atrial pós-operatória pode sinalizar risco aumentado de hospitalizações por insuficiência cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O desenvolvimento de arritmia1 após a cirurgia pode servir como uma grande bandeira vermelha para a identificação de pacientes com risco aumentado de hospitalização por insuficiência cardíaca2 após cirurgia cardíaca e não cardíaca.

Em um estudo recente, publicado no European Heart Journal, que incluiu dados de mais de 76.500 pacientes submetidos à cirurgia cardíaca, os resultados demonstram que a ocorrência de fibrilação atrial pós-operatória (FAPO) foi associada a um aumento de 33% no risco de hospitalização por insuficiência cardíaca2 incidente3 naqueles submetidos à cirurgia cardíaca e um risco dobrado entre aqueles submetidos à cirurgia não cardíaca em comparação com seus homólogos sem FAPO.

“Nosso estudo, que até onde sabemos é o maior estudo até o momento, mostra que a fibrilação atrial pós-operatória está associada a futuras hospitalizações por insuficiência cardíaca2”, disse Parag Goyal, MD, professor associado de medicina da Weill Cornell Medicine, em um comunicado. “Isso pode significar que a fibrilação atrial é um importante indicador de insuficiência cardíaca2 subjacente, mas ainda não detectada; ou pode significar que a própria fibrilação atrial contribui para o desenvolvimento futuro de insuficiência cardíaca2. Embora este estudo não possa abordar especificamente quais desses mecanismos estão em jogo, nossa esperança é que este estudo inspire trabalhos futuros para explorar o mecanismo subjacente visto em nossas importantes descobertas”.

Saiba mais sobre "Fibrilação atrial" e "Insuficiência cardíaca congestiva4".

Apesar de estudos anteriores terem destacado a associação entre fibrilação atrial pós-operatória (FAPO) e acidente vascular cerebral5 e mortalidade6, não se sabe se a FAPO está associada à hospitalização subsequente por insuficiência cardíaca2 (IC).

Este estudo, portanto, teve como objetivo examinar a associação entre FAPO e hospitalização por IC incidente3 entre pacientes submetidos a cirurgias cardíacas e não cardíacas.

Um estudo de coorte7 retrospectivo8 foi realizado usando dados de reivindicações administrativas de todos os pagadores que incluíram todas as visitas a departamentos de emergência9 não federais e hospitalizações de cuidados agudos em 11 estados dos EUA.

A população do estudo incluiu adultos com idade mínima de 18 anos internados para cirurgia sem diagnóstico10 prévio de IC. Modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox foram usados para examinar a associação entre FAPO e hospitalização por IC incidente3 após fazer o ajuste para condições sociodemográficas e comorbidades11.

Entre 76.536 pacientes submetidos à cirurgia cardíaca, 14.365 (18,8%) desenvolveram FAPO incidente3. Em um modelo de Cox ajustado, a FAPO foi associada à hospitalização por IC incidente3 (hazard ratio [HR] 1,33; intervalo de confiança [IC] de 95% 1,25-1,41].

Em uma análise de sensibilidade excluindo IC dentro de 1 ano da cirurgia, a FAPO permaneceu associada à hospitalização por IC incidente3 (HR 1,15; IC 95% 1,01-1,31).

Entre 2.929.854 pacientes submetidos à cirurgia não cardíaca, 23.763 (0,8%) desenvolveram FAPO incidente3. Em um modelo de Cox ajustado, a FAPO foi novamente associada à hospitalização por IC incidente3 (HR 2,02; IC 95% 1,94-2,10), inclusive em uma análise de sensibilidade excluindo IC dentro de 1 ano após a cirurgia (HR 1,49; IC 95% 1,38-1,61).

O estudo concluiu que a fibrilação atrial pós-operatória está associada à hospitalização por insuficiência cardíaca2 incidente3 em pacientes sem história prévia de insuficiência cardíaca2 submetidos a cirurgias cardíacas e não cardíacas.

Esses achados reforçam o impacto prognóstico12 adverso da fibrilação atrial pós-operatória e sugerem que ela pode ser um marcador para identificar pacientes com insuficiência cardíaca2 subclínica e aqueles com risco elevado para insuficiência cardíaca2.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares13" e "Arritmia1 cardíaca".

 

Fontes:
European Heart Journal, publicação em 28 de junho de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 02 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Fibrilação atrial pós-operatória pode sinalizar risco aumentado de hospitalizações por insuficiência cardíaca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1420535/fibrilacao-atrial-pos-operatoria-pode-sinalizar-risco-aumentado-de-hospitalizacoes-por-insuficiencia-cardiaca.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
4 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
9 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
12 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
13 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!