Gostou do artigo? Compartilhe!

Intervenção alimentar precoce pode prevenir a alergia alimentar em crianças pequenas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A prevenção primária da alergia1 alimentar pela introdução precoce de alimentos alergênicos parece promissora. Neste estudo publicado no The Lancet, o objetivo foi determinar se a introdução alimentar precoce ou a aplicação regular de emolientes cutâneos em lactentes2 de uma população geral reduz o risco de alergia1 alimentar.

Este estudo fatorial 2 × 2, randomizado3 por agrupamento (cluster), foi realizado no Oslo University Hospital e no Østfold Hospital Trust, em Oslo, Noruega, e no Karolinska University Hospital, em Estocolmo, Suécia.

Saiba mais sobre "O que é e como acontece a alergia1 alimentar" e "Alimentação infantil: orientações para o primeiro ano de vida".

Os bebês4 de mulheres recrutadas no pré-natal no exame de ultrassonografia5 de rotina de 18 semanas foram randomizados por agrupamento ao nascimento para os seguintes grupos:

  1. grupo sem intervenção;
  2. grupo de intervenção cutânea6 (emolientes cutâneos; aditivos de banho e creme facial; de 2 semanas a <9 meses, ambos pelo menos quatro vezes por semana);
  3. grupo de intervenção alimentar (alimentação complementar precoce de amendoim, leite de vaca, trigo e ovo7 a partir dos 3 meses);
  4. ou grupo de intervenção combinada (intervenções cutânea6 e alimentar).

Os participantes foram aleatoriamente designados (1:1:1:1) usando randomização gerada por computador com base em agrupamentos de 92 áreas geográficas e oito blocos de tempo de 3 meses. O pessoal do estudo realizando avaliações clínicas foram mascarados para alocação de grupo.

O desfecho primário foi alergia1 a qualquer alimento da intervenção aos 36 meses de idade. A análise de eficácia primária foi feita por análise de intenção de tratar, que incluiu todos os participantes que foram aleatoriamente designados, além de três indivíduos que retiraram seu consentimento.

Foram recrutadas 2.697 mulheres com 2.701 gestações, das quais 2.397 recém-nascidos foram inscritos entre 14 de abril de 2015 e 11 de abril de 2017. Desses bebês4, 597 foram aleatoriamente designados para o grupo sem intervenção, 575 para o grupo de intervenção cutânea6, 642 para o grupo de intervenção alimentar e 583 para o grupo de intervenção combinada.

Um participante em cada um dos grupos sem intervenção, de intervenção alimentar e de intervenção cutânea6 retirou o consentimento e, portanto, não foi incluído em nenhuma análise.

Alergia1 alimentar foi diagnosticada em 44 crianças; 14 (2,3%) de 596 bebês4 no grupo sem intervenção, 17 (3,0%) de 574 bebês4 no grupo de intervenção cutânea6, 6 (0,9%) de 641 bebês4 no grupo de intervenção alimentar e 7 (1,2%) de 583 bebês4 no grupo de intervenção combinada.

Alergia1 ao amendoim foi diagnosticada em 32 crianças, alergia1 ao ovo7 em 12 crianças e alergia1 ao leite em 4 crianças. Nenhum tinha alergia1 ao trigo.

A prevalência8 de alergia1 alimentar foi reduzida no grupo de intervenção alimentar em comparação com o grupo sem intervenção alimentar (diferença de risco -1,6% [IC 95% -2,7 a -0,5]; razão de chances [OR] 0,4 [IC 95% 0,2 a 0,8]), mas não comparado com o grupo de intervenção cutânea6 (0,4% [IC 95% -0,6 a 1,5%]; OR 1,3 [0,7 a 2,3]), sem efeito de interação significativo (p = 1,0).

A prevenção da alergia1 alimentar em uma criança exigiu exposição precoce a alimentos alergênicos em 63 crianças. Não foram observados eventos adversos graves.

O estudo concluiu que a exposição a alimentos alergênicos a partir dos 3 meses de idade reduziu a alergia1 alimentar aos 36 meses em uma população geral. Esses resultados suportam que a introdução precoce de alimentos alergênicos comuns é uma estratégia segura e eficaz para prevenir a alergia1 alimentar.

Leia sobre "Alergia1 ao amendoim", "Alergia1 às proteínas9 do leite de vaca" e "Testes alérgicos - como eles são".

 

Fonte: The Lancet, Vol. 399, Nº 10344, em 25 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Intervenção alimentar precoce pode prevenir a alergia alimentar em crianças pequenas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1419815/intervencao-alimentar-precoce-pode-prevenir-a-alergia-alimentar-em-criancas-pequenas.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
2 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
5 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
6 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
7 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
8 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
9 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
Gostou do artigo? Compartilhe!