Gostou do artigo? Compartilhe!

Fatores de risco cardiovascular em sobreviventes de câncer infantil são muitas vezes subdiagnosticados e subtratados

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova pesquisa do Childhood Cancer1 Survivor Study (CCSS) sugere que os sobreviventes de câncer1 na infância são prováveis de ter comorbidades2 cardiovasculares não reconhecidas ou subtratadas.

Saiba mais sobre "Câncer1 infantil" e "Doenças cardiovasculares3".

Os resultados do estudo, publicado no Journal of the American Heart Association, que incluiu dados de quase 1.600 pacientes com câncer1 infantil que sobreviveram pelo menos 5 anos de 9 regiões dos EUA, indicam que os sobreviventes tiveram 1,8 vezes mais chances de serem subtratados para fatores de risco cardiovascular, com hipertensão4 e dislipidemia sendo os fatores de risco mais comumente subdiagnosticados e subtratados entre esses pacientes.

“Essas descobertas tornam o subdiagnóstico e o subtratamento uma preocupação significativa para os estimados meio milhão de sobreviventes de câncer1 infantil que vivem nos Estados Unidos”, disse o principal autor do estudo Eric J. Chow, MD, professor associado de pesquisa clínica e ciências da saúde5 pública no Fred Hutchinson Cancer1 Center em Seattle, em um comunicado da American Heart Association.

À medida que os campos da cardiologia e da oncologia progridem individualmente, o campo da cardio-oncologia emergiu como sua própria subespecialidade e por boas razões. À medida que mais e mais dados surgem, a relação entre certas formas de câncer1 e certas terapias contra o câncer1 com aumento do risco cardiovascular passou de suspeita a inegável.

Com isso em mente, Chow e uma equipe de colegas de grandes instituições dos EUA procuraram fornecer uma visão6 abrangente da prevalência7 e preditores associados ao subdiagnóstico e subtratamento de fatores de risco modificáveis de doença cardiovascular (DCV) (hipertensão4, dislipidemia, intolerância à glicose8/diabetes9) entre adultos sobreviventes de câncer1 infantil com alto risco de DCV prematura.

Este foi um estudo transversal de adultos sobreviventes de câncer1 infantil tratados com antraciclinas ou radioterapia10 torácica, recrutados em 9 regiões metropolitanas dos EUA. Os sobreviventes preencheram questionários e avaliações clínicas em casa. O grupo comparador foi uma amostra pareada do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES).

A regressão logística multivariável estimou o risco (odds ratio) de subdiagnóstico e subtratamento de fator de risco11 de DCV entre os sobreviventes em comparação com o NHANES.

Os sobreviventes (n = 571; idade média, 37,7 anos e 28,5 anos do diagnóstico12 de câncer1) eram mais propensos a ter um fator de risco11 de DCV preexistente do que aqueles do NHANES (n = 345; P <0,05 para todos os fatores).

Enquanto as taxas de subdiagnóstico de fatores de risco de DCV foram semelhantes (27,1% no grupo de sobreviventes versus 26,1% no grupo do NHANES; P = 0,73), os sobreviventes eram mais prováveis de serem subtratados (21,0% versus 13,9%, P = 0,007; odds ratio, 1,8, IC 95%, 1,2-2,7).

Entre os sobreviventes, os fatores de risco mais subdiagnosticados e subtratados foram hipertensão4 (18,9%) e dislipidemia (16,3%), respectivamente. Homens e sobreviventes com sobrepeso13/obesidade14 eram mais propensos a serem subdiagnosticados e subtratados. Aqueles com vários fatores de estilo de vida adversos também eram mais prováveis de serem subtratados (odds ratio, 2,2, IC 95%, 1,1-4,5). A maior autoeficácia relacionada à saúde5 foi associada à redução do subtratamento (odds ratio, 0,5; IC 95%, 0,3-0,8).

O estudo concluiu que uma maior conscientização entre os prestadores de cuidados primários e cardiologistas, combinada com a melhoria da autoeficácia entre os sobreviventes, pode mitigar15 o risco de fatores de risco de doença cardiovascular subdiagnosticados e subtratados entre os sobreviventes adultos de câncer1 infantil.

Leia sobre "Hipertensão Arterial16" e "Dislipidemia".

 

Fontes:
Journal of the American Heart Association, Vol. 11, Nº 12, em 08 de junho de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 14 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Fatores de risco cardiovascular em sobreviventes de câncer infantil são muitas vezes subdiagnosticados e subtratados. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1419615/fatores-de-risco-cardiovascular-em-sobreviventes-de-cancer-infantil-sao-muitas-vezes-subdiagnosticados-e-subtratados.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
7 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
8 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
11 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
14 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
15 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
16 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!