Gostou do artigo? Compartilhe!

Vacina pode proteger contra o Epstein-Barr, o vírus por trás da esclerose múltipla e outras condições

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova vacina1 pode afastar o vírus2 Epstein-Barr, que causa febre3 glandular e está cada vez mais ligado à esclerose múltipla4, linfoma5 e câncer6 de estômago7.

Segundo dados de estudo publicado na revista Science Translational Medicine, a vacina1 se mostrou promissora em camundongos, furões e macacos e, potencialmente, pode prevenir a febre3 glandular, a esclerose múltipla4 (EM) e até alguns tipos de câncer6. Espera-se que um teste em humanos comece em 2023.

Gary Nabel, da ModeX Therapeutics em Natick, Massachusetts, EUA, e seus colegas desenvolveram uma vacina1 que expõe o corpo a duas proteínas8 que o vírus2 Epstein-Barr usa para invadir as células9, treinando o sistema imunológico10 para reconhecer o patógeno se exposto.

Experimentos iniciais mostraram que camundongos, furões e macacos rhesus desenvolveram anticorpos11 contra o vírus2 Epstein-Barr após a vacinação.

Para entender melhor o potencial da vacina1 nas pessoas, os pesquisadores projetaram camundongos com sistemas imunológicos semelhantes aos humanos. Quando expostos ao vírus2 Epstein-Barr, apenas 17% dos camundongos foram infectados após receberem anticorpos11 de outros roedores vacinados. Em contraste, 100 por cento dos camundongos sem anticorpos11 foram infectados.

“Foi um resultado muito promissor porque conseguimos basicamente bloquear a infecção12 pelo vírus2 quase inteiramente e impedir que ela causasse até mesmo infecções13 de baixo nível”, diz Nabel.

Nenhum dos camundongos que receberam os anticorpos11 induzidos pela vacina1 desenvolveu linfomas, cânceres do sistema linfático14 que estão cada vez mais ligados ao vírus2 Epstein-Barr, em comparação com metade dos roedores desprotegidos. Os pesquisadores não analisaram nenhuma outra condição relacionada a Epstein-Barr, como câncer6 de estômago7.

Saiba mais sobre "Vírus2 Epstein-Barr", "Vacinas - como funcionam e prós e contras" e "Como é a esclerose múltipla4".

Mais de 95% dos adultos em todo o mundo estão infectados com o vírus2 Epstein-Barr, um tipo de herpes que se espalha mais comumente pela saliva. Sabe-se que ele causa febre3 glandular, também chamada de “mono”, e está associado à EM.

Se a vacina1 se mostrar segura e eficaz em pessoas, ela pode ser administrada a crianças para prevenir doenças relacionadas ao Epstein-Barr, diz Nabel.

A Moderna, a empresa norte-americana mais conhecida por sua vacina1 contra a covid-19, iniciou recentemente um ensaio clínico para sua própria vacina1 contra o vírus2 Epstein-Barr. A vacina1 da Moderna difere da vacina1 candidata da ModeX, pois, semelhante à vacina1 contra a covid-19, usa mRNA para instruir as células9 a produzir várias proteínas8 do vírus2 Epstein-Barr, em vez de administrá-las diretamente.

Julia Morahan, da MS Australia, diz que ambas as vacinas parecem promissoras, mas a esclerose múltipla4 é uma doença progressiva e levará várias décadas até que possamos avaliar seu potencial.

“Se pudéssemos dar uma vacina1 a todas as crianças, teríamos que esperar 25 anos para ver se elas desenvolvem esclerose15 múltipla”, diz ela.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem como a vacina1 bivalente contra o vírus2 Epstein-Barr induz anticorpos11 neutralizantes que bloqueiam a infecção12 e conferem imunidade16 em camundongos humanizados.

Eles contextualizam que o vírus2 Epstein-Barr (VEB) é a principal causa de mononucleose infecciosa17 e está associado a vários cânceres humanos e, mais recentemente, à esclerose múltipla4. Mas, apesar de sua prevalência18 e impacto na saúde19, atualmente não existem vacinas ou tratamentos.

Quatro glicoproteínas (gp) virais, gp350 e gH/gL/gp42, mediam a entrada de células9 do VEB nos principais locais de replicação viral, células9 B e células9 epiteliais. Neste estudo, projetou-se uma vacina1 de nanopartículas exibindo essas proteínas8 e mostrou-se que ela provoca anticorpos11 neutralizantes potentes que protegem contra a infecção12 in vivo.

Foram projetadas proteínas8 gH/gL e gH/gL/gp42 de cadeia única que foram fundidas à ferritina bacteriana para formar uma nanopartícula de automontagem. A análise estrutural revelou que gH/gL e gH/gL/gp42 de cadeia simples adotaram uma conformação semelhante às proteínas8 do tipo selvagem, e os spikes da proteína foram observados por microscopia eletrônica.

Vacinas de nanopartículas gH/gL ou gH/gL/gp42 de cadeia única foram construídas para garantir a homogeneidade do produto necessária para o desenvolvimento clínico. Essas vacinas induziram anticorpos11 neutralizantes em camundongos, furões e primatas não humanos que inibiram a entrada do VEB nas células9 B e nas células9 epiteliais.

Quando misturadas com uma vacina1 de nanopartículas gp350 previamente relatada, gp350D123, nenhuma competição imune foi observada.

Para confirmar sua eficácia in vivo, camundongos humanizados foram desafiados com o VEB após transferência passiva de IgG de camundongos vacinados com nanopartículas de controle, gH/gL/gp42 + gp350D123 ou gH/gL + gp350D123. Embora todos os animais de controle estivessem infectados, apenas um camundongo em cada grupo de vacina1 que recebeu IgG imune apresentou viremia transitória detectável. Além disso, nenhum linfoma5 causado pelo VEB foi detectado em animais imunes.

O estudo concluiu que esta vacina1 bivalente de nanopartículas do vírus2 Epstein-Barr representa uma candidata promissora para prevenir a infecção12 pelo Epstein-Barr e malignidade relacionada a ele em humanos.

Leia sobre "Linfoma5 - o que saber sobre ele", "Mononucleose infecciosa17" e "Antígenos20 e anticorpos11 - o que são".

 

Fontes:
Science Translational Medicine, Vol. 14, Nº 643, em 04 de maio de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 04 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Vacina pode proteger contra o Epstein-Barr, o vírus por trás da esclerose múltipla e outras condições. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1416690/vacina-pode-proteger-contra-o-epstein-barr-o-virus-por-tras-da-esclerose-multipla-e-outras-condicoes.htm>. Acesso em: 10 dez. 2022.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
4 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
5 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
8 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
11 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
15 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
16 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
17 Mononucleose infecciosa: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
18 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!