Gostou do artigo? Compartilhe!

Efeito dos anti-hipertensivos na doença de pequenos vasos cerebrais varia de acordo com a classe da medicação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento da hipertensão arterial1 não controlada reduz o risco de progressão da doença de pequenos vasos cerebrais (DPVC), embora não esteja claro se essa redução ocorre devido ao controle da pressão arterial2 ou a efeitos pleiotrópicos específicos da classe, como melhora da variabilidade da pressão arterial2 batimento-a-batimento com bloqueadores dos canais de cálcio.

O objetivo deste estudo, publicado no periódico científico Stroke, foi investigar a influência da classe de medicação anti-hipertensiva, particularmente com bloqueadores dos canais de cálcio, no acúmulo de hiperintensidades da substância branca (HSB), um marcador radiográfico da DPVC, em uma coorte3 com hipertensão4 bem controlada.

Saiba mais sobre "Mecanismos de ação dos anti-hipertensivos" e "Sintomas5 da hipertensão arterial1".

Os pesquisadores completaram uma análise de coorte3 observacional do estudo SPRINT-MIND (Systolic Blood Pressure Trial Memory and Cognition in Decreased Hypertension), um grande estudo controlado randomizado6 de participantes que completaram uma imagem de ressonância magnética7 cerebral com dados volumétricos de HSB na linha de base e uma em 4 anos de acompanhamento.

Os dados da medicação anti-hipertensiva foram registrados nas consultas de acompanhamento entre as imagens de ressonância magnética7. Uma porcentagem do tempo de acompanhamento em que os participantes foram prescritos cada uma das 11 classes de anti-hipertensivos foi então derivada.

A progressão da DPVC foi calculada como a diferença no volume de HSB entre as 2 varreduras e, para abordar a distorção, foi dicotomizada em um tercil superior da distribuição em comparação com o restante.

Entre 448 indivíduos, os perfis de risco vascular8 foram semelhantes em todos os subgrupos de progressão de HSB, exceto idade (70,1 ± 7,9 versus 65,7 ± 7,3 anos; P<0,001) e pressão arterial2 sistólica (128,3 ± 11,0 versus 126,2 ± 9,4 mmHg; P = 0,039).

Setenta e dois (48,3%) indivíduos da coorte3 do tercil superior e 177 (59,2%) da coorte3 restante estavam no braço de pressão arterial2 intensiva. Aqueles dentro do tercil superior de progressão tiveram uma progressão média de HSB de 4,7 ± 4,3 mL em comparação com 0,13 ± 1,0 mL (P <0,001).

Uso de inibidores da enzima9 conversora de angiotensina (odds ratio, 0,36 [IC 95%, 0,16-0,79]; P = 0,011) e de bloqueadores dos canais de cálcio diidropiridínicos (odds ratio, 0,39 [IC 95%, 0,19-0,80]; P = 0,011) foi associado a uma menor progressão de HSB, embora os bloqueadores dos canais de cálcio diidropiridínicos tenham perdido significância quando a HSB foi tratada como uma variável contínua.

O estudo concluiu que, entre os participantes do estudo SPRINT-MIND, o inibidor da enzima9 conversora de angiotensina foi mais consistentemente associado a uma menor progressão de hiperintensidades da substância branca independente do controle da pressão arterial2 e da idade.

Leia sobre "O que vem a ser pressão arterial2" e "Leucodistrofia10 - uma desordem da substância branca do cérebro11".

 

Fonte: Stroke, publicação em 04 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Efeito dos anti-hipertensivos na doença de pequenos vasos cerebrais varia de acordo com a classe da medicação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1416640/efeito-dos-anti-hipertensivos-na-doenca-de-pequenos-vasos-cerebrais-varia-de-acordo-com-a-classe-da-medicacao.htm>. Acesso em: 2 jul. 2022.

Complementos

1 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
9 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
10 Leucodistrofia: Doença progressiva, geneticamente determinada, que afeta o sistema nervoso em decorrência de alterações na bainha de mielina (estrutura que reveste as células nervosas).
11 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!