Gostou do artigo? Compartilhe!

Programa de exercícios domiciliares pode melhorar a mobilidade na doença arterial periférica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os resultados do estudo MOSAIC, publicados no JAMA, demonstram que a participação em um programa de exercícios de caminhada domiciliar pode levar a melhorias na capacidade de caminhar entre pacientes adultos com doença arterial periférica.

No ensaio clínico randomizado1 multicêntrico, que incluiu 190 pacientes adultos do Reino Unido, os resultados indicam que a participação em um programa de caminhada domiciliar foi associada a uma diferença ajustada de 16,7 metros na distância de caminhada de 6 minutos após 3 meses em comparação com cuidados usuais, mas os pesquisadores apontaram que isso não excedeu o limite para uma grande diferença clinicamente importante em pacientes com doença arterial periférica (DAP).

“Os resultados de ensaios clínicos2 randomizados anteriores de terapia de exercícios domiciliares para pessoas com DAP foram mistos, com vários ensaios clínicos2 anteriores mostrando benefícios do exercício domiciliar para DAP, mas pelo menos 2 mostrando nenhum efeito de uma intervenção de exercícios domiciliares para DAP”, escreveram os investigadores. “A diferença na distância de caminhada de 6 minutos após esta intervenção foi maior do que uma pequena diferença mínima clinicamente importante para pessoas com DAP, mas não atingiu o limiar para uma grande diferença mínima clinicamente importante em pessoas com DAP”.

Saiba mais sobre "Doença arterial periférica", "Reabilitação funcional - para que serve" e "circulação3 nos membros inferiores".

No artigo, os pesquisadores contextualizam como intervenções de exercícios de caminhada realizadas em casa são recomendadas para pessoas com doença arterial periférica (DAP), mas as evidências de sua eficácia são variadas. Por isso, o objetivo deste estudo foi investigar o efeito de uma intervenção de mudança de comportamento de exercício de caminhada realizada em casa por fisioterapeutas em adultos com DAP e claudicação intermitente4 em comparação com os cuidados habituais.

Foi realizado um ensaio clínico randomizado1 multicêntrico incluindo 190 adultos com DAP e claudicação intermitente4 em 6 hospitais no Reino Unido entre janeiro de 2018 e março de 2020; o acompanhamento final foi em 8 de setembro de 2020.

Os participantes foram randomizados para receber uma intervenção de mudança de comportamento de exercício de caminhada realizada por fisioterapeutas treinados para usar uma abordagem motivacional (n = 95) ou cuidados habituais (n = 95).

O desfecho primário foi uma caminhada de 6 minutos em 3 meses de acompanhamento (diferença clinicamente importante mínima, 8-20 m). Houve 8 resultados secundários, 3 dos quais foram o questionário de Limitação Estimada da Caminhada Calculada pelo Histórico (WELCH) (intervalo de pontuação, 0 [melhor desempenho] a 100), o Questionário Breve de Percepção da Doença (intervalo de pontuação, 0 a 80 [80 indica percepção negativa da doença]) e o Questionário da Teoria do Comportamento Planejado (intervalo de pontuação, 3 a 21 [21 indica melhor atitude, normas subjetivas, controle comportamental percebido ou intenções]); uma diferença mínima clinicamente importante não foi definida para esses instrumentos.

Entre 190 participantes randomizados (idade média de 68 anos, 30% mulheres, 79% raça branca, distância média inicial de caminhada de 6 minutos, 361,0 m), 148 (78%) completaram 3 meses de acompanhamento.

A distância de caminhada de 6 minutos mudou de 352,9 m na linha de base para 380,6 m em 3 meses no grupo de intervenção e de 369,8 m para 372,1 m no grupo de cuidados habituais (diferença média ajustada entre os grupos, 16,7 m [IC 95%, 4,2 m a 29,2 m]; P = 0,009).

Dos 8 desfechos secundários, 5 não foram estatisticamente significativos. Aos 6 meses de acompanhamento, as pontuações basais do WELCH mudaram de 18,0 para 27,8 no grupo de intervenção e de 20,7 para 20,7 no grupo de cuidados habituais (diferença média ajustada entre os grupos, 7,4 [IC 95%, 2,5 a 12,3]; P = 0,003); as pontuações no Questionário Breve de Percepção da Doença mudaram de 45,7 para 38,9 no grupo de intervenção e de 44,0 para 45,8 no grupo de cuidados habituais (diferença média ajustada entre os grupos, -6,6 [IC 95%, -9,9 a -3,4]; P <0,001); e as pontuações no componente de atitude do Questionário da Teoria do Comportamento Planejado mudaram de 14,7 para 15,4 no grupo de intervenção e de 14,6 para 13,9 no grupo de cuidados habituais (diferença média ajustada entre os grupos, 1,4 [IC 95%, 0,3 a 2,5]; P = 0,02).

Treze eventos adversos graves ocorreram no grupo de intervenção, em comparação com 3 no grupo de cuidados habituais. Todos foram determinados como não relacionados ou improváveis de estarem relacionados ao estudo.

Entre os adultos com doença arterial periférica e claudicação intermitente4, uma intervenção de mudança de comportamento de exercícios de caminhada em casa, em comparação com os cuidados habituais, resultou em melhora da distância de caminhada em 3 meses. Mais pesquisas são necessárias para determinar a durabilidade dessas descobertas.

Leia sobre "Caminhada: o que saber sobre ela", "Distúrbios da marcha" e "Doenças das artérias5".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 12 de abril de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 16 de abril de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Programa de exercícios domiciliares pode melhorar a mobilidade na doença arterial periférica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414955/programa-de-exercicios-domiciliares-pode-melhorar-a-mobilidade-na-doenca-arterial-periferica.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
4 Claudicação intermitente: Dor que aparece e desaparece nos músculos da perna. Esta dor resulta de uma falta de suprimento sanguíneo nas pernas e geralmente acontece quando a pessoa está caminhando ou se exercitando.
5 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
Gostou do artigo? Compartilhe!