Gostou do artigo? Compartilhe!

A hipertensão arterial pode ser tratada pela denervação renal, queimando os nervos próximos aos rins

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Queimar os nervos ao redor dos rins1 pode reduzir permanentemente a pressão arterial2 entre pessoas que não respondem bem à medicação, de acordo com estudo publicado no The Lancet.

A pesquisa avaliou a eficácia e a segurança a longo prazo da denervação3 renal4, procedimento no qual pulsos de ondas de rádio5 queimam os nervos nas paredes das artérias6 que alimentam os rins1. Isso demonstrou reduzir a atividade dos nervos e diminuiu a pressão arterial2.

Durante décadas, os nervos dos rins1 são conhecidos por regular a pressão arterial2. A chamada denervação3 renal4 envolve a inserção de um cateter na artéria7 femoral da coxa8 para acessar as artérias6 que alimentam os rins1. A aplicação de pulsos de ondas de rádio5 queima os nervos nas paredes das artérias6, reduzindo sua atividade.

A técnica tem se mostrado promissora como tratamento para hipertensão9, mas faltam dados sobre sua segurança e eficácia a longo prazo. Para saber mais, Felix Mahfoud da Universidade de Saarland em Saarbrücken, Alemanha, e seus colegas analisaram 80 pessoas que tinham pressão alta, apesar de tomarem medicamentos anti-hipertensivos. Trinta e oito participantes foram submetidos à denervação3 renal4 e 42 a um procedimento simulado, atuando como grupo controle.

No início do estudo, a pressão sistólica10 de todos os participantes estava entre 150 milímetros de mercúrio (mmHg) e 180 mmHg. Qualquer medida acima de 140 mmHg é geralmente considerada alta. A pressão diastólica11 era de pelo menos 90 mmHg, a extremidade superior de uma leitura saudável.

Três anos após o procedimento, as leituras de pressão arterial sistólica12 e diastólica dos participantes da denervação3 renal4 foram 10 mmHg e 5,9 mmHg menores, respectivamente, do que as do grupo simulado. A maioria dos participantes continuou a tomar medicamentos para baixar a pressão arterial2 durante todo o estudo.

Nenhum problema de segurança foi associado à denervação3 renal4 ao longo dos três anos.

Leia sobre "O que vem a ser pressão arterial2", "Hipertensão Arterial13" e "Mecanismos de ação dos anti-hipertensivos".

O artigo publicado realizou uma análise pré-especificada do estudo SPYRAL HTN-ON MED, comparando alterações na pressão arterial2, uso de medicamentos anti-hipertensivos e segurança até 36 meses na denervação3 renal4 versus um grupo controle simulado.

Este estudo randomizado14, simples-cego e controlado simuladamente recrutou pacientes de 25 centros clínicos nos EUA, Alemanha, Japão, Reino Unido, Austrália, Áustria e Grécia, com hipertensão9 não controlada e pressão arterial sistólica12 de consultório entre 150 mmHg e 180 mmHg e pressão arterial diastólica15 de 90 mmHg ou superior.

Os pacientes elegíveis tinham que ter pressão arterial sistólica12 ambulatorial de 24 horas entre 140 mmHg e menos de 170 mmHg, enquanto tomavam de um a três medicamentos anti-hipertensivos com doses estáveis por pelo menos 6 semanas.

Os pacientes foram submetidos a angiografia16 renal4 e foram aleatoriamente designados (1:1) para denervação3 renal4 por radiofrequência ou um procedimento de controle simulado. Pacientes e médicos foram desmascarados após 12 meses de acompanhamento e os pacientes de controle simulado poderiam passar pelo procedimento real após a conclusão do acompanhamento de 12 meses.

O desfecho primário foi a diferença de tratamento na pressão arterial sistólica12 média de 24h aos 6 meses entre o grupo de denervação3 renal4 e o grupo controle simulado. As análises estatísticas foram feitas na população com intenção de tratar. A eficácia a longo prazo foi avaliada usando medições ambulatoriais e de consultório até 36 meses. A vigilância de medicamentos foi usada para avaliar o uso de medicamentos. Os eventos de segurança foram avaliados até 36 meses.

Entre 22 de julho de 2015 e 14 de junho de 2017, entre 467 pacientes inscritos, 80 pacientes preencheram os critérios de qualificação e foram aleatoriamente designados para passar por denervação3 renal4 (n=38) ou um procedimento de controle simulado (n=42).

As pressões arteriais sistólica e diastólica médias ambulatoriais foram significativamente reduzidas desde o início no grupo de denervação3 renal4 e foram significativamente menores do que no grupo controle simulado em 24 e 36 meses, apesar de uma intensidade de tratamento semelhante dos medicamentos anti-hipertensivos.

O fardo de medicamentos aos 36 meses foi de 2,13 medicamentos (DP 1,15) no grupo de denervação3 renal4 e 2,55 medicamentos (2,19) no grupo controle simulado (p = 0,26). 24 (77%) dos 31 pacientes do grupo de denervação3 renal4 e 25 (93%) dos 27 pacientes do grupo controle simulado aderiram à medicação aos 36 meses.

Aos 36 meses, a redução ambulatorial da pressão arterial sistólica12 foi de -18,7 mmHg (DP 12,4) para o grupo de denervação3 renal4 (n=30) e -8,6 mmHg (14,6) para o grupo controle simulado (n=32; diferença de tratamento ajustada -10,0 mmHg, IC 95% -16,6 a -3,3; p=0,0039).

As diferenças de tratamento entre o grupo de denervação3 renal4 e o grupo controle simulado aos 36 meses foram de -5,9 mmHg (IC 95% -10,1 a -1,8; p = 0,0055) para pressão arterial diastólica15 ambulatorial média, -11,0 mmHg (-19·8 a -2,1; p = 0,016) para pressão arterial sistólica12 matinal e -11,8 mmHg (-19,0 a -4,7; p = 0,0017 ) para a pressão arterial sistólica12 noturna.

Não houve problemas de segurança a curto ou longo prazo associados à denervação3 renal4.

O estudo concluiu que a denervação3 renal4 por radiofrequência comparada com o controle simulado produziu uma redução clinicamente significativa e duradoura da pressão arterial2 até 36 meses de acompanhamento, independente de medicamentos anti-hipertensivos concomitantes e sem grandes eventos de segurança. A denervação3 renal4 poderia fornecer uma modalidade de tratamento adjuvante no manejo de pacientes com hipertensão9.

Exatamente como a denervação3 renal4 funciona não é bem compreendido. Mahfoud e sua equipe sugerem que o choque17 no sistema nervoso18 pode reconfigurar os vasos sanguíneos19 do corpo ou afetar os sistemas hormonais nos rins1 que controlam a pressão arterial2. A pressão alta aumenta o risco de ataques cardíacos e derrames, entre outras condições médicas.

Falando da redução sistólica em particular, a equipe descreveu o resultado como “clinicamente significativo e associado a taxas mais baixas de eventos cardiovasculares”.

Nem todos estão totalmente convencidos do potencial da denervação3 renal4 na clínica, no entanto.

“Os números são muito pequenos neste artigo, mas parece que a denervação3 renal4 reduziu a pressão arterial2 mais do que o controle simulado”, diz Tony Heagerty, da Universidade de Manchester, Reino Unido.

A denervação3 renal4 provavelmente só será direcionada a pessoas resistentes à medicação, diz Heagerty, porque é um procedimento caro e a terapia com medicamentos genéricos é relativamente barata.

Veja também sobre "Sintomas20 da hipertensão arterial13" e "Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial2".

 

Fontes:
The Lancet, Vol. 399, Nº 10333, em abril de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 04 de abril de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. A hipertensão arterial pode ser tratada pela denervação renal, queimando os nervos próximos aos rins. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414735/a-hipertensao-arterial-pode-ser-tratada-pela-denervacao-renal-queimando-os-nervos-proximos-aos-rins.htm>. Acesso em: 27 set. 2022.

Complementos

1 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Denervação: Consiste na ressecção ou remoção dos nervos que inervam um órgão ou parte dele.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Rádio:
6 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
7 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
8 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
9 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
10 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
11 Pressão Diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
12 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
13 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
14 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
15 Pressão arterial diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
16 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
17 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
18 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
19 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!