Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de esteroides no pré-natal pode representar risco neurológico para bebês nascidos a termo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O impacto da exposição a corticosteroides no útero1 no risco de comprometimento neurológico a longo prazo variou de acordo com o momento do nascimento, de acordo com uma revisão sistemática e metanálise.

Crianças com parto prematuro extremo que foram expostas a um único ciclo de corticosteroides antenatais tiveram um risco significativamente reduzido de desenvolver resultados adversos de longo prazo no desenvolvimento neurológico, relataram Kiran Ninan, da McMaster University em Ontário e colegas.

Mas para crianças com parto prematuro tardio, a exposição a corticosteroides antenatais foi associada a um risco modestamente aumentado de investigação para distúrbios neurocognitivos, escreveram os pesquisadores em estudo publicado no JAMA Pediatrics.

Bebês2 nascidos a termo que foram expostos a corticosteroides no útero1 tiveram um risco significativamente aumentado de desenvolver transtornos mentais ou comportamentais e distúrbios neurocognitivos comprovados ou suspeitos.

“Dado que aproximadamente 50% das crianças que tiveram exposição pré-termo aos corticosteroides antenatais excederam as expectativas e nasceram a termo, o momento e a dose da administração de corticosteroides antenatais devem ser cuidadosamente considerados”, escreveram Ninan e colegas.

Leia sobre "Conhecendo melhor os corticoides", "Medicamentos que podem ou não ser tomados durante a gravidez3" e "Desenvolvimento infantil".

Estudos em animais já mostraram que os corticosteroides antenatais afetam muitos órgãos em vários estágios da vida. No entanto, os resultados a longo prazo em crianças humanas não são bem compreendidos.

O objetivo do estudo, portanto, foi conduzir uma revisão sistemática e metanálise de resultados de longo prazo associados à exposição pré-termo a corticosteroides antenatais em comparação com nenhuma exposição em todas as crianças, bem como crianças com parto prematuro e a termo.

As bases de dados acadêmicas foram pesquisadas por artigos publicados de 1º de janeiro de 2000 a 29 de outubro de 2021, incluindo Ovid MEDLINE, Ovid Embase, PsycInfo, CINAHL (Cumulative Index of Nursing and Allied Health Literature), Web of Science, ClinicalTrials.gov e Google Scholar. As referências dos artigos também foram pesquisadas para estudos relevantes.

Ensaios clínicos4 randomizados (ECRs), quase-ECRs e estudos de coorte5 que avaliaram o desenvolvimento neurológico, psicológico ou outros desfechos de longo prazo em 1 ano ou mais naqueles que tiveram exposição pré-natal a corticosteroides antenatais foram incluídos. Nenhuma restrição de idioma foi definida.

Dois revisores extraíram independentemente os dados usando um formulário de extração de dados piloto. Foram coletados dados sobre a população do estudo, características da gravidez3, exposição a corticosteroides antenatais e desfechos. Itens de relatório preferidos para revisões sistemáticas e diretrizes de relatórios de metanálises foram seguidas, e modelos de efeitos aleatórios foram usados para a metanálise.

O desfecho primário foi um composto definido pelo autor de qualquer transtorno neurológico e/ou psicológico adverso. Os desfechos secundários incluíram medidas específicas de distúrbios psicológicos; atraso no neurodesenvolvimento; e desfechos antropométricos, metabólicos e cardiorrespiratórios.

Um total de 30 estudos preencheram os critérios de inclusão e envolveram mais de 1,25 milhão de crianças com pelo menos 1 ano de idade quando os resultados foram avaliados.

A exposição a um único ciclo de corticosteroides antenatais para crianças com parto prematuro extremo foi associada a uma redução significativa no risco de comprometimento do desenvolvimento neurológico (razão de chances ajustada, 0,69 [IC 95%, 0,57-0,84]; I² = 0%; baixa certeza).

Para crianças com parto prematuro tardio, a exposição a corticosteroides antenatais foi associada a um maior risco de investigação de distúrbios neurocognitivos (n = 25.668 crianças; taxa de risco ajustada [aHR], 1,12 [IC 95%, 1,05-1,20]; baixa certeza).

Para crianças nascidas a termo, a exposição a corticosteroides antenatais foi associada a um risco maior de transtornos mentais ou comportamentais (n = 641.487 crianças; aHR, 1,47 [IC 95%, 1,36-1,60]; baixa certeza), bem como distúrbios neurocognitivos comprovados ou suspeitos (n = 529.205 crianças; aHR, 1,16 [IC 95%, 1,10-1,21]; baixa certeza).

Os resultados deste estudo mostraram que a exposição a um único ciclo de corticosteroides antenatais foi associada a um risco significativamente menor de comprometimento do desenvolvimento neurológico em crianças com parto prematuro extremo, mas a um risco significativamente maior de resultados neurocognitivos e/ou psicológicos adversos em crianças com parto prematuro tardio e nascidas a termo, que representaram aproximadamente metade daquelas com exposição aos corticosteroides antenatais.

Os resultados sugerem uma necessidade de cautela na administração de corticosteroides antenatais.

Veja também sobre "Parto a termo", "Parto prematuro" e "Fatores de restrição ao crescimento intrauterino".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 11 de abril de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 11 de abril de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Uso de esteroides no pré-natal pode representar risco neurológico para bebês nascidos a termo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414630/uso-de-esteroides-no-pre-natal-pode-representar-risco-neurologico-para-bebes-nascidos-a-termo.htm>. Acesso em: 8 dez. 2022.

Complementos

1 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
2 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!