Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplemento de flavanóis de cacau reduz o risco de morte cardiovascular, segundo estudo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dados de um estudo em larga escala conduzido por pesquisadores da Divisão de Medicina Preventiva do Brigham and Women’s Hospital sugerem que o uso a longo prazo de um suplemento de flavanóis de cacau em idosos pode reduzir o risco de morte cardiovascular em mais de 25%.

No ensaio clínico Cocoa Supplement and Multivitamin Outcomes Study (COSMOS), os resultados sugeriram que o uso de 500 mg de flavanóis de cacau foi associado a uma redução estatisticamente significativa de 27% na morte cardiovascular e uma redução não significativa de 10% no total de eventos cardiovasculares em um período de acompanhamento de 3,6 anos.

“Estudos anteriores sugeriram benefícios para a saúde1 dos flavanóis – compostos em vários alimentos à base de plantas, incluindo cacau, chá, uvas e frutas vermelhas”, disse JoAnn Manson, MD, da Divisão de Medicina Preventiva do Brigham and Women's Hospital, em uma afirmação. “O COSMOS não foi um ensaio clínico de uso de chocolate – em vez disso, é um ensaio rigoroso de um suplemento de extrato de cacau que contém níveis de flavanóis de cacau que uma pessoa nunca poderia consumir a partir do chocolate sem adicionar calorias2, gordura3 e açúcar4 em excesso à sua dieta.”

Saiba mais sobre "Rutina ou flavonóides" e "Doenças cardiovasculares5".

O extrato de cacau é uma fonte de flavanóis que influenciaram favoravelmente os fatores de risco vascular6 em pequenos ensaios de curto prazo, mas os efeitos sobre eventos cardiovasculares clínicos não foram testados.

O objetivo deste novo estudo, publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, foi examinar se a suplementação7 com extrato de cacau diminui a doença cardiovascular (DCV) total entre idosos.

Foi conduzido um estudo fatorial 2 por 2 randomizado8, duplo-cego, controlado por placebo9, de suplementação7 de extrato de cacau e multivitaminas para prevenção de DCV e câncer10 entre 21.442 adultos norte-americanos (12.666 mulheres com idade ≥65 anos e 8.776 homens com idade ≥60 anos), livres de DCV maior e de câncer10 recentemente diagnosticado.

A fase de intervenção foi de junho de 2015 a dezembro de 2020. Este artigo relata a intervenção do extrato de cacau. Os participantes foram aleatoriamente designados para um suplemento de extrato de cacau (500 mg de flavanóis/d, incluindo 80 mg (–)-epicatequina) ou placebo9.

O desfecho primário foi um composto de eventos cardiovasculares totais incidentes11 confirmados, incluindo infarto do miocárdio12 (IM), acidente vascular cerebral13, revascularização coronariana, morte cardiovascular, doença carotídea, cirurgia de artéria14 periférica e angina15 instável.

Durante um acompanhamento médio de 3,6 anos, 410 participantes que tomaram extrato de cacau e 456 que tomaram placebo9 confirmaram eventos cardiovasculares totais (HR: 0,90; IC 95%: 0,78, 1,02; P = 0,11).

Para desfechos secundários, os HRs foram:

  • 0,73 (IC 95%: 0,54, 0,98) para morte por DCV;
  • 0,87 (IC 95%: 0,66, 1,16) para IM;
  • 0,91 (IC 95%: 0,70, 1,17) para acidente vascular cerebral13;
  • 0,95 (IC 95%: 0,77, 1,17) para revascularização coronariana;
  • neutro para outros desfechos cardiovasculares individuais;
  • 0,89 (IC 95%: 0,77, 1,03) para mortalidade16 por todas as causas.

Análises por protocolo censurando o acompanhamento em caso de não adesão apoiaram um risco menor de eventos cardiovasculares totais (HR: 0,85; IC 95%: 0,72, 0,99). Não houve preocupações de segurança.

O estudo concluiu que a suplementação7 de extrato de cacau não reduziu significativamente os eventos cardiovasculares totais entre os idosos, mas reduziu a morte por doença cardiovascular em 27%. Potenciais reduções no total de eventos cardiovasculares foram apoiadas em análises por protocolo.

Pesquisas adicionais são necessárias para esclarecer se o extrato de cacau pode reduzir os eventos cardiovasculares clínicos.

Leia sobre "Suplementos alimentares", "Hipovitaminoses" e "Sete passos para um coração17 saudável".

 

Fontes:
The American Journal of Clinical Nutrition, publicação em 16 de março de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 18 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Suplemento de flavanóis de cacau reduz o risco de morte cardiovascular, segundo estudo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1413990/suplemento-de-flavanois-de-cacau-reduz-o-risco-de-morte-cardiovascular-segundo-estudo.htm>. Acesso em: 10 dez. 2022.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
3 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
4 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
7 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
8 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
11 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
12 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
13 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
14 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
15 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
16 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
17 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!