Gostou do artigo? Compartilhe!

Darolutamida melhora a sobrevida global no câncer de próstata metastático

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A darolutamida (Nubeqa) combinada com o tratamento padrão melhorou significativamente a sobrevida1 em pacientes com câncer2 de próstata3 metastático hormônio4-sensível (mHSPC), segundo o estudo de fase III ARASENS.

No corte de dados, os pacientes que receberam darolutamida mais terapia de privação androgênica (TPA) e docetaxel tiveram um risco de morte 32,5% menor em comparação com o grupo que recebeu placebo5 mais o padrão, relatou Matthew Smith, MD, PhD, do Massachusetts General Hospital Cancer2 Center e da Harvard Medical School em Boston, durante o Simpósio de Câncer2 Geniturinário.

A taxa de sobrevida1 global (SG) em 4 anos foi de 62,7% no grupo darolutamida versus 50,4% no grupo placebo5, com um efeito de tratamento favorável na maioria dos subgrupos.

“Com base nos resultados do ARASENS, a darolutamida em combinação com TPA e docetaxel deve se tornar um novo padrão de tratamento para pacientes6 com mHSPC”, disse Smith.

Esse benefício de SG foi observado apesar do fato de que uma alta porcentagem de pacientes no grupo placebo5 recebeu terapia sistêmica subsequente de prolongamento da vida durante o acompanhamento, conforme observado no The New England Journal of Medicine, onde o estudo foi publicado simultaneamente.

Saiba mais sobre "Câncer2 de Próstata3 - o que é", "Câncer2 de próstata3 - quando agendar uma consulta" e "O que são metástases7".

A darolutamida também foi associada a benefícios consistentes em desfechos secundários, incluindo:

  • Maior tempo para o desenvolvimento de doença resistente à castração8 (HR 0,36, IC 95% 0,30-0,42, P <0,001)
  • Maior tempo para progressão da dor (HR 0,79, IC 95% 0,66-0,95, P = 0,01)
  • Sobrevida1 livre de eventos esqueléticos sintomáticos mais longa (HR 0,61, IC 95% 0,52-0,72, P <0,001)
  • Maior tempo para um primeiro evento esquelético sintomático9 (HR 0,71, IC 95% 0,54-0,94, P = 0,02)
  • Maior tempo para o início da terapia antineoplásica sistêmica subsequente (HR 0,39, IC 95% 0,33-0,46, P <0,001)

A darolutamida é um potente inibidor do receptor androgênico10 que tem sido associado ao aumento da sobrevida1 global entre pacientes com câncer2 de próstata3 não metastático resistente à castração8. Não se sabia, no entanto, se uma combinação de darolutamida, terapia de privação de androgênio e docetaxel aumentaria a sobrevida1 entre pacientes com câncer2 de próstata3 metastático sensível a hormônios.

Neste estudo internacional de fase 3, designou-se aleatoriamente pacientes com câncer2 de próstata3 metastático hormônio4-sensível em uma proporção de 1:1 para receber darolutamida (na dose de 600 mg [dois comprimidos de 300 mg] duas vezes ao dia) ou placebo5 correspondente, ambos em combinação com terapia de privação androgênica e docetaxel. O desfecho primário foi a sobrevivência11 global.

A análise primária envolveu 1.306 pacientes (651 no grupo darolutamida e 655 no grupo placebo5); 86,1% dos pacientes apresentavam doença metastática12 no momento do diagnóstico13 inicial. Na data de corte dos dados para a análise primária (25 de outubro de 2021), o risco de morte foi significativamente menor, em 32,5%, no grupo darolutamida do que no grupo placebo5 (taxa de risco 0,68; intervalo de confiança de 95%, 0,57 a 0,80 ; P <0,001).

A darolutamida também foi associada a benefícios consistentes em relação aos desfechos secundários e subgrupos pré-especificados.

Os eventos adversos foram semelhantes nos dois grupos, e as incidências dos eventos adversos mais comuns (ocorrendo em ≥10% dos pacientes) foram mais altas durante o período de sobreposição de tratamento com docetaxel em ambos os grupos. A frequência de eventos adversos de grau 3 ou 4 foi de 66,1% no grupo darolutamida e 63,5% no grupo placebo5; a neutropenia14 foi o evento adverso de grau 3 ou 4 mais comum (em 33,7% e 34,2%, respectivamente).

Neste estudo envolvendo pacientes com câncer2 de próstata3 metastático hormônio4-sensível, a sobrevida1 global foi significativamente maior com a combinação de darolutamida, terapia de privação androgênica e docetaxel do que com placebo5 mais terapia de privação androgênica e docetaxel, e a adição de darolutamida levou a melhoria nos principais desfechos secundários. A frequência de eventos adversos foi semelhante nos dois grupos.

Leia sobre "Antígeno15 Prostático Específico ou PSA", "Toque retal: por que fazer" e "Cirurgia da próstata3: quando ela deve ser feita".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 17de fevereiro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 17 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Darolutamida melhora a sobrevida global no câncer de próstata metastático. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1412490/darolutamida-melhora-a-sobrevida-global-no-cancer-de-prostata-metastatico.htm>. Acesso em: 5 out. 2022.

Complementos

1 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
4 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
8 Castração: Anulação da função ovariana ou testicular através da extirpação destes órgãos ou por inibição farmacológica.
9 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
10 Androgênico: Relativo à androgenia e a androgênios. Androgênios são hormônios esteroides, controladores do crescimento dos órgãos sexuais masculinos. O hormônio natural masculino é a testosterona.
11 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
12 Doença metastática: Câncer que se espalhou do seu local de origem a outras partes do organismo.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
15 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!