Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo medicamento se mostrou promissor contra o vírus sincicial respiratório em teste de desafio envolvendo adultos saudáveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma pequena molécula experimental, EDP-938, mostrou-se promissora como tratamento para o vírus1 sincicial respiratório (VSR) em um teste de desafio humano randomizado2.

Em todos os regimes de dosagem testados, 5 dias de tratamento com o inibidor oral de replicação não-fusão do VSR provou ser superior ao placebo3 na redução da carga viral e na melhora dos sintomas4 clínicos, sem apresentar preocupações de segurança “aparentes”, relataram Alaa Ahmad, PhD, da Enanta Pharmaceuticals, e colegas.

“Os resultados das medidas farmacocinéticas plasmáticas do EDP-938 foram geralmente semelhantes aos observados no primeiro estudo em humanos”, escreveu a equipe no artigo publicado no The New England Journal of Medicine. “O EDP-938 foi rapidamente absorvido e teve uma meia-vida que suporta a dosagem de uma ou duas vezes ao dia.”

Leia sobre "Bronquiolite em bebês5 e crianças pequenas", "Sinusite6" e "Laringite7 estridulosa".

Em um editorial de acompanhamento, Larry Anderson, MD, da Emory University School of Medicine, e Edward Walsh, MD, da University of Rochester School of Medicine, disseram que os resultados apoiam outros ensaios clínicos8, mas também soaram uma nota de cautela.

“Resultados positivos de tratamentos em estudos de desafio anteriores não foram seguidos de sucesso em ensaios clínicos8 posteriores”, escreveu a dupla. “É provável que a diferença no momento do tratamento contribua para a discrepância entre os estudos de desafio e os ensaios clínicos8. Em estudos de desafio, o medicamento é administrado precocemente, enquanto em ensaios clínicos8 de infecção9 natural pelo VSR o medicamento é administrado quando as concentrações virais atingem o pico, uma vez que os pacientes geralmente se apresentam para atendimento 3 a 8 dias após o início dos sintomas”.

Atualmente, a ribavirina em aerossol é o único tratamento aprovado para o VSR, explicou o grupo de Ahmad, embora apenas para crianças hospitalizadas com casos graves envolvendo as vias aéreas inferiores, e o baixo perfil de segurança do medicamento tem limitado seu uso.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como a infecção9 pelo vírus1 sincicial respiratório (VSR) causa morbidade10 e mortalidade11 substanciais entre bebês5, idosos e adultos imunocomprometidos. O EDP-938, um inibidor de replicação não-fusão do VSR, atua modulando a nucleoproteína viral.

Em um estudo de desafio de fase 2a, randomizado2, duplo-cego, controlado por placebo3, em duas partes, participantes que haviam sido inoculados com VSR-A Memphis 37b foram atribuídos para receber EDP-938 ou placebo3. Diferentes doses de EDP-938 foram avaliadas.

Amostras de lavagem nasal foram obtidas do dia 2 até o dia 12 para avaliações. Os sintomas4 clínicos foram avaliados pelos participantes e os perfis farmacocinéticos foram obtidos.

O desfecho primário foi a área sob a curva (AUC12) para a carga viral do VSR, medida pelo ensaio de reação em cadeia da polimerase quantitativa com transcriptase reversa. O desfecho secundário principal foi a AUC12 para a pontuação total de sintomas4.

Na parte 1 do estudo, 115 participantes foram designados para receber EDP-938 (600 mg uma vez ao dia [grupo de 600 mg uma vez ao dia] ou 300 mg duas vezes ao dia após uma dose de carga de 500 mg [grupo de 300 mg duas vezes ao dia]) ou placebo3.

Na parte 2, um total de 63 participantes foi designado para receber EDP-938 (300 mg uma vez ao dia após uma dose de carga de 600 mg [grupo de 300 mg uma vez ao dia] ou 200 mg duas vezes ao dia após uma dose de carga de 400 mg [grupo de 200 mg duas vezes ao dia]) ou placebo3.

Na parte 1, a AUC12 para a carga viral média (horas × log10 cópias por mililitro) foi de 204,0 no grupo de 600 mg uma vez ao dia, 217,7 no grupo de 300 mg duas vezes ao dia e 790,2 no grupo placebo3.

A AUC12 para a pontuação média total de sintomas4 (horas x pontuação, com valores mais altos indicando maior gravidade) foi de 124,5 no grupo de 600 mg uma vez ao dia, 181,8 no grupo de 300 mg duas vezes ao dia e 478,8 no grupo placebo3.

Os resultados na parte 2 seguiram um padrão semelhante ao da parte 1: a AUC12 para a carga viral média foi de 173,9 no grupo de 300 mg uma vez ao dia, 196,2 no grupo de 200 mg duas vezes ao dia e 879,0 no grupo placebo3 grupo. E a AUC12 para a pontuação média total de sintomas4 foi de 99,3, 89,6 e 432,2, respectivamente.

Em ambas as partes, a produção de muco foi mais de 70% menor em cada grupo de EDP-938 do que no grupo placebo3. Os quatro regimes de EDP-938 tiveram um perfil de segurança semelhante ao do placebo3. Em todos os regimes de dosagem, o tempo médio do EDP-938 para a concentração máxima variou de 4 a 5 horas, e a meia-vida média geométrica variou de 13,7 a 14,5 horas.

O estudo concluiu que todos os regimes de EDP-938 foram superiores ao placebo3 no que diz respeito à redução da carga viral, pontuações totais de sintomas4 e peso do muco sem preocupações de segurança aparentes.

Veja também sobre "O que são vírus1", "Doenças respiratórias" e "Pneumonia13 na infância".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 17 de fevereiro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 16 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Novo medicamento se mostrou promissor contra o vírus sincicial respiratório em teste de desafio envolvendo adultos saudáveis. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1410645/novo-medicamento-se-mostrou-promissor-contra-o-virus-sincicial-respiratorio-em-teste-de-desafio-envolvendo-adultos-saudaveis.htm>. Acesso em: 2 dez. 2022.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
7 Laringite: Inflamação da mucosa que recobre a laringe. É muito freqüente durante os meses frios, e é produzida por uma infecção viral. Apresenta-se com dor, alterações da fonação (disfonia), tosse e febre.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
11 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
12 AUC: A área sob a curva ROC (Receiver Operator Characteristic Curve ou Curva Característica de Operação do Receptor), também chamada de AUC, representa a acurácia ou performance global do teste, pois leva em consideração todos os valores de sensibilidade e especificidade para cada valor da variável do teste. Quanto maior o poder do teste em discriminar os indivíduos doentes e não doentes, mais a curva se aproxima do canto superior esquerdo, no ponto que representa a sensibilidade e 1-especificidade do melhor valor de corte. Quanto melhor o teste, mais a área sob a curva ROC se aproxima de 1.
13 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
Gostou do artigo? Compartilhe!